PROVA COMENTADA STJ - FISIOTERAPIA
Concursos Públicos

PROVA COMENTADA STJ – FISIOTERAPIA

Olá, pessoal! Tudo bem? Estudando muito para o concurso do STJ? O assunto de hoje é a última prova comentada do STJ para analista judiciário – fisioterapeuta, realizada em 2015, banca organizadora CESPE. Colocamos os comentários de cada questão. Percebam que a prova não foi difícil, porém muitos assuntos. No próximo post colocarei o restante das questões e algumas considerações referente a esse concurso. Vamos lá!

 

O kinesiotape, método utilizado no tratamento preventivo de atletas…

51 utiliza a modulação autonômica produzida por uma fita elástica adesiva acoplada à pele para aumentar o fluxo vascular periférico, o que resulta em melhora do aporte de nutrientes aos tecidos mais prementes.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: Isso mesmo que ocorre. Lembre-se que aumenta o fluxo vascular periférico.

 

52 fundamenta-se no conceito de que uma fita elástica adesiva acoplada à pele é capaz de estimular tecidos profundos por meio da ativação de mecanoreceptores, de modo a favorecer o monitoramento da posição articular.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: A fita elástica adesiva acoplada à pele permite estímulos somatossensoriais aferentes, estímulos mecânicos constantes e duradouros que são percebidos em nível cortical que produzem resposta motora. Estes estímulos no sistema tegumentar podem auxiliar na neuroplasticidade do sistema. Sua aplicação causa um aumento da propriocepção por aumentar a excitação dos mecanorreceptores cutâneos. Portanto, resposta correta.

 

53 consiste em uma modalidade terapêutica voltada para a modulação autonômica produzida pela manipulação, o que gera ação anti-inflamatória e resulta no aumento da amplitude dos movimentos e na diminuição da percepção da dor.

 

Gabarito: Errado.

Comentários:Não é uma manipulação, é uma técnica com fita elástica adesiva – bandagem.

 

54 é capaz de estimular tecidos profundos da pele por meio da ativação de barorreceptores, além de favorecer o melhor controle pressórico.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: Vimos que é por meio de mecanorreceptores encontrados na derme e epiderme.

 

Entre os recursos amplamente utilizados pela fisioterapia para ganho de força muscular inclui-se a estimulação elétrica neuromuscular de baixa frequência, que:

55 utiliza corrente elétrica despolarizada com pulso assimétrico bifásico, retangular e balanceado. Esses pulsos são capazes de estimular fibras de grosso calibre (tipo A), que, ao estimularem o corno posterior da medula, impedem que os estímulos provenientes das fibras de menor calibre (tipo C) atinjam o tálamo.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: essa descrição de corrente se refere a terapia TENS, a qual, conforme sabemos e estudamos não é utilizada na fisioterapia para ganho de força muscular, e sim, para o alívio da dor. Logo, assertiva errada.

 

56 tem como base terapêutica a aplicação de corrente elétrica sob a pele, o que produz contração muscular por ativação de neurônios motores. A dose terapêutica deve ser inferior ao limiar doloroso para não causar desconforto ao paciente.

Gabarito: Correta.

Comentários: Estudamos que a intensidade da eletroestimulação neuromuscular deve ser regulada de acordo com os objetivos do tratamento, porém, de forma que não venha causar dor ao paciente. Portanto, assertiva correta.

 

57 utiliza corrente elétrica pulsada, com frequência de pulso superior a 50 Hz, capaz de gerar excitabilidade, despolarização muscular e contração muscular cíclica ao atingir o tecido musculoesquelético.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: Todos os aparelhos de estimulação neuromuscular possuem correntes pulsadas! As fibras começam a se contrair com uma frequência de pulso de 20 Hz, mas a força máxima de contração estão entre 60 e 100 Hz. Ao aumentar a frequência, consequentemente, mais unidades motoras serão recrutadas em uma maior velocidade, aumentando a força de contração e as chances de fadiga muscular.

 

58 gera contração muscular involuntária por meio de corrente elétrica de baixa frequência. Nesse tipo de estimulação elétrica, garante-se ação em tecidos profundos pela aplicação de duas correntes de média frequência.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: é uma corrente de baixa frequência com pequena capacidade de penetração. Ocorre uma liberação de uma série de pulsos em um único estímulo elétrico, gerando uma contração mais próxima do fisiológico.

 

Entre os itens que compõem a avaliação clínica fisioterapêutica em pacientes com redução da capacidade funcional, o teste de caminhada dos seis minutos é amplamente utilizado e, atualmente, é considerado:

 

Vamos falar do teste de 6 minutos.

O teste da caminhada dos 6 minutos (TC6) mede a distância que o paciente consegue caminhar durante 6 minutos, sobre uma superfície lisa e sem inclinações.

O teste deve ser realizado num corredor (plano), colocando-se como referência 2 cones (um em cada extremidade do percurso), afastados entre si por uma distância de 30 metros.

Antes do teste, o examinador deve explicar todo o procedimento ao avaliado, assim como a Escala de Borg.

Vamos resumir como é realizado o teste.

E o que o TC6 avalia?

Esse teste tem sido usado mundialmente como preditor de mortalidade em várias patologias, como insuficiência cardíaca, DPOC e hipertensão arterial pulmonar idiopática. Também tem sido utilizado na avaliação de:

– oxigenoterapia ambulatorial;

– fibrose pulmonar idiopática;

– avaliação pré-operatória e pós-operatória de pacientes submetidos a cirurgia torácica (transplante de pulmão, ressecção pulmonar e cirurgia para redução de volume pulmonar) ou cirurgia bariátrica para obesidade mórbida,

– avaliação de pacientes com DPOC, fibrose cística ou fibromialgia;

avaliação da capacidade funcional.

 

O avaliado pode apresentar sinais e sintomas de doença cardiopulmonar, como: Principais sinais e sintomas sugestivos de doença cardiopulmonar: dor, desconforto no tórax, pescoço, mandíbula, braços, ou outras áreas que possam ser natureza isquêmica; encurtamento da respiração em repouso ou com esforço brando; tontura ou síncope; dispneia; edema de tornozelo; palpitações ou taquicardia; claudicação intermitente; fadiga incomum.

 

59 um dos métodos de maior acurácia para a prescrição de treinamento físico.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: Esse não é o objetivo do teste de 6 minutos, mas sim avaliar a capacidade funcional.

 

60 essencial para a avaliação da resposta ao tratamento fisioterapêutico.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: Item correto, se for avaliado antes, durante e após o tratamento fisioterapêutico, pode ser utilizado para a avaliar a evolução do paciente.

 

61 um importante recurso para a avaliação da capacidade física máxima de um indivíduo, desde que realizado de forma incremental.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: O TC6 avalia a capacidade física (funcional) submáxima de um indivíduo. Ele é importante, não apenas de forma incremental.

 

62 um teste capaz de determinar as causas que limitam o exercício.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: O TC6 não determina a causa, apenas avalia se há limitação da capacidade funcional e de acordo com os parâmetros avaliados sugerir algum acometimento.

 

63 fundamental para a avaliação da capacidade física submáxima de um indivíduo.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: Isso mesmo, como falamos.

 

Entre os recursos utilizados pelo profissional de fisioterapia no tratamento de condições álgicas de origem musculoesquelética, a corrente interferencial vetorial é considerada:

 

64 efetiva na redução dos quadros álgicos de origem musculoesquelética se estiver associada ao tratamento convencional.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: A corrente interferencial é efetiva para a redução de quadros álgicos de origem musculoesquelética, porém não deve ser utilizado apenas ela, pois será considerada realmente efetiva.

 

65 um método para produzir contração muscular no qual se utiliza corrente bifásica alternada de média frequência com onda sinusoidal ou retangular, com trens de pulso.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: A corrente interferencial não produz contração muscular.

 

66 um recurso que utiliza corrente alternada de média frequência com amplitude modulada em baixa frequência para minimizar o efeito da impedância elétrica na pele.

 

Gabarito: correta.

Comentários: Vamos relembrar o conceito da corrente interferencial: “Como definição podemos dizer que a Corrente Interferencial é a aplicação transcutânea de correntes elétricas alternadas de média frequência, com sua amplitude modulada a baixa frequência, para finalidades terapêuticas”. Não tem pegadinhas. Portanto, alternativa correta.

Em relação à impedância da pele, sabemos que ela é inversamente proporcional à frequência da corrente elétrica. Por isso, fizeram a corrente de média frequência, por acreditarem que são mais confortáveis que as correntes de baixa frequência.  Além disso, a corrente de média frequência passa muito mais facilmente através da pele do que correntes de baixa frequência devido a impedância mais baixa oferecida pelo pulsos elétricos mais curtos.

 

67 uma modalidade terapêutica que utiliza uma corrente elétrica resultante, proveniente da somação de duas correntes de maior frequência, para atingir tecidos mais profundos.

 

Gabarito: Correta.

Comentários: essa também está fácil, não é pessoal? O CESPE está facilitando. Falamos disso nas questões anteriores. Alternativa correta. Sem pegadinhas também.

 

68 um tratamento efetivo na redução de um processo inflamatório, desde que usado de modo isolado.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: isoladamente o objetivo da corrente interferencial é apenas alívio do quadro álgico do paciente, portanto, este recurso não deve ser utilizado de forma isolada para o tratamento do paciente. Alternativa errada.

 

Constituem métodos de avaliação dos sistemas musculoesquelético, cardiovascular, respiratório e neurológico, respectivamente:

69 a dinamometria isocinética, o teste de esforço, as pressões respiratórias máximas e a eletromiografia de superfície.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: Item correto. A dinamometria isocinética avalia o sistema musculoesquelético; o teste de esforço avalia o sistema cardiovascular; as pressões respiratórias máximas avalia o sistema respiratório.

A eletromiografia de superfície consiste no registro da soma da atividade elétrica de todas as fibras musculares ativas através da colocação de eletrodos colocados sobre a pele e permitem colher os potenciais que ocorrem no sarcolema das diversas fibras ativadas que são conduzidas pelos tecidos e fluidos envolventes até a superfície da pele. A partir disso, podemos concluir que avalia o sistema neurológico também.

 

70 o banco de Wells, o teste da caminhada dos seis minutos, a pressão respiratória nasal e o índice de Tiffeneau.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: O banco de Weels avalia a flexibilidade da cadeia posterior de tronco e membros inferiores, ou seja, avalia o sistema musculoesquelético. O testes de seis minutos pode ser considerado um teste que avalia o sistema cardiovascular, pois avalia a capacidade física submáxima de um indivíduo.

        A determinação da pressão inspiratória nasal (PIN) é um teste para complementar a avaliação da força muscular inspiratória (pela determinação da PImáx), ou seja, é um teste do sistema respiratório.

        O índice de Tiffeneau faz parte da Espirometria, teste da função respiratória. Por isso, esse item está errado.

71 o índice cintura-quadril, o shutte walk-test, o teste da caminhada dos seis minutos e a plataforma de força.

Gabarito: Errado.

Comentários: O Índice cintura-quadril é utilizado para avaliar o prognóstico de eventos cardiovasculares em adultos. A partir disso, podemos ver que o item está errado. O shutte walk-test é um teste de caminhada com velocidade controlada, que avalia a capacidade funcional de exercício. A plataforma de força mede as forças de reações do solo.

72 a eletromiografia de superfície, o intervalo RR, a ventilometria e a baropodometria.

Gabarito: Certo.

Comentários: A eletromiografia avalia o sistema neurológico e o sistema musculoesquelético.

        O intervalo RR corresponde a um batimento cardíaco, avaliado através do eletrocardiograma. Ou seja, é uma avaliação do sistema cardiovascular.

        A ventilometria avalia a mecânica pulmonar que utiliza como instrumento o ventilômetro. Ou seja, avalia o sistema respiratório.

        A baropodometria é o estudo da pisada estática e dinâmica através do baropodômetro. Esse teste permite avaliar as cargas dos pés em diferentes modalidades, proporcionando uma análise biomecânica e estrutural das possíveis alterações e desvios na marcha e postura. Sabendo disso, pode ser considerado que avalia o sistema neurológico também, além do sistema musculoesquelético, pois os dois estão intimamente ligados nessas alterações de marcha e postura.

 

73 o teste de repetição máxima, o teste ergoespirométrico, a espirometria e o biofeedback.

Gabarito: Certo.

Comentários: O teste de repetição máxima (1RM) é a quantidade máxima de peso levantada uma vez durante a realização de um exercício padronizado de levantamento de peso. Ou seja, é um método de avaliação do sistema musculoesquelético. Item correto.

        O teste ergoespirométrico avalia a aptidão física e o comportamento cardiorrespiratório frente ao esforço físico máximo. Item correto.

        A espirometria avalia a função respiratória. Item correto.

        O biofeedback pode ser utilizado na avaliação do sistema neurológico também. Nada mais é que o retorno imediato da informação através de aparelhos sensórios eletrônicos, desenvolvendo a capacidade autorregulação. Item correto.

 

Um jogador de tênis de trinta e quatro anos de idade procurou atendimento fisioterapêutico, relatando dor na região lateral do cotovelo, que ocorre a partir da contração da musculatura do punho. A dor teve início discreto, percebida após a realização dos jogos, mas tornou-se intensa durante toda a prática da atividade física, impedindo o término das partidas de tênis.

Considerando o caso clínico apresentado, julgue os itens a seguir.

  

74 O objetivo inicial do tratamento fisioterapêutico para a condição apresentada pelo paciente em questão inclui redução da dor, diminuição do quadro inflamatório e ênfase no repouso relativo.

Gabarito: Certo.

Comentários: Item correto. Essa é a base do tratamento das afecções musculoesqueléticas que tanto falamos durante todas as aulas dos cursos de Fisioterapia Traumatoortopédica.

75 Nesse caso, durante os exercícios de fortalecimento muscular, deve-se recomendar o uso de uma órtese sobre a musculatura extensora do punho, em um ponto imediatamente distal da articulação do cotovelo.

Gabarito: Certo.

Comentários: Prestem atenção que é durante exercícios de fortalecimento. A premissa básica para a indicação de órteses nesse caso é a necessidade de proporcionar repouso aos músculos extensores do punho, diminuindo a tensão sobre eles. Os estudos indicam maior efetividade da órtese de extensão de punho na redução da musculatura extensora do punho durante a execução de tarefas que exigem maior grau de força muscular. Ou seja, item correto.

76 Agravos prováveis da falta de tratamento adequado em situações como a apresentada pelo paciente em apreço incluem a atrofia e a perda de força da musculatura extensora, associadas à limitação da flexão passiva do punho.

Gabarito: Certo.

Comentários: Vamos lembrar que o quadro clínico se manifesta com dor decorrente de processo inflamatório local, próximo às inserções dos músculos extensores. Se o paciente não for tratado, o quadro com certeza evoluirá para a atrofia da musculatura e limitação funcional (com perda de força muscular e diminuição da flexibilidade dessa musculatura, que resultará em limitação da flexão). Logo, a questão está correta.

77 O quadro clínico apresentado pelo paciente é característico de uma inflamação na região de origem dos tendões extensores do punho denominada epicondilite medial.

Gabarito: Errado.

Comentários: ATENÇÃO pessoal!!! Pegadinha! Lembrem onde passam os tendões dos extensores de cotovelo. Epicôndilo LATERAL. Alternativa errada.

78 Os sinais clínicos mais evidentes da referida lesão incluem redução ou perda de sensibilidade na região medial e lateral do cotovelo.

Gabarito: Errado.

Comentários: Se tivermos uma epicondilite, os sinais clínicos se manifestam na região por onde passam os tendões e musculatura daquela lesão. Logo, as manifestações se manifestam apenas na face lateral do cotovelo (no caso da questão).

 

Quatro meses atrás, uma paciente de sessenta e cinco anos de idade foi encaminhada de um hospital para uma unidade de reabilitação, com história de rebaixamento súbito do nível da consciência, diminuição da força muscular no hemicorpo esquerdo, não responsiva a comandos verbais, com abertura ocular ao estímulo doloroso e resposta motora ausente. Inicialmente, A paciente recebeu diagnóstico de episódio único de acidente vascular encefálico, decorrente da ruptura de aneurisma congênito no polígono de Willis. Atualmente, a paciente apresenta-se com quadro de hemiplegia no hemicorpo esquerdo, com limitação de amplitude de movimento de extensão de cotovelo. Além disso, apresenta hipertonia de flexores de cotovelo e de punho, padrão postural em extensão e rotação interna do quadril e do joelho, flexão plantar e inversão do pé. Com relação ao caso clínico apresentado, julgue os itens subsecutivos.

79 O quadro clínico da paciente refere-se a uma hemorragia intraparenquimatosa decorrente da ruptura do aneurisma congênito no polígono de Willis.

Gabarito: Errado.

Comentários: Não há como afirmar que a hemorragia é intraparenquimatosa, uma vez que a descrição da topografia da lesão é apenas Polígono de Willis. Assim como, em geral, as hemorragias intra parênquima costumam ser decorrentes de lesões em artérias mais distais em relação ao Polígono.

80 A utilização da terapia por contenção induzida por um período de quatorze dias, com restrição do membro superior direito, em 90% do período ativo do dia, somada a seis horas de terapia dirigida, é capaz de promover melhora da funcionalidade ao membro superior da paciente.

Gabarito: Certo.

Comentários: Embora a técnica do “Uso Forçado do Membro Superior”, descrita na afirmativa, seja pouco empregada no Brasil, ela pode ser empregada obedecendo a protocolos específicos e apresentando muito bons resultados, uma vez que, esta técnica vai priorizar o uso do membro hemiparético e promoverá melhores efeitos sobre a plasticidade neural.

81 Deve-se recomendar, nesse caso, a utilização de órtese no membro superior esquerdo da paciente, para prevenir a diminuição da amplitude de movimento de punho, preservar o arco de movimento e reduzir a espasticidade de flexores de cotovelo.

Gabarito: Certo.

Comentários: Sim. Este tipo de órtese pode ser empregada a fim de evitar as contraturas descritas. Tais contraturas e encurtamentos são decorrentes do padrão hipertônico flexor do membro superior e são complicações muito comuns decorrentes da hemiplegia.

82 Com a evolução do quadro da paciente, a melhor estratégia para o treino de equilíbrio inclui a realização de alongamentos dos grupos musculares associado à realização de técnicas de agilidade, como marcha em oito, marcha com passos de comprimento e velocidades diferentes, andar de lado, andar cruzado e andar sobre obstáculos.

 

Gabarito: Certo.

Comentários: O uso de técnicas que procuram melhorar o equilíbrio são fundamentais com a evolução do quadro. Das técnicas descritas na afirmativa, aquela que pode gerar dúvida é o alongamento. Porém, ele pode ser empregado indiretamente, a fim de melhorar o padrão extensor de membros inferiores e indiretamente otimizar a base de sustentação e o desempenho do equilíbrio corporal.

83 A avaliação dessa paciente no momento da admissão hospitalar, por meio da escala de coma de Glasgow, revela quadro de coma intermediário, com escore de dois pontos.

 

Gabarito: Errado.

Comentários: Iremos falar rapidamente da Escala de Coma de Glasgow, pois é o padrão ouro usado para documentar os níveis de consciência. São avaliados três componentes: abertura dos olhos, melhor resposta motora e resposta verbal. Cada um tem uma pontuação. Ao final somam-se todos os resultados e após são interpretados em:

        Notem que a Escala vai de 3 pontos à 15 pontos.

No caso de TCE, é recomendado realizar traqueostomia precoce precoce (até 7 dias) nos pacientes mais graves (Escala de Glasgow < 8), que geralmente necessitam de suporte ventilatório prolongado (Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica). Outros exemplos:

– Asma: ventilação mecânica invasiva quando há rebaixamento de consciência – Escala de Coma de Glasgow < 12. Dentre outros parâmetros.

– Paciente neurológico: intubar os pacientes com escala de coma de Glasgow ≤ 8, com abolição de reflexos de tosse.

De uma forma geral, escala de coma de Glasgow ≤ 8 é recomendada a proteção da via aérea, necessitando de suporte ventilatório.

Vejamos abaixo o que está no enunciado que devemos olhar:

– Não responsiva a comandos verbais – 1 ponto;

– Abertura ocular ao estímulo doloroso – 2 pontos;

– Resposta motora ausente – 1 ponto.

Total de pontos: 4 pontos. Ou seja, abaixo ou igual a 8 pontos, significa coma. Item errado, são 4 pontos e não 2.

Uma paciente de trinta e dois anos de idade, com estatura de 1,58 m e 78 kg, histórico de hipertensão, com doze semanas de gestação, procurou uma clínica de fisioterapia para assistência pré-natal, e apresentava diagnóstico clínico de diabetes melito gestacional. Com relação ao caso clínico apresentado, julgue os itens subsequentes.

84 O quadro clínico de diabetes melito da paciente é resultado de uma situação temporária que, embora mereça acompanhamento constante, tem duração restrita ao período da gestação.

Gabarito: Errado.

 Comentários: Muitas gestantes que desenvolvem diabetes gestacional permanecem com o quadro após o parto. Trata-se de uma condição clínica que chama a atenção e que pode causar diversas repercussões na saúde da mulher e que merece cuidados durante e após o parto.

85 A massa corporal e o quadro de hipertensão da paciente possuem relação direta com a ocorrência do diabetes melito gestacional.

Gabarito: Certo.

Comentários: Em geral, o quadro clínico citado no caso é associado, de forma que a gestante apresenta um distúrbio metabólico amplo, envolvem, entre outros aspectos, o diabetes gestacional e a hipertensão arterial.

86 Deve-se recomendar à paciente que participe de um programa de exercícios físicos, essencialmente em grupos comunitários, para maior socialização, controle dos níveis de glicemia e elevação dos hormônios contrarreguladores.

Gabarito: Errado.

Comentários: O ideal é o acompanhamento individualizado desta gestante.

  

87 A gestante em questão deve receber recomendação para realizar exercícios físicos três vezes por semana, com intensidade de 70% da frequência cardíaca máxima e duração de 25 min.

 

Gabarito: Certo.

 Comentários: O exercício físico é reconhecidamente parte do tratamento de diabéticos por aumentar a sensibilidade tecidual à insulina, melhorando o controle glicêmico. Recomenda-se que gestantes com diabetes controlada realizem exercícios físicos aeróbicos e de resistência muscular para ajudar no controle glicêmico. Alguns estudos indicam que os exercícios devem ser realizados de 60 a 70% da frequência cardíaca máxima (alguns estudos indicam de 65 a 75% FCmax) para garantir uma intensidade adequada na redução dos níveis de glicose sanguínea, sem causar fadiga excessiva. Frequência de três a quatro vezes por semana, intensidade moderada (regulada pela freqüência cardíaca e escala para percepção do esforço), e duração (de exercício aeróbico) de 15 a 30 minutos.

Na questão temos a frequência de 3 vezes na semana (correto, pois é o mínimo para o tratamento), duração de 25 minutos (está na faixa de 15 a 30 minutos, então está correto) e 70% da frequência cardíaca máxima (também está na faixa descrita anteriormente). Por isso a questão está correta.

88 Durante a prática de exercícios físicos, é recomendada a manutenção do tônus da musculatura abdominal, para favorecimento do parto vaginal, por meio da realização de contrações abdominais e uterinas de leve intensidade.

Gabarito: Errado.

Comentários: Contrações abdominais leves estão corretas, porém contrações uterinas não. Até por que, as contrações uterinas decorrem de mecanismos mediados pelo sistema nervoso autônomo e não estão sob controle voluntário.

89 Não havendo intercorrência na gestação, a via de parto preferencial para essa gestante é a via vaginal.

Gabarito: Certo.

Comentários: Desde que seja realizado o acompanhamento do distúrbio metabólico apresentado pela gestante e não havendo novas intercorrências, a via de parto vaginal é sempre a melhor escolha.

 

Então é isso! Até o próximo post! Estudem bastante para o STJ!

Abraços,

Equipe de Fisioterapia

 

Confira o nosso pacote completo para STJ:

https://www.estrategiaconcursos.com.br/curso/pacote-completo-p-stj-analista-judiciario-fisioterapia-com-videoaulas-pos-edital/

Posts Relacionados

Gislaine dos Santos Holler

Gislaine dos Santos Holler

Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário Metodista de Porto Alegre (2013), pós-graduanda em Fisioterapia Traumato-ortopédica. Realizou diversos cursos na área de Fisioterapia Dermatofuncional, Fisioterapia Traumato-ortopédica e Pilates. Trabalhou na área de Pilates de 2012 até 2014. Em 2014, iniciou sua vida de concurseira com o concurso da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no qual logrou êxito. Foi aprovada em outros concursos na área da Fisioterapia: Prefeitura Municipal de Bela Vista do Toldo – SC, Prefeitura Municipal de Canoinhas – SC, Marinha do Brasil.

Veja os comentários:

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados