Gabarito extraoficial e comentários da prova do STJ 2018 – Fisioterapia
Área da Saúde

Gabarito extraoficial do STJ 2018 – FISIOTERAPIA

Olá, pessoal! Aqui está o gabarito extraoficial do STJ 2018 – FISIOTERAPIA – PARTE I. Estamos finalizando a outra parte com os comentários também.

A equipe de Fisioterapia Estratégia Concursos, gostaria de expressar a nossa tremenda decepção em relação ao fato de muitos assuntos não estarem presentes no Edital para o cargo de Fisioterapeuta. Falaremos sobre isso, pois isso é passível de recurso, afinal não estava no Edital. As questões passíveis de recurso em relação a isso e ao gabarito preliminar serão comentadas no dia que sair o gabarito preliminar, ok? Mas já tenham em mente que poderá entrar com recurso pelo fato de terem cobrado assuntos que não estavam no Edital.

O que constava no edital:  

1 Anatomia e fisiologia geral.

2 Cinesiologia e biomecânica.

3 Avaliação clínica fisioterapêutica.

3.1 Indicações e contraindicações.

4 Termoeletrofototerapia.

5 Cinesioterapia e terapia manual.

6 Reabilitação e técnicas de reeducação postural.

6.1 Cadeias musculares.

7 Pilates.

8 Fisioterapia em traumatologia, ortopedia e reumatologia.

9 Fisioterapia desportiva.

10 Órteses em fisioterapia e reabilitação.

11 Fisioterapia na saúde do trabalhador.

11.1 Ergonomia.

11.2 Práticas preventivas em atenção à saúde osteomuscular no ambiente de trabalho.

12 Ética, legislação profissional e Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF).

VAMOS VER A PROVA!

Com relação à anatomia e fisiologia dos sistemas cardiovascular e respiratório, julgue os itens a seguir:

41 O brônquio principal esquerdo se apresenta mais largo e mais curto que o direito, o que explica o maior afluxo de corpos estranhos que nele penetram.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: O brônquio esquerdo e o mais fino e mais horizontalizado, recebendo menor propensão a fluxo de corpos estranhos exatamente pela sua posição. o que acaba ocorrendo mais do lado direito, por ser mais largo e mais verticalizado mas propenso a bronco aspirações inclusive.

42 Os bronquíolos terminais se dividem em bronquíolos respiratórios, ductos alveolares e sacos alveolares, sendo essa região alveolar conhecida como zona respiratória.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Zona Respiratória: Onde ocorrem as trocas gasosas. Bronquíolos respiratórios, dutos alveolares, sacos alveolares.

43 A valva atrioventricular bicúspide está localizada entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo do coração.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Também conhecida como válvula mitral, possui dois folhetos e sim está posicionado do lado esquerdo do coração.

44 Na circulação pulmonar, o sangue venoso vindo do ventrículo direito segue para o tronco da artéria pulmonar. passa pelas artérias pulmonares direita e esquerda e, após ser conduzido para os pulmões, retorna venoso para o átrio esquerdo por meio das veias pulmonares.

 

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Também conhecido como pequena circulação, mas ele passa pelo pulmão e retorna arterial. Circulação pulmonar: Na pequena circulação, o sangue arterial (que nesta situação está pobre em oxigênio) sai do coração e segue para os pulmões pelas artérias pulmonares. Uma vez oxigenado, pelo processo de hematose (trocas gasosas) o sangue retorna ao coração através das veias pulmonares (com sangue rico em oxigênio).

 

Em relação à fisiologia do sistema respiratório, julgue os itens que se seguem.

45 Os quimiorreceptores centrais encontram-se banhados em liquido extracelular cerebral (LEC, pelo qual o CO2 e o oxigênio (O2) se difundem com facilidade a partir dos vasos sanguíneos para o liquido cefalorraquidiano (LCR). o que aumenta o pH do LCR e gera aumento da ventilação.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Vejamos que John B West disse, o que difunde e o C02… Os quimiorreceptores centrais se encontram perto da superfície ventral do bulbo e respondem às alterações de pH do LCR, as quais são causadas, por sua vez, pela difusão do C02 proveniente dos capilares cerebrais. As alterações nas concentrações de bicarbonato do LCR modulam o pH e, com isso, a resposta do quimiorreceptor

46 A capacidade residual funcional corresponde à soma do volume residual com o volume de reserva expiratório.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: CFR= VR+VRE.

47 O reflexo de vasoconstricção pulmonar hipóxica consiste no processo de contração da musculatura lisa das paredes dos brônquios na região hipóxica, o que reduz o fluxo de ar nas áreas pouco ventiladas do pulmão.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: O que ocorre é a redução e redistribuição do fluxo sanguíneo… a hipóxia alveolar é um potente estímulo para a vasoconstrição pulmonar. A redução na tensão alveolar de oxigênio, a menos do que 50 a 60 mmHg, promove vasoconstrição das arteríolas pré-capilares pulmonares no decorrer de 3 a 10 minutos, permitindo redistribuição do FSP adiante das áreas hipóxicas. Em tensões alveolares de oxigênio muito baixas, o fluxo sanguíneo pulmonar local pode estar virtualmente ausente. Uma acidose grave também determina vasoconstrição pulmonar, e a interação entre a hipóxia e a acidose parece ser de considerável importância em áreas de hipoventilação alveolar, a ponto de promover o desvio do fluxo sanguíneo para regiões melhor ventiladas dos pulmões. Estabelece-se, assim, um mecanismo automático de distribuição do fluxo sanguíneo para as diferentes áreas pulmonares em proporção ao seu grau de ventilação.

48 A hipoxemia apresenta como principais causas a hipoventilação, a redução da difusão, o desequilíbrio entre a ventilação-perfusão e o shunt (processo de entrada do sangue no sistema arterial sem passar pelas áreas ventiladas do pulmão).

Gabarito possível: Certo

Comentários: Define-se hipoxemia como a saturação arterial da oxi-hemoglobina (SaO2) inferior a 90%, que corresponde a uma PaO2 aproximadamente igual a 60 mmHg. Esta saturação encontra-se na porção inclinada da curva de dissociação da hemoglobina, implicando em que pequenas variações de SaO2 resultem em reduções acentuadas da PaO2 13. Entretanto, a SpO2 superestima a SaO2 em2a5% 14,15,justificando os limites inferiores de SpO2,entre92e96%,utilizadosemdiversos estudos

49 O desvio da curva de dissociação do oxigénio (O2) para a direita significa mais liberação de oxigénio (O2) a determinada pressão parcial de oxigénio (PO2) em um capilar tecidual.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: A posição da curva depende de vários moduladores. Entre os mais importantes estão: pH sanguíneo, temperatura corpórea, concentração de certos fosfatos orgânicos nos eritrócitos (2,3 Difosfoglicerato) e a combinação química da hemoglobina com o monóxido de carbono. Então neste contexto os efeitos do pH sanguíneo e da temperatura sobre a posição da curva Hb-O2.

Quando o pH sanguíneo cai, a curva da HbO2 é desviada para a direita, a saturação de Hb para uma determinada PaO2 fica reduzida (diminuição da afinidade da Hb pelo oxigênio).

Ao contrário, quando o pH sanguíneo aumenta a curva desloca-se para a esquerda, a saturação da Hb para uma determinada PaO2 aumenta (aumento da afinidade da Hb pelo oxigênio). Assim podemos afirmar que quando o sangue nos capilares dos tecidos sistêmicos recolhe CO2, seu pH cai de 7,40 para cerca de 7,37 causando um desvio da curva da HbO2 para a direita, diminuindo a afinidade da Hb pelo oxigênio, dessa forma ajudando a sua descarga para os tecidos.

Na respiração espontânea, os músculos respiratórios são responsáveis por gerar a força necessária para levar o ar da atmosfera para os pulmões, onde ocorre a troca gasosa. A respeito desse processo e dos vários aspectos a ele relacionados, julgue os itens subsecutivos.

50 A posição anatômica do diafragma e sua relação com a caixa torácica e com o abdome explicam a sua ação mecânica; assim, quando o diafragma se contrai aumenta a pressão abdominal que é transmitida ao tórax, pela zona de aposição, para expandir a caixa torácica inferior.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: pois essa é uma questão de interpretação o enunciado da questão diz que o diafragma se contrai aumenta a pressão abdominal que é transmitida ao tórax. Mas a pressão do tórax não pode aumentar, veja:

O diafragma é o principal músculo da inspiração, ou seja, quando puxamos o ar, o diafragma se contrai se abaulando no sentido do abdome diminuindo a pressão interna na caixa torácica e facilitando a entrada de ar nos pulmões.

51 Durante a contração dos músculos intercostais internos, as costelas são tracionadas para cima e para frente, o que proporciona o aumento dos diâmetros lateral e anteroposterior do tórax.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: São os interconstais externos, intercostais Externos: ficam posicionados entre as costelas na porção mais externa da caixa torácica e é responsável por aumentar os espaços costais durante a inspiração. Desta forma este músculo aumenta o diâmetro látero-lateral e ântero-posterior da caixa torácica, permitindo maior expansão dos pulmões.

52 A expiração ativa ocorre em níveis maiores de ventilação e quando o movimento de ar para fora dos pulmões é inibido. Os músculos abdominais e intercostais internos contraem-se para mover as costelas inferiores para baixo e comprimir as vísceras abdominais, forçando-se, assim, o diafragma para cima.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: o movimento de ar para fora dos pulmões não é inibido, A expiração em condições de repouso é passiva, pois não utilizamos músculos para a realização deste movimento. o abdômen é uma espécie de caixa hidráulica, pois apresenta vísceras e líquido em seu interior. Durante uma expiração forçada os músculos abdominais comprimem as vísceras, que se movimentam para cima. Isso faz com que o diafragma se eleve e gere compressão sobre a base dos pulmões, aumentando as pressões no interior dos pulmões e favorecendo a expulsão do ar de forma forçada. Os músculos abdominais são: o reto abdominal, os oblíquos (externo e interno) e o transverso abdominal.

53 De acordo com a Lei de Fick, na hipersinsuflação pulmonar ocorrem rebaixamento e aplainamento da cúpula diafragmática, aumento do seu raio de curvatura e diminuição da sua capacidade de gerar pressão.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Isso não é sobre a lei de Fick, veja: essa lei se refere a lei da Difusão.  A hematose ocorre no ácino respiratório, que de forma bem simplificada, consta da difusão do O2 e CO2 pela barreira alvéolo-capilar, em sentidos opostos. Essa hematose depende de alguns fatores que estão descritos pela Lei de Fick: “a quantidade de gás transferida através de uma barreira tecidual é proporcional a sua área, a uma constante de difusão e à diferença de pressão parcial, e é inversamente proporcional à espessura. A constante é proporcional à solubilidade do gás, mas inversamente proporcional à raiz quadrada de seu peso molecular.” Resumindo a difusão de um gás depende de quanto maior for a sua concentração, quanto maior for a área do alvéolo e do capilar, da espessura da parede avéolo-capilar e da velocidade de transferência desse gás (cada gás tem um índice de solubilidade) ou seja, quão mais fácil e rápido esse gás se difunde. viu? onde não tem nada a haver com o diafragma.

Um homem de sessenta anos de idade, fumante desde os vinte anos de idade – cerca de dois maços por dia – apresenta:dispneia progressiva aos esforços há dois anos, tendo de parar muitas vezes devido a falta de ar, principalmente quando anda por aproximadamente 100 metros, e tosse com expe:ctoração espessa. A seguir são apresentados dados desse paciente:

ausculta pulmonar: MV reduzido, globalmente com roncos esparsos;

gasometria arterial. pH 7,40, PaCO2 48 mmH2O, PaO2 50 mmHg, HCO3 30 mEq/L e SatO2 87% em ar ambiente;

função pulmonar pela espirometria após broncodilatador apresenta distúrbio obstrutivo: CVF (L) * 1,1l = 33% do previsto. VEF1(L)=0.42 =16% do previsto e VEF1/CVF (%) = 35 = 43% do previsto;

pressões respiratórias máximas: Plmáx = – 58 cmH2O; 60% do previsto e PEmáx = 70 cmH2O; 63% do previsto.

Considerando o quadro clinico descrito, julgue os próximos itens.

54 A oxigenoterapia domiciliar prolongada não está indicada para o paciente em questão.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Pelo exposto, aceita-se hoje a existência irrefutável de evidências científicas dos benefícios terapêuticos da ODP em pacientes com hipoxemia crônica decorrente da DPOC.

Aceita-se como indicação da necessidade de ODP a presença de PaO< 55mmHg, ou entre 56-59mmHg na presença de sinais sugestivos de cor pulmonale, insuficiência cardíaca congestiva ou eritrocitose (hematócrito > 55%).

Lembramo-nos que os valores acima só devem ser considerados quando:

  • obtidos em laboratório confiável;
  • determinações com o paciente estável clinicamente e com abordagem terapêutica otimizada;
  • com prescrição médica detalhada da necessidade do O2;
  • com reavaliação dos pacientes após três meses para verificação da real necessidade.

55 De acordo com os dados de espirometria apresentados, o paciente apresenta um distúrbio ventilalório obstrutivo leve.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: O disturbio é grave. De acordo com o GOLD, a DPOC divide-se em quatro estadios, (tabela 1) que se estendem do ligeiro (estadio I) ao muito grave (estadio IV) considerando avaliações do (FEV1) e do índice Tiffeneau (FEV1/CVF) no que respeita à avaliação funcional respiratória e tosse e expectoração como sinais clínicos(1).

Fonte: GOLD, Global initiative strategy for Cronic Obstructive Pulmonary Disease. Management and Prevention Chronic obstructive Pulmonary Disease (updated 2010) 2010.

56 De acordo com a mMRC (Modified Bristish Medical Research Council) o paciente apresenta dispneia grau 3.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Pois o grau 3 refere impedir de andar em plano horizontal por mais ou menos 90m e aqui fala em 100m.

57 A reabilitação pulmonar é indicada ao paciente em questão, visto que essa prática visa melhorias no que diz respeito à dispneia e ao status de saúde do paciente e também aumenta a tolerância ao exercício físico.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: A qualidade de vida vem sendo avaliada de forma consistente para várias doenças; em doenças crônicas, como a DPOC, em que a qualidade de vida geralmente está comprometida, encontram-se vários estudos avaliando esse desfecho. Aliado a isto, o relatório GOLD enfatiza que, dentre os principais objetivos de um programa de reabilitação, está a melhora na qualidade de vida.

58 A ventilação não invasiva tem se tornado um adjuvante durante o exercício. pois além de diminuir a sobrecarga dos músculos inspiratórios, reduz a dispneia, aumentando a tolerância ao exercício.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: A combinação de programas de reabilitação com o treinamento de feedback ventilatório, uso de tiotrópio ou ventilação não invasiva foram ineficazes para produzir melhora na função pulmonar de pacientes com DPOC de grau moderado a muito grave em relação a pacientes submetidos exclusivamente a um programa de reabilitação.

59 O paciente em questão apresenta fraqueza muscular respiratória, de acordo com a avaliação da força muscular respiratória, devendo-se indicar treinamento muscular respiratório.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Relembrando dados do paciente:

– 70 anos;

– Plmáx = – 58 cmH2O; 60% do previsto;

– PEmáx = 70 cmH2O; 63% do previsto.

        Segundo as diretrizes, é considerado fraqueza muscular quando a Pimáx = -40 a -75 cmH2O, ou seja, esse paciente tem fraqueza muscular respiratória. Além disso, temos outros fatores: dispneia profunda, diminuição progressiva da capacidade de tosse, aumento do trabalho em ventilação profunda, aumento da frequência respiratória, diminuição da CV entre 20 a 40%.

        Apenas para complementar, temos as seguintes classificações além da fraqueza respiratória: fadiga muscular e falência muscular. Na fadiga muscular temos Pimáx igual a – 40 cmH2O, redução da CPT, CV menor que 50% do previsto, redução da ventilação alveolar, comprometimento da tosse, respiração paradoxal. Na falência muscular = Pimáx < 20 cmH2O, CV < 15 ml/kg, VC < 5-7ml/Kg, PEmáx<30-35 cmH2O, necessidade de suporte ventilatório.

60 A técnica de expiração lenta total com a glote aberta (ELTGOL) é contraindicada para pacientes com DPOC.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: A Doenças Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) é um problema de saúde pública e sua prevalência está aumentando em todo o mundo. A tosse crônica e a produção de expectoração, encontradas nos pacientes com DPOC são consequências da inflamação das vias aéreas que causam a hipersecreção mucosa e a disfunção do transporte mucociliar. O acumulo de secreção brônquica, principalmente em regiões periféricas, torna-se um meio propicio para colonização de bactérias, infecções, exacerbações da DPOC, e hospitalização.

Já A ELTGOL (do Francês, Expiration Lente Totale Glotte Ouverte en infralateral) é uma técnica de fisioterapia respiratória, utilizada para remoção de secreção principalmente em vias aéreas médias e periféricas.

Já foram encontradas evidências de que a aplicação da ELTGOL promove aumento significativo na remocado de secreção na área periférica do pulmão infralateral em pacientes com DPOC. Pode-se especular que o uso rotineiro dessa técnica contribuiria para a prevenção das infecções do trato respiratório inferior nestes pacientes.

Portanto, não há contraindicação.

Um paciente de trinta e cinco anos de idade procurou atendimento fisioterapêutico, queixando-se de dor na região inferior do dorso, entre o último arco costal e a prega glútea, há mais de seis meses. O paciente relatou que a dor irradia da região citada para o membro inferior direito, quando ele está em decúbito dorsal. Durante a avaliação, o fisioterapeuta realizou a manobra de elevar passivamente a 40º, o membro inferior acometido, com o paciente em decúbito dorsal, mantendo o joelho em extensão. e verificou agravamento da dor quando o paciente realizou flexão da coluna lombar ao sentar-se.

A respeito desse caso clinico, julgue os itens a seguir.

61 A crioterapia é recomendada por sua eficácia na diminuição da velocidade de condução do impulso doloroso e, consequentemente, da causa da dor em pacientes como o do caso em apreço.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: A crioterapia realmente é recomendada por sua eficácia na diminuição da velocidade de condução do impulso doloroso em casos de lombociatalgia(lembrando que temos algumas precauções/ contraindicações na sua aplicação, por exemplo, não pode aplicar onde o nervo passa superficialmente). Alguns artigos falam que há benefícios em utilizar na fase crônica da lombociatalgia pela diminuição da velocidade. Porém, há um erro, a crioterapia não diminui a causa da lombociatalgia no caso citado, ela apenas auxilia na diminuição da dor lombar.

62 Apesar de melhorar a satisfação do paciente em questão, a reeducação postural global será ineficaz na melhora do quadro álgico crônico nesse tipo de afecção.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Para a lombociatalgia (sugestivo de hérnia de disco – entenderão nas próximas questões) a reeducação postural global seria eficaz na melhora da dor crônica e da função.

63 As evidências científicas sugerem que um programa de exercício cardiorrespiratório de trinta minutos, duas vezes por semana, após doze semanas, será eficaz na diminuição do quadro doloroso descrito.

Gabarito possível: Errada?

Comentários: Os exercícios aeróbicos e de fortalecimento da musculatura paravertebral são comprovadamente eficazes (nível de evidência Dpublicações baseadas em consensos ou opiniões de especialistas). Não encontramos nenhuma literatura defendendo esses dados explícitos no item, apenas que é recomendado os exercícios cardiorrespiratórios. Por isso sugerimos que esteja errada.

64 O quadro clínico do paciente é compatível com uma típica lombociatalgia.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Segundo a literaura, a lombalgia é definida como dor e desconforto localizados entre a margem costal e a prega glútea inferior, com ou sem dor na perna. Em 60% dos casos pode haver dor irradiada para o membro inferior, e esse quadro é chamado de lombociatalgia, que pode ser de origem radicular (exemplo: compressão por hérnia de disco) ou referida (exemplo: dor miofascial). No enunciado está descrito que o paciente sente dor irradiada para o membro inferior direito quando ele está em decúbito dorsal, então podemos dizer que é uma lombociatalgia.

65 A manobra realizada pelo fisioterapeuta é conhecida como teste de Hoover e serve para reproduzir e sinalizar a irradiação da dor.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Teste de Hoover determina se o paciente está simulando ao afirmar que não pode elevar a perna. O paciente em decúbito dorsal, avaliador apoia sua mão na região posterior do calcâneo do membro contralateral ao da queixa e solicita ao paciente elevar a perna estendida (perna que refere a dor). Quando o paciente está realmente tentando realmente elevar a perna, exercerá uma pressão no calcanhar da perna oposta, utilizando-o como alavanca. Ou seja, item errado. O teste da questão é o Lasegue, em que o resultado é considerado positivo quando há dor lombar a partir dos 30º de elevação.

66 O caso clínico é sugestivo de que o quadro doloroso do paciente é decorrente de uma hérnia de disco.

Gabarito provável: Certo.

Comentários: Segundo o enunciado, o agravamento da dor ocorreu quando o paciente realizou flexão da coluna lombar ao sentar-se. Na hérnia de disco, quando se realiza um esforço de flexão, o material nuclear discal é impelido para trás, em sentido anteroposterior, através das fibras do anel fibroso, causando o agravamento da dor. Notem que a questão colocou a palavra “sugestivo”, ou seja, pode ser que seja hérnia de disco, ou seja, não é certeza que é, afinal pode ter outra causa para o que está escrito no enunciado. Por esse motivo, está correto.

67 Exercícios de fortalecimento devem ser supervisionados e recomendados com cautela para o paciente em questão. por produzirem aumento da concentração de H+ e aumento da dor.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: O aumento da concentração de H+ tem relação com a fadiga muscular, por isso podemos considerar a questão correta. Vamos entender melhor. A fadiga muscular além de ser a inabilidade de sustentar um determinado trabalho, é um mecanismo protetor contra a sobrecarga mecânica. A fadiga muscular manifesta-se após estresses ou trabalho muscular realizado durante período prolongado. Após sobrecarga repetitiva ou de estresse, a reserva energética muscular (glicose, fósforo) é depletada e os produtos do metabolismo muscular (ácido lático, CO2 ) elevam-se e o músculo torna-se mais ácido. Foi demonstrada íntima relação entre a fadiga, exaustão e depleção de glicogênio nas fibras musculares. A inibição de atividade enzimática durante o processo de glicólise pode ser inibida pela fadiga muscular. É provável que o aumento da concentração de H+ exerça efeito inibitório na contração de miofibrilas, incluindo a redução da sensibilidade de troponina aos íons Ca++ (lembre-se do mecanismo de contração muscular). Alterações na atividade eletrolítica podem alterar a função muscular. A atividade muscular é acompanhada de perda do K+ do compartimento intramuscular.

O aumento na concentração de íons K+ e H+ no espaço intersticial pode estimular terminações nervosas livres e desencadear sensações dolorosas. Por esse motivo, os exercícios de fortalecimento devem ser supervisionados e recomendados com cautela para o paciente em questão.

Fonte: Teixeira, M.J. et. al. Fisiopatologia da dor músculo-esquelética. Rev. Med. (São Paulo), 80(ed. esp. pt.1):63-77, 2001.

Uma paciente de cinquenta anos de idade, com 156 cm de altura. 78 kg de massa, profissão de atendente telefônica, queixou-se a um fisioterapeuta, durante uma visita domiciliar, de dores e formigamento em uma das mãos, na região palmar do polegar, no dedo indicador, no dedo médio e na metade radial do dedo anelar, há mais de um ano. Ela relatou, ainda, fraqueza para segurar objetos e despertares noturnos por conta da acentuação dos sintomas. Para aliviá-los, ela informou que agita o pulso e a mão acometidos de modo semelhante ao utilizado na agitação de um termômetro clínico.

Acerca desse caso clínico, julgue os itens seguintes.

68 O laser terapêutico de baixa intensidade contribuirá para reduzir ou eliminar a dor, bem como para aumentar a condutibilidade dos potenciais de ação nervosos e a força de preensão palmar da paciente.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: O laser de baixa intensidade é analgésico, anti-inflamatório, anti-edematoso, cicatrizante e anti-bactericida. Há muitas controvérsias nos estudos atuais em relação ao aumento da força de preensão palmar, por isso sugerimos que está errado. Um estudo recente (Barbosa R, Marcolino A, Souza V, Bertolino G, Fonseca M, Guirro R. Effect of Low-Level Laser Therapy and Strength Training Protocol on Hand Grip by Dynamometry. Journal of Lasers in Medical Sciences. 2017;8(3):112-117. doi:10.15171/jlms.2017.) realizou um estudo que tinha como objetivo foi avaliar os efeitos do laser de baixa intensidade na força de preensão. O protocolo comparou a eficácia do laser de baixa intensidade com 904nm (laser mais exercício de fortalecimento), com 660 nm (laser mais exercício de fortalecimento) e o grupo placebo (laser placebo mais exercício de fortalecimento). O protocolo mostrou-se eficiente em melhorar a força de preensão. Esta condição foi mais evidente no laser de 904 nm, em que houve uma diferença entre o final e a linha de base. Assim, pode-se sugerir que, para o grupo 904 nm, a irradiação foi eficiente para melhorar a força de preensão. Mesmo com algumas evidências, não podemos dizer que o laser diretamente aumenta a força muscular de preensão palmar.

69 O quadro clinico indica a presença da neuropatia de aprisionamento mais comum da extremidade superior, e o Índice de massa corporal da paciente possui relação causal com essa afecção. Irá reduzir, mas não irá aumentar a força de preensão palmar.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: Para o Ministério da Saúde, segundo o IMC da paciente (IMC = peso (em quilos) / altura² (em metros) = 32,1), a paciente tem obesidade. Em alguns estudos foram demonstrados os seguintes fatores causais da STC: sexo, idade, fatores genéticos, fatores e antropométricos (tamanho do túnel do carpo), atividades manuais repetitivas, a exposição a vibrações e ao frio, a obesidade e o tabagismo.

70 O movimento realizado pela paciente quando os sintomas se acentuam é denominado sinal de Flick, um sinal sensível e específico para diagnóstico dessa síndrome.

Gabarito possível: Certo.

Comentários: O Sinal de Flick consiste em balançar as mãos como meio de aliviar os sintomas da Síndrome do Túnel do Carpo (especificidade de 62%, sensibilidade 47%). Essa síndrome por ter compressão do nervo mediano, a dor é na região de sua inervação sensitiva: superfície palmar do polegar, indicador, médio e metade do anular e dorsal da I a III e ½ da IV falanges distais.

No enunciado diz que a paciente relata dores e formigamento em uma das mãos, na região palmar do polegar, no dedo indicador, no dedo médio e na metade radial do dedo anelar. Ou seja, sugestivo de Síndrome do Túnel do Carpo.

71 O ultrassom terapêutico de 1 MHz, pulsado a 1:4 e intensidade de 1 W/cm2 é indicado para essa condição clínica, sendo capaz de reduzir a dor e o formigamento, bem como aumentar a força de preensão palmar da paciente.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Como já é uma lesão crônica, o ultrassom contínuo seria mais efetivo. O ultrassom não tem como efeito terapêutico aumentar a força muscular diretamente. Questão errada.

72 Em condições crônicas como essa, a terapia ultrassônica deve ser aplicada no modo estacionário para melhorar a extensibilidade das fibras de colágeno que compõem o retináculo flexor carpal e descomprimir a região.

Gabarito possível: Errado.

Comentários: Atualmente não é mais utilizada a técnica estacionária. Ela é desaconselhada tomando por base a Zona de Fresnel (Campo próximo). Nesta zona as ondas sonoras se comportam de maneira desorganizada. Ocorrem picos de intensidade que podem aumentar muito a dose que se colocou no potenciômetro, podendo causar lesões tissulares.

Até o próximo post.

Abraços,

Prof. Fábio

Prof. Gislaine

Prof. Mara

Posts Relacionados

Gislaine dos Santos Holler

Gislaine dos Santos Holler

Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário Metodista de Porto Alegre (2013), pós-graduanda em Fisioterapia Traumato-ortopédica. Realizou diversos cursos na área de Fisioterapia Dermatofuncional, Fisioterapia Traumato-ortopédica e Pilates. Trabalhou na área de Pilates de 2012 até 2014. Em 2014, iniciou sua vida de concurseira com o concurso da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no qual logrou êxito. Foi aprovada em outros concursos na área da Fisioterapia: Prefeitura Municipal de Bela Vista do Toldo – SC, Prefeitura Municipal de Canoinhas – SC, Marinha do Brasil.

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados