Português TRF 3ª - Provas Resolvidas
Felipe Luccas

Português TRF 3ª – Provas Resolvidas

Olá, pessoal. Tudo tranquilo? Passei aqui para deixar meu comentário às provas do TRF 3ª, aplicada ontem pela FCC. Apesar de haver questões bem sutis de interpretação, não vi possibilidade realista de recurso. Na parte gramatical, a banca seguiu seu padrão de sempre e cobrou tudo aquilo que comentamos em nossas revisões. Vamos às questões.

Prova de TécnicoÁrea Administrativa

Atenção: Considere o texto abaixo para responder às questões de números 1 a 8.

1          Existe uma enfermidade moderna que afeta dois terços dos adultos. Seus sintomas incluem falta de apetite, dificuldade para controlar o peso, baixa imunidade, flutuações de humor, entre outros. Essa enfermidade é a privação de sono crônica, que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul.

2          Por milênios, a luz azul existiu apenas durante o dia. Velas e lenha produziam luz amarelo-avermelhada e não havia iluminação artificial à noite. A luz do fogo não é problema porque o cérebro interpreta a luz vermelha como sinal de que chegou a hora de dormir. Com a luz azul é diferente: ela sinaliza a chegada da manhã.

3          Assim, um dos responsáveis pelo declínio da qualidade do sono nas duas últimas décadas é a luz azulada que emana de aparelhos eletrônicos; mas um dano ainda maior acontece quando estamos acordados, fazendo um malabarismo obsessivo com computadores e smartphones.

4          A maioria das pessoas passam de uma a quatro horas diárias em seus dispositivos eletrônicos − e muitos gastam bem mais que isso. Não é problema de uma minoria. Pesquisadores nos aconselham a usar o celular por menos de uma hora diariamente. Mas o uso excessivo do aparelho é tão predominante que os pesquisadores cunharam o termo “nomofobia” (uma abreviatura da expressão inglesa no-mobile-phobia) para descrever a fobia de ficar sem celular.

5          O cérebro humano exibe diferentes padrões de atividade para diferentes experiências. Um deles retrata reações cerebrais de um viciado em jogos eletrônicos. “Comportamentos viciantes ativam o centro de recompensa do cérebro”, afirma Claire Gillan, neurocientista que estuda comportamentos obsessivos. “Contanto que a conduta acarrete recompensa, o cérebro a tratará da mesma maneira que uma droga”.

(Adaptado de: ALTER, Adam. Irresistível. São Paulo: Objetiva, edição digital)

  1. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

Considere as afirmações abaixo.

I. Critica-se no último parágrafo a dependência psicológica do celular, chamada por especialistas de “nomofobia”, característica de uma minoria que o utiliza de maneira abusiva.

II. No texto, associa-se a perda da qualidade do sono ao uso de dispositivos eletrônicos que emitem luz azul.

III. O autor expressa sentimento de nostalgia ao enaltecer uma época em que a maior parte da iluminação noturna provinha de luzes amarelo-avermelhadas.

Está correto o que consta APENAS de

(A) II e III.

(B) I e II.

(C) II.

(D) I.

(E) I e III.

Comentários:

I – Correto. Isso está no penúltimo parágrafo.

II – Incorreta. Luz azul pode causar privação de sono, pois o corpo associa luz azul ao amanhecer.

III- Incorreta. Não há nostalgia alguma, apenas um paralelo histórico.

Gabarito letra C.

2. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

Mas o uso excessivo do aparelho é tão predominante que os pesquisadores cunharam o termo “nomofobia” (uma abreviatura da expressão inglesa no-mobile-phobia) para descrever a fobia de ficar sem celular. (4º parágrafo)

O trecho sublinhado exprime uma

(A) consequência.

(B) oposição.

(C) finalidade.

(D) condição.

(E) causa.

Comentários:

A conjunção “que”, ligada a um elemento intensificador (tão, tal, tanto, tamanho), tem sentido consecutivo. A criação do termo é um efeito do uso excessivo de celular.

Gabarito letra A.

3. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

A respeito da pontuação do texto, afirma-se corretamente:

(A) No trecho Essa enfermidade é a privação de sono crônica, que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul (1º parágrafo), uma vírgula pode ser colocada imediatamente após “dispositivos”, sem prejuízo da correção e do sentido.

(B) No trecho − e muitos gastam bem mais que isso (4º parágrafo), o sinal de travessão introduz uma oposição.

(C) No segmento Por milênios, a luz azul existiu apenas durante o dia (2º parágrafo), a vírgula indica mudança de sujeito.

(D) Sem prejuízo da correção, no segmento Com a luz azul é diferente: ela sinaliza a chegada da manhã (2º parágrafo), o sinal de dois-pontos pode ser substituído por pois, precedido de vírgula.

(E) Em Seus sintomas incluem falta de apetite, dificuldade para controlar o peso, baixa imunidade e flutuações de humor (1º parágrafo), as vírgulas isolam um segmento explicativo.

Comentários:

(A) No trecho Essa enfermidade é a privação de sono crônica, que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul (1º parágrafo), uma vírgula pode ser colocada imediatamente após “dispositivos”, sem prejuízo da correção e do sentido.

Incorreta. A vírgula faria a oração restritiva (sem vírgula) virar explicativa, afetando o sentido:

dispositivos, que emitem luz azul.

(B) No trecho − e muitos gastam bem mais que isso (4º parágrafo), o sinal de travessão introduz uma oposição.

Incorreta. Introduz ideia de adição.

(C) No segmento Por milênios, a luz azul existiu apenas durante o dia (2º parágrafo), a vírgula indica mudança de sujeito.

Incorreta. A vírgula marca adjunto adverbial antecipado.

(D) Sem prejuízo da correção, no segmento Com a luz azul é diferente: ela sinaliza a chegada da manhã (2º parágrafo), o sinal de dois-pontos pode ser substituído por pois, precedido de vírgula.

Correta. A relação das orações é de explicação, mas a vírgula caberia perfeitamente no lugar do sinal de dois-pontos que foi usado para indicar tal relação.

(E) Em Seus sintomas incluem falta de apetite, dificuldade para controlar o peso, baixa imunidade e flutuações de humor (1º parágrafo), as vírgulas isolam um segmento explicativo.

Incorreta. As vírgulas foram usadas para enumerar termos.

Gabarito letra D.

4. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

O verbo que pode ser corretamente flexionado em uma forma do singular, sem que nenhuma outra alteração seja feita na frase, está em:

(A) A maioria das pessoas passam de uma a quatro horas diárias em seus dispositivos eletrônicos

(B) Seus sintomas incluem falta de apetite

(C) Velas e lenha produziam luz amarelo-avermelhada

(D) Comportamentos viciantes ativam o centro de recompensa do cérebro

(E) e muitos gastam bem mais que isso

Comentários:

A única possibilidade de uso de uso do singular está na expressão partitiva seguida de determinante:

A maioria das pessoas passam de uma a quatro horas diárias em seus dispositivos eletrônicos

A maioria das pessoas passa de uma a quatro horas diárias em seus dispositivos eletrônicos

Nas demais, só o plural pode ser utilizado, fazendo concordância com os núcleos também no plural.

Gabarito letra A.

5. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

Sem prejuízo para o sentido, o trecho sublinhado em Contanto que a conduta acarrete recompensa (último parágrafo) pode ser substituído por

(A) Conforme

(B) Desde que

(C) Pois que

(D) Ainda que

(E) Conquanto  

Comentários:

Contanto que possui valor condicional, então pode ser substituído por “desde que”.

Conforme é conjunção conformativa; Pois é conjunção explicativa (ou conclusiva, se vier deslocada); ainda que e conquanto são conectivos concessivos.

Gabarito letra B.

6. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

Estabelece relação de referência a uma expressão mencionada anteriormente no texto o termo sublinhado em

(A) o cérebro interpreta a luz vermelha como sinal de que chegou a hora de dormir (2º parágrafo)

(B) Não é problema de uma minoria (4º parágrafo)

(C) fazendo um malabarismo obsessivo com computadores e smartphones (3º parágrafo)

(D) Pesquisadores nos aconselham a usar o celular por menos de uma hora diariamente (4º parágrafo)

(E) o cérebro a tratará da mesma maneira que uma droga (5º parágrafo)

Comentários:

Quando fala em “referência a expressão anteriormente mencionada”, a banca está pedindo um elemento de coesão anafórico. O único que retoma algo anterior aqui é o pronome “a”:

o cérebro a tratará (tratará a conduta) da mesma maneira que uma droga (5º parágrafo)

Gabarito letra E.

7. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

O cérebro humano exibe diferentes padrões de atividade para diferentes experiências. (5º parágrafo)

Transpondo-se a frase acima para a voz passiva, a forma verbal resultante será:

(A) são exibidas

(B) são exibidos

(C) exibe-se

(D) é exibido

(E) exibiam-se

Comentários:

O cérebro humano exibe diferentes padrões…

O objeto direto deve virar sujeito na voz passiva. Mantendo o mesmo tempo original (presente do indicativo), temos:

diferentes padrões… SÃO EXIBIDOS

Gabarito letra B.

8. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / TÉCNICO / 2019)

Existe uma enfermidade moderna que afeta dois terços dos adultos. // Essa enfermidade é a privação de sono crônica, que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul. (1º parágrafo)

As frases acima estão reescritas em um único período, com correção e coerência, do seguinte modo:

(A) Afetam dois terços dos adultos a privação de sono crônica, uma enfermidade moderna, que tem crescido na esteira dos dispositivos que emitem luz azul.

(B) Uma enfermidade moderna, à qual afeta dois terços dos adultos, é a privação de sono crônica, que tem crescido na esteira de dispositivos que emitem luz azul.

(C) A enfermidade moderna, que vem afetando dois terços dos adultos e crescendo na esteira de dispositivos dos quais emitem luz azul é a privação de sono crônica.

(D) Tem vindo crescendo junto aos dispositivos que emitem luz azul, a privação de sono crônica: uma enfermidade moderna, que afeta dois terços dos adultos.

(E) A privação de sono crônica, uma enfermidade moderna que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul, afeta dois terços dos adultos.

Comentários:

Façamos as devidas correções:

(A) AFETA dois terços dos adultos a privação de sono crônica, uma enfermidade moderna, que tem crescido na esteira dos dispositivos que emitem luz azul.

(B) Uma enfermidade moderna, QUE afeta dois terços dos adultos, é a privação de sono crônica, que tem crescido na esteira de dispositivos que emitem luz azul.

(C) A enfermidade moderna, que vem afetando dois terços dos adultos e crescendo na esteira de dispositivos dos quais emitem luz azul, é a privação de sono crônica.

Além da troca do artigo, faltou vírgula na intercalação da oração adjetiva explicativa. Além disso, o sentido original é de restrição, não de explicação.

(D) Tem vindo crescendo junto aos dispositivos que emitem luz azul, a privação de sono crônica: uma enfermidade moderna, que afeta dois terços dos adultos.

Além da redação confusa, não deve haver vírgula entre o sujeito (a privação de sono crônica) e o verbo.

(E) A privação de sono crônica, uma enfermidade moderna que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul, afeta dois terços dos adultos.

Correta. Apenas houve transformação de “Essa enfermidade é a privação de sono crônica, que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul” em um aposto, intercalado:

uma enfermidade moderna que vem crescendo na esteira de dispositivos que emitem luz azul

Gabarito letra E.

Prova de AnalistaÁrea Judiciária

Atenção: Para responder às questões de números 1 a 4, baseie-se no texto abaixo.

[Como se estrutura uma sociedade?]

A pergunta formulada acima é uma constância da história social. Alguns antropólogos têm afirmado que a estrutura social é a rede de todas as relações de pessoa-a-pessoa, numa dada sociedade. Mas tal definição é por demais ampla. Não estabelece distinção entre os elementos efêmeros e os mais persistentes na atividade social, e torna quase impossível distinguir a noção de estrutura de uma sociedade da totalidade da própria sociedade.

No extremo oposto, está a noção de estrutura social compreendendo, somente, as relações entre os grupos principais na sociedade, que persistem por muitas gerações, mas exclui outros como a família, que se dissolve de uma geração para outra. Essa definição é limitada demais.

Uma terceira noção de estrutura social enfatiza não tanto as relações reais entre pessoas ou grupos, mas as relações esperadas ou mesmo as relações ideais. De acordo com esse ponto de vista, o que realmente dá à sociedade sua forma e permite a seus membros exercerem suas atividades são as expectativas ou mesmo as crenças idealizadas do que está feito, ou do que deverá ser feito pelos outros membros. Não falta quem veja tal formulação como bastante insatisfatória.

Em vez de respostas prontas à pergunta aqui tratada, será preciso sempre reconhecer que a validade de qualquer uma delas estará presa à validação do critério que a sustenta.

(Adaptado de: FIRTH, Raymond. In: VV.AA. Homem e sociedade. Trad. Amadeu José Duarte Lanna. São Paulo: Nacional, 1975, p. 35-36)

1. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Deve-se entender da leitura do texto que, ao se considerar a pergunta formulada no título,

(A) a definição dada no primeiro parágrafo não satisfaz porque, em sua amplitude, formula ideais de conduta coletiva em vez de analisar práticas individuais.

(B) a noção aventada no segundo parágrafo pecaria por não distinguir entre os elementos transitórios e os elementos duradouros de uma sociedade.

(C) a hipótese levantada no terceiro parágrafo é dada como insatisfatória porque valoriza as relações pragmáticas já estabelecidas numa sociedade.

(D) o reconhecimento de um parâmetro válido para a definição do que seja uma estrutura social é indispensável para que se aceite essa definição.

(E) a validação do conceito mesmo de estrutura social deve preceder toda e qualquer análise de caso que se proponha numa fundamentação aceitável.

Comentários:

a) Incorreta. Essas ideias estão no terceiro parágrafo.

b) Incorreta. Essas ideias estão no primeiro parágrafo.

c) Incorreta. Não valoriza relações pragmáticas (práticas), valoriza as teóricas.

d) Correta. Qualquer que seja a pergunta, a definição depende, primeiramente, de um parâmetro válido, um critério que seja aceito. Veja:

Em vez de respostas prontas à pergunta aqui tratada, será preciso sempre reconhecer que a validade de qualquer uma delas estará presa à validação do critério que a sustenta.

e) Incorreta. Antes do conceito, deve-se estabelecer um critério, um parâmetro válido.

Gabarito letra D.

2. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Considerando-se o contexto, traduz-se adequadamente o sentido de um segmento do texto em:

(A) rede de todas as relações de pessoa-a-pessoa (1º parágrafo) = somatória de todas as individualidades.

(B) persistem por muitas gerações (2º parágrafo) = difundem uma permanência gerativa.

(C) enfatiza não tanto as relações reais (3º parágrafo) = releva sobremaneira as conexões efetivas.

(D) permite a seus membros exercerem (3º parágrafo) = faculta o desmembramento do exercício.

(E) estará presa à validação do critério (4º parágrafo) = dependerá da aceitabilidade do parâmetro.

Comentários:

Esta questão é uma espécie de continuação da anterior. Aceitar um parâmetro= Validar um critério (para a definição da estrutura social)

Gabarito letra E.

3. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Está clara e correta a redação desta livre consideração sobre o texto:

(A) A menos que se sigam algum critério aceitável, os estudiosos da sociedade se apresentam como problemáticos no caso de sua definição estrutural.

(B) Os diferentes critérios para a definição do que seja a estrutura social são julgados, por razões diversas, como insatisfatórios.

(C) Há quem julguem as relações sociais como um produto que ao mesmo tempo considere que as individualidades já as constituam por si mesmas.

(D) Não é por formularem alguma ordem ideal para as relações sociais definidas como expectativas que se obtêm, apenas por isso, a validade de uma estrutura.

(E) O autor do texto leva-nos à crer que, a depender do critério que adotássemos, nossa definição de estrutura social terá validade nessa dependência.

Comentários:

Façamos as devidas correções:

(A) A menos que se sigam algum critério aceitável, os estudiosos da sociedade se apresentam como problemáticos no caso de sua definição estrutural.

A menos que se sigam algum critério aceitável, os estudiosos da sociedade se apresentam como problemáticos no caso de sua definição estrutural.

O primeiro “se” não tem razão de existir na frase. Além disso, o que é problemático? Os próprios estudiosos? A redação não é clara.

(B) Os diferentes critérios para a definição do que seja a estrutura social são julgados, por razões diversas, como insatisfatórios.

Correta. Entre “são julgados” e “como insatisfatórios”, temos uma intercalação de adjunto adverbial, entre vírgulas.

(C) Há quem julguem JULGUE as relações sociais como um produto que, ao mesmo tempo, considere que as individualidades já as constituam por si mesmas.

Incorreta. “Quem” leva o verbo para o singular. “Ao mesmo tempo” deveria vir entre vírgulas, por ser adjunto adverbial intercalado. Além disso, a redação é confusa. Constituam o quê?

(D) Não é por formularem alguma ordem ideal para as relações sociais definidas como expectativas que se obtém, apenas por isso, a validade de uma estrutura.

A validade se obtém (no singular). Além disso, quem formula o quê?

(E) O autor do texto leva-nos a crer que, a depender do critério que adotássemos, nossa definição de estrutura social terá validade nessa dependência.

Não há crase antes de verbo.

Gabarito letra B.

4. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

O verbo indicado entre parênteses deverá flexionar-se numa forma do singular para integrar corretamente a frase:

(A) As respostas que se (aguardar) para essa questão prendem-se aos critérios a serem observados.

(B) A propósito dessa exata definição de estrutura com que se (afligir) os antropólogos, estamos longe de qualquer consenso.

(C) Não (dever) caber aos sociólogos ou antropólogos definir açodadamente o que seja uma estrutura social.

(D) Àqueles que (haver) de pesquisar o funcionamento de uma sociedade recomenda-se sensatez na escolha de um critério.

(E) A validação dos critérios que se (apresentar) como parâmetros aceitáveis deve receber o aval de todos os envolvidos na definição.

Comentários:

(A) As respostas que se (aguardam) para essa questão prendem-se aos critérios a serem observados.

Respostas são aguardadas.

(B) A propósito dessa exata definição de estrutura com que se (afligem) os antropólogos, estamos longe de qualquer consenso.

Os antropólogos se afligem.

(C) Não (deve) caber aos sociólogos ou antropólogos definir açodadamente o que seja uma estrutura social.

Aqui, temos sujeito oracional e o verbo deve ficar necessariamente no singular:

definir açodadamente o que seja uma estrutura social NÃO DEVE CABER AOS SOCIÓLOGOS…

(D) Àqueles que (hão) de pesquisar o funcionamento de uma sociedade recomenda-se sensatez na escolha de um critério.

Aqui, “haver” é auxiliar e concorda com  “Aqueles”: Aqueles hão de pesquisar. Ah, “aqueles” não é sujeito, o sujeito é o pronome “que”, mas a concordância é feita com o referente do pronome (ver concordância com “que” e função sintática do “que”)

(E) A validação dos critérios que se (apresentam) como parâmetros aceitáveis deve receber o aval de todos os envolvidos na definição.

Critérios se apresentam…

Gabarito letra C.

Atenção: Para responder às perguntas de números 5 a 8, baseie-se no texto abaixo.

[Gravado na pele]

Dizem que a tatuagem data do paleolítico, quando era usada por povos nativos da Ásia. Além da beleza das formas e cores, há algo de simbólico nessas inscrições corporais. Os índios pintam o corpo em cerimônias, festas e rituais de guerra. Os marinheiros, cujas pátrias são os portos e os oceanos, ostentam em sua pele símbolos que evocam a breve permanência em terra firme e a longa travessia marítima: âncoras, ilhas, mapas, peixes, pássaros, bússolas.

Antes de ser uma febre no Brasil, a tatuagem inspirou uma música de Chico Buarque e Ruy Guerra. Quero ficar no teu corpo feito tatuagem, diz a letra dessa belíssima canção.

Para um observador parado à beira-mar, um observador que teme o sol forte e protege a cabeça com um chapéu, cada tatuagem é uma descoberta, uma viagem do olhar. Jovens e velhos exibem tatuagens; uso o verbo exibir porque talvez haja uma ponta de exibicionismo nessa arte antiga de fazer da pele uma pintura para toda a vida.

Numa única manhã ensolarada, sob meu chapéu, vi tatuagens de vários tipos e tamanhos, li nomes próprios, adjetivos, bilhetes, e até mesmo uma mensagem cifrada, cuja revelação será sempre adiada: Amanhã saberás o segredo

(Adaptado de: HATOUM, Milton. Um solitário à espreita. São Paulo: Companhia das Letras, 2013, p. 122)

5. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Ao desenvolver suas impressões sobre a tatuagem, o autor acredita que ela,

(A) sendo um fenômeno relativamente recente, difundiu-se pela atuação dos artistas plásticos que a conceberam em primeira mão.

(B) apesar dos dissabores que causa, já o persuadiu a tatuar-se em razão da beleza dos símbolos que se imprimem na pele.

(C) tendo nascido em tempos remotos, conserva plena e exclusiva fidelidade aos primeiros símbolos que a celebrizaram.

(D) exibindo-se em tantos corpos que passam, oferece a um observador uma revelação contínua de novos elementos.

(E) embora limitada a formas simbólicas, faz pensar em frases que revelariam o mistério que ela oculta dentro de si mesma. 

Comentários:

a) Incorreta. Não é recente, vem desde o tempo paleolítico.

b) Incorreta. Não foi dito que causa “dissabores”.

c) Incorreta. Não conserva fidelidade aos mesmos símbolos. Os símbolos são variados.

d) Correta. Revelação contínua de novos elementos é paráfrase do que apareceu no texto como “ cada tatuagem é uma descoberta, uma viagem do olhar

e) Incorreta. Não é limitada a formas simbólicas, mas também a formas concretas como pássaros, barcos, âncoras etc…

Gabarito letra D.

6. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Na frase Quero ficar no teu corpo feito tatuagem, da canção de Chico Buarque e Ruy Guerra, deve-se entender que

(A) há o desejo de que essa mesma frase seja gravada no corpo da pessoa amada.

(B) a expressão feito tatuagem está empregada no sentido de tal e qual tatuagem.

(C) o corpo da pessoa amada deve aparecer a quem o olha como se fosse uma tatuagem.

(D) o amor pela pessoa amada acaba tendo a mesma efemeridade de uma tatuagem.

(E) há a esperança de que a paixão impossível acabe se representando numa tatuagem.

Comentários:

O verso dá a entender que a pessoa quer ficar eternizada na outra, como uma tatuagem que nunca é apagada.

a) Incorreta. Não é a própria frase que vai ser gravada, mas a lembrança da pessoa.

b) Correta. Feito tatuagem é uma expressão comparativa, assim como “tal e qual”.

c) Incorreta. Não é que deve aparecer, deve permanecer como tatuagem.

d) Incorreta. A ideia não é de efemeridade, mas de permanência.

e) Incorreta. Viagem, não foi dito nada de paixão impossível.

Gabarito letra B.

7. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Além da beleza das formas e cores, há algo de simbólico nessas inscrições corporais.

A frase acima ganha nova redação, na qual se mantêm a coerência básica, a clareza e a correção da linguagem, no seguinte caso:

(A) Nessas inscrições corporais, a despeito da beleza das formas e cores, ocorre-lhes algum simbolismo.

(B) Em tais inscrições corporais o simbolismo desperta-lhes igualmente a beleza das formas e cores simbólicas.

(C) Algo de simbólico se revela, além das belas formas e cores, nessas inscrições corporais.

(D) Essas formas simbólicas, em cujas há cores e beleza, apresentam-se como inscrições corporais.

(E) O simbólico dessas inscrições corporais manifesta-se para muito além das formas e cores que houverem.

Comentários:

A ideia da redação original é de soma (Além da beleza). Esse sentido está mantido em:

Algo de simbólico se revela, além das belas formas e cores, nessas inscrições corporais.

Note que houve apenas a transformação de substantivo em adjetivo.

Vejamos o problema principal das demais:

(A) Nessas inscrições corporais, a despeito da beleza das formas e cores, ocorre-lhes algum simbolismo.

A locução prepositiva “a despeito de” indica concessão.

(B) Em tais inscrições corporais, o simbolismo desperta-lhes igualmente a beleza das formas e cores simbólicas.

Além da mudança de sentido (não é a cor que é simbólica), faltou vírgula marcando a antecipação do adjunto adverbial.

(D) Essas formas simbólicas, em que/nas quais há cores e beleza apresentam-se como inscrições corporais.

Não deve haver separação entre sujeito e verbo; além disso, “em cujas” não foi bem empregado, pois não há sentido de posse, mas sim de posição.

(E) O simbólico dessas inscrições corporais manifesta-se para muito além das formas e cores que houverem.

Além do prejuízo ao sentido, haver impessoal não vai ao plural (cores que existirem).

Gabarito letra C.

8. (FCC / TRF 3ª REGIÃO / ANALISTA – ÁREA JUDICIÁRIA / 2019)

Está plenamente adequado o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

(A) As economias que provieram de seus salários, ele as despendeu em sessões de tatuagem.

(B) Elas interviram quando ele se dispôs a apagar uma tatuagem que o custara tão caro.

(C) A propósito de tatuagens, o velho lhes vê como assessórios inúteis que marcam um corpo.

(D) Depois de se deixar seduzir a uma tatuagem, conheceu o remorso em cujo se martirizou.

(E) Ele diz não saber porquê a tatuagem goza de tanto prestígio aonde quer que surja.

Comentários:

A letra A está perfeita, “provierem” deriva de vir: vierem; “as despendeu”= despendeu as economias

Corrijamos as demais:

(B) Elas intervieram quando ele se dispôs a apagar uma tatuagem que lhe custara tão caro.

(C) A propósito de tatuagens, o velho as vê como acessórios inúteis que marcam um corpo.

(D) Depois de se deixar seduzir por uma tatuagem, conheceu o remorso por que/pelo qual se martirizou.

(E) Ele diz não saber por que a tatuagem goza de tanto prestígio onde quer que surja.

Gabarito letra A.

Posts Relacionados

Compartilhe:

Felipe Luccas

Felipe Luccas

Auditor-Fiscal da Receita Federal, aprovado em 22º Lugar. Professor de Língua Portuguesa. Membro da equipe de Coaching do Estratégia Concursos. Formado em Letras-Inglês pela UFRJ, pós-graduado em direito tributário. Servidor do Poder Judiciário Federal por 6 anos.  Aprovado nos concursos de Técnico do TRT RJ, TRF 2ª Região, TRF 5º Região, TJ RJ, entre outros.  

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.

Estamos aqui para ajudar você!
x