Dicas para a prova discursiva de Fisioterapia - ALEGO
Área da Saúde

Dicas para a prova discursiva de Fisioterapia – ALEGO


Olá, pessoal! Tudo certo? Hoje apenas dicas rápidas para a prova discursiva de Fisioterapia – ALEGO, que será amanhã.

A prova discursiva valerá 50,0 (cinquenta) pontos. A prova discursiva terá o objetivo de avaliar, com base em proposta apresentada pela Banca Examinadora e relacionada aos Conhecimentos Específicos constantes do conteúdo programático elencados no Anexo II, a capacidade de expressão na modalidade escrita, o uso das normas do registro formal culto da Língua Portuguesa e o conhecimento técnico vinculado ao exercício da categoria funcional.

Deverá ser manuscrita, em letra legível, com caneta esferográfica de tinta preta, fabricada com material transparente,

A folha de texto definitivo da prova discursiva não poderá ser assinada ou rubricada, nem conter em outro local que não o apropriado qualquer palavra ou marca que a identifique, sob pena de anulação da prova discursiva do candidato. Assim, a detecção de qualquer marca identificadora no espaço destinado à transcrição de texto definitivo acarretará a anulação da prova do candidato.

O texto definitivo da prova discursiva deverá ter início na linha identificada com o número 1, na página inicial da folha de texto definitivo da prova discursiva. A falta de observação dessa orientação acarretará a anulação da prova do candidato.

O candidato receberá 2 (duas) folhas de texto definitivo da prova discursiva, sendo uma para cada questão. As folhas de texto definitivo indicarão a qual questão pertencem: Questão 1 ou Questão 2. O candidato deverá observar atentamente a correspondência entre questão e folha de texto definitivo, sob pena de ter a sua questão avaliada negativamente.

A folha para rascunho, contida no caderno de provas, é de preenchimento facultativo e não valerá como folha de texto definitivo.

A questão da prova discursiva consistirá na elaboração de texto dissertativo e(ou) descritivo, com extensão mínima de 20 (vinte) linhas e máxima de 25 (vinte e cinco) linhas, com base em tema formulado pela Banca Examinadora, primando pela clareza, precisão, consistência e concisão. O candidato receberá nota zero na questão da prova discursiva em casos de fuga ao tema, de haver texto com quantidade inferior a 20 (vinte) linhas, de não haver texto ou de identificação em local indevido. NÃO AUMENTEM A LETRA PARA ENROLAR! A BANCA NÃO É BOBA, OK?

Somente será computada como linha aquela que apresentar pelo menos uma palavra inteira, não se considerando fragmentos de palavras resultantes da divisão silábica ao final da linha anterior.

É facultado ao candidato anular, por meio de um traço horizontal, parte do texto transcrito para a folha de texto definitivo.

Será eliminado e não terá classificação alguma no processo seletivo o candidato que obtiver pontuação final na prova discursiva (PPD) inferior a 20,0 (vinte) pontos, ou seja, PPD < 20,00.

Atualmente, temos apenas a prova do HEMOCENTRO 2017 como base. A banca quer respostas claras e objetivas, dentro das normas cultas. Pessoal, nada de ficar enrolando na resposta, duplicando o mesmo pensamento. Seja curto e claro!

Provavelmente, teremos uma patologia musculoesquelética (pode até ser relacionado à saúde do  trabalhador). Também podemos ter algo de legislação, como vi em algumas provas de outros cargos dessa banca (por exemplo, na prova para os profissionais de Farmácia perguntou sobre o Código de Ética. Pode cair qualquer coisa do que estudamos e que está no Edital – conhecimentos específicos!

Evitem perder ponto por erros gramaticais, rasuras, letra ilegível, exceder as linhas, escrever menos de 20 linhas. E cuidado com o tempo da prova!

QUESTÃO DISCURSIVA – HEMOCENTRO/ DF – 2017

Leia, com atenção, o texto a seguir.

Marvel transforma menino com hemofilia em personagem de Homem de Ferro.

A história do pequeno Max Levy comoveu um dos principais escritores da Marvel

Max Levy tem apenas 5 anos de idade, mas uma história grandiosa, que comoveu até um dos principais escritores da Marvel Comics, Brian Michael Bendis, um dos responsáveis pelas histórias do Homem de Ferro.

Diagnosticado aos 3 anos de idade com hemofilia do tipo A, uma doença que prejudica a capacidade do sangue de coagular da maneira correta, Max precisou de um implante, inserido por uma abertura no tórax. Para explicar o procedimento ao garoto, o pai, Dan Levy, resolveu mencionar o personagem dos quadrinhos.

“Nós havíamos acabado de ver o filme do Homem de Ferro, apenas alguns dias antes”, contou o pai ao site da rede americana NBC News. “Então, perguntei a ele: você se lembra da cena em que Tony Stark tira um reator do peito e coloca um novo? Você vai colocar um desses”. Ao saber da notícia, Max comemorou: “eu vou ser o Homem de Ferro!”.

Iron Max

Para atualizar parentes e amigos quanto ao tratamento de Max no Hospital Infantil da Filadélfia, os pais do menino passaram a usar a hashtag #ironmax, no Twitter.

Ao mesmo tempo, a irmã do garoto, Zoe, criou calendários com fotos tiradas por ela, por alguns amigos e pelo próprio Max, com o intuito de ajudar o hospital e outras crianças com hemofilia. A iniciativa arrecadou cerca de US$ 7 mil em doações. A história de Max e o trabalho de Zoe acabaram chegando aos ouvidos de Brian Michael Bendis, um dos escritores da Marvel, que resolveu colocar o menino em um episódio do Homem de Ferro.

“Eu não sou chorão. Não sou. Essa foi, literalmente, a primeira vez. Fui para o quarto e desabei (…). O garoto merecia uma vitória. Desde que era um bebê foi dito a ele tudo o que ele não podia fazer. E agora ele pode ser qualquer coisa, ele pode ser um super-herói”, disse o pai do pequeno Max a respeito da própria reação ao saber da notícia.

Segundo a NBC, a Marvel espera que outras crianças sejam encorajadas pela história de Max. O menino foi representado junto com o pai na edição quatro do gibi, no final do ano passado. Além do desenho, a foto do garoto também foi destaque na capa de trás.

Considerando que o texto tem caráter meramente motivador, redija um texto dissertativo e (ou) descritivo que aborde os seguintes tópicos:

a) definição de hemofilia, com a indicação das causas e o tratamento profilático;

b) principais condutas que o fisioterapeuta deverá realizar na fase aguda da doença, considerando o fato de que o tipo hemofílico desse paciente está associado a severos sangramentos por lesões corriqueiras, comumente em músculos ou em articulações; e,

c) análise quanto à possibilidade de a fisioterapia ser ou não prescrita de forma preventiva para esse tipo de paciente.

______________________________________________________________________________

PADRÃO DE RESPOSTA DA BANCA

Em relação ao Tema/Texto, foram levados em consideração adequação ao tema, bem como organização textual.

Esperava-se que o candidato abordasse, para cada um dos itens propostos:

(a) a hemofilia é um distúrbio genético e hereditário que afeta a coagulação do sangue. Existem 13 tipos diferentes de fatores de coagulação e os seus nomes são expressos em algarismos romanos. Assim, existe desde o Fator I até o Fator XIII. Esses fatores são ativados apenas quando ocorre o rompimento do vaso sanguíneo, no qual a ativação do primeiro leva à ativação do seguinte, até que ocorra a formação do coágulo pela ação dos 13 fatores. A pessoa com hemofilia apresenta baixa atividade do fator VIII ou do fator IX. Pessoas com deficiência de atividade do Fator VIII possuem hemofilia A, enquanto aquelas com deficiência de atividade do Fator IX possuem hemofilia B. Como esses fatores apresentam baixa atividade nessas pessoas, a formação da coagulação é interrompida antes da produção do coágulo e, por essa razão, os sangramentos demoram muito mais tempo para serem controlados. O tratamento profilático consiste na administração do fator de coagulação deficiente (VIII ou IX) com infusões frequentes e programadas, que podem variar de duas ou mais vezes por semana, em pessoas com hemofilia grave ou com sintomas de grave que nunca tiveram sangramentos, ou a partir do primeiro sangramento. No início do tratamento, é utilizada uma infusão por semana para a adaptação do paciente ao tratamento. Posteriormente, o número de infusões semanais pode aumentar para duas ou mais, se o hematologista assim decidir. Essas infusões frequentes permitem que a pessoa com hemofilia apresente, em sua circulação sanguínea, o fator VIII ou IX em quantidades suficientes para que não ocorram os sangramentos espontâneos;

(b) a fisioterapia deverá ter por objetivo o controle do edema, dor, a manutenção da amplitude de movimento e da função muscular. De forma associada, estimula-se a capacidade sensório-motora do paciente. As condutas realizadas com esses objetivos preservarão a articulação do paciente e evitarão complicações em curto, médio e longo prazo (espera-se que os candidatos descrevam condutas dentro desse delineamento); e

(c) a fisioterapia é muito importante no tratamento das pessoas com hemofilia, pois previne as complicações da doença articular e possibilita a administração de menor quantidade de fatores de coagulação. Exercícios de mobilidade, para melhora do desempenho muscular e da capacidade sensório-motora, são as principais condutas para atingir esses objetivos.

Fiquem tranquilos, descansem e…

Abraços,

Prof. Gislaine Holler.

Posts Relacionados

Gislaine dos Santos Holler

Gislaine dos Santos Holler

Graduada em Fisioterapia pelo Centro Universitário Metodista de Porto Alegre (2013), pós-graduanda em Fisioterapia Traumato-ortopédica. Realizou diversos cursos na área de Fisioterapia Dermatofuncional, Fisioterapia Traumato-ortopédica e Pilates. Trabalhou na área de Pilates de 2012 até 2014. Em 2014, iniciou sua vida de concurseira com o concurso da Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no qual logrou êxito. Foi aprovada em outros concursos na área da Fisioterapia: Prefeitura Municipal de Bela Vista do Toldo – SC, Prefeitura Municipal de Canoinhas – SC, Marinha do Brasil.

Veja os comentários:

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados