DE BIÓLOGO A AUDITOR FISCAL
Fernando Takehara

DE BIÓLOGO A AUDITOR FISCAL

Olá prezados alunos! Hoje venho contar um pouco sobre minha trajetória rumo à aprovação em alguns certames, principalmente no de Agente Fiscal de Rendas de SP, cargo que ocupo atualmente.

Comecei a estudar exatamente no dia 30/08/2007, data em que decidi pra valer que queria me tornar auditor da Receita Federal (na época era da Federal, pois no cursinho que visitei era o único curso disponível na área fiscal). No entanto, a ideia de prestar concurso me ocorreu muito antes, mas faltou-me coragem para enfrentar a bateria de estudos, pois eu achava que não tinha chances para competir com engenheiros, advogados, contadores, economistas etc. Isso porque minha formação era (ainda é, mas não só) Biologia! Meu raciocínio era que eu só aproveitaria Português, Inglês e um pouco de Matemática e que nunca conseguiria ter o mesmo nível de conhecimento que alguém que passou a faculdade inteira estudando Direito, Contabilidade, Matemática e outras matérias que caem no concurso.

Pois bem, fato é que eu estava tremendamente enganado! Ainda bem que caí na real a tempo! Pensei comigo: nem que eu leve o dobro ou o triplo de tempo dessa galera, um dia vou chegar lá! Então, fechei o pacotão no cursinho e lá ia eu todos os dias pela amanhã assistir às aulas (à época só existiam aulas presenciais e a divulgação dos cursinhos se dava principalmente por meio de jornais… imaginem vocês onde fui amarrar meu burro…).

Então, minha rotina passou a ser cursinho de manhã, almoço, um leve cochilo, uma nova bateria de estudos e trabalho (na época eu trabalhava no período da noite em uma Universidade). Era praticamente essa rotina de segunda a sexta. No sábado, eu estudava meio período e no domingo descansava.

Como era de se esperar, comecei tudo praticamente do zero e ia lendo as apostilas e fazendo os exercícios ao final de cada capítulo. Naquele tempo não tinha coaching, nem sites especializados e a assimetria de informações era enorme. Por isso eu achava que estava indo muito bem, até que um dia encontrei uma colega que também estava se preparando para concurso. Ela me disse: “olha cara, esse cursinho que você está fazendo não tem nada a ver com o que é cobrado na prova. O conteúdo é bem mais aprofundado e extenso! Se você quiser realmente se preparar tem que frequentar os cursinhos do Centro (de São Paulo). A galera fera está toda lá!”. Foi um balde água fria! Pensei: f…! Que faço agora? Paguei uma fortuna nesse curso e já estamos na metade! Respirei fundo e pensei: bom, já que cheguei até aqui, vou continuar, mas preciso fazer diferente. Se o conteúdo oferecido pelo curso equivalesse a 50% do conteúdo real, então eu deveria saber 100% do conteúdo do curso para que eu obtivesse 50% do conteúdo real. Pensando dessa forma não tive outra escolha senão “devorar” as apostilas, lendo e relendo-as diversas vezes.

Ao término do curso, já em meados de 2008, começou o burburinho acerca da prova para Agente Fiscal de Rendas de SP, então foquei de vez para esse cargo e finalmente fui fazer os famigerados cursos do Centro (atualmente quase todos, senão todos, extintos). Matriculei-me em um curso de exercícios de 6 meses de duração, oferecido só aos fins de semana (sábado e domingo das 8:00 às 17:00); e, durante a semana, assistia a algumas matérias que eu tinha maior dificuldade. Lembro que essa época foi “punk”, estudava que nem um condenado e não tinha tempo (nem dinheiro) pra quase nada. Mas, agora que passou, e relembrando as dificuldades, dá uma baita satisfação… (espero que vocês sintam o mesmo um dia!)

Apesar de árduo, o sentimento de progresso e a sensação de que eu estava ampliando meu conhecimento (e realmente nós ficamos mais cultos quando estudamos para concurso), fazia com que o dia-a-dia se tornasse mais leve e não me recordo, nessa época, de ter desanimado.

Conheço muita gente que desanimou, alguns superaram, outros desistiram, outros desistiram e voltaram; desses, alguns foram aprovados outros não. Enfim, fato é que cada um sabe da cruz que carrega. No meu caso, o baque bateu quando eu cheguei no meu ápice. Estava na fase de só resolver exercícios e revisar alguma coisa ou outra. Foi aí que acabei dando uma desanimada, pois o concurso não chegava e eu tinha que manter a “peteca no ar, sem deixa-la cair”. Lembro que cheguei a procurar emprego por duas vezes, pois não aguentava mais ficar em casa só estudando. A sensação de não estar trabalhando estava me consumindo. Ainda bem que não me contrataram! Rsrs… Felizmente essa crise passou, pois como toda crise, é passageira, podendo demorar mais ou menos a depender de nossa atitude interna.

Passada essa fase, não passou muito tempo para surgirem resultados: fui aprovado no concurso para Analista de Planejamento e Orçamento de SP e alguns outros. Às vezes eu me inscrevia em concursos com edital semelhante para treinar – ter domínio do tempo, lidar com nervosismo, preencher gabarito etc.

Finalmente, nos dias 29 e 30 de agosto de 2009, exatamente dois anos após eu ter iniciado meus estudos realizei a prova tâo esperada e que me consagrou como AFR. Sonho realizado e missão cumprida!! Agora só vou curtir a vida!! Aham… ledo engano! Tornar-me AFR foi só o começo, pois a bagagem que o estudo te oferece, a trajetória do concurseiro, as pessoas com quem você convive no trabalho, tornam-no outra pessoa!! Sua visão de mundo é totalmente outra. Só para exemplificar, depois que fui aprovado fiz faculdade de Direito na USP e estou cursando minha segunda pós-graduação. Quando fiz vestibular para Bilogia lá atrás, nunca tinha pensado em Ciências Humanas, muito menos Direito. Quando me formei, não sabia que rumo seguir, estava sem perspectiva, não gostava do que eu fazia e pior, era mal remunerado. Mas, acredito que com dedicação e fé as coisas se ajeitam, pois como dizem por aí, “Deus escreve certo sobre linhas tortas”.

Espero que de alguma forma meu depoimento os ajude, os motive, e se precisarem de alguma coisa podem contar comigo!

Posts Relacionados

Compartilhe:

Fernando Takehara

Fernando Takehara

Agente Fiscal de Rendas do Estado de SP Ex-juiz do Tribunal de Impostos e Taxas - TIT  Aprovado no concurso para Analista de Planejamento, Orçamento e Finanças Públicas de SP- APOFP Aprovado no concurso para Advogado da Companhia de Trens Metropolitanos de SP Aprovado no concurso para Técnico do BNDES Aprovado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB Bacharel em Direito (USP) Pós-graduado em Direito Tributário (IBET) Pós-graduando em Análise Econômica do Direito (UNICAMP) Bacharel em Ciências Biológicas (USP) Licenciado em Ciências Biológicas (USP)    

Veja os comentários:
Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.

Estamos aqui para ajudar você!
x