Comentários sobre a prova do TRT 14º - Conhecimentos específicos Psicologia
Área da Saúde

Comentários sobre a prova do TRT 14º – Conhecimentos específicos Psicologia

Olá, pessoal!

Como estamos? No artigo de hoje, venho trazer comentários às questões de conhecimentos específicos de Psicologia da prova do TRT 14º Região, que aconteceu no último domingo.

Como análise geral, podemos perceber que cada vez mais a FCC vem cobrando tópicos relacionados a Noções de Administração na parte de conhecimentos específicos. Não foi uma prova fácil, justamente por essa característica.

Na minha correção, não identifiquei nenhuma possibilidade de recurso em relação ao gabarito da banca.

Vamos à nossa correção?

 

  1. Consta no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais − DSM-5, que o Transtorno da personalidade esquizoide corresponde a um padrão difuso de distanciamento das relações sociais e uma faixa restrita de expressão de emoções em contextos interpessoais que surgem

(A) desde os primórdios da infância.

(B) no início da vida adulta.

(C) na passagem da infância para a adolescência.

(D) no decorrer da adolescência.

(E) em qualquer etapa do ciclo vital de um indivíduo.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com o critério A do DSM-V, o Transtorno da personalidade esquizoide corresponde a “ (…) um padrão difuso de distanciamento das relações sociais e uma faixa restrita de expressão de emoções em contextos interpessoais que surgem no início da vida adulta e estão presentes em vários contextos.”

RESPOSTA: B.

 

  1. Segundo a Classificação de Transtornos Mentais e de Comportamento da CID−10, é/são característica(s) do Transtorno da personalidade anancástica:

(A) flexibilidade e complacência.

(B) despreocupação com detalhes, regras, listas, ordem ou organização.

(C) falta de aderência às convenções sociais.

(D) sentimentos de dúvida e de cautela excessivas.

(E) perfeccionismo que não interfere na conclusão das tarefas.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com o CID – 10, temos:

PERSONALIDADE ANANCÁSTICA – F60.5: Sentimento de dúvida, perfeccionismo, verificações, preocupação com pormenores, obstinação, prudência excessiva. Podem surgir pensamentos  repetitivos e intrusivos, que não chegam a caracterizar um transtorno obsessivo-compulsivo. Transtorno da personalidade compulsiva, obsessiva, obsessiva-compulsiva.

RESPOSTA: D.

 

  1. Para Jurema Alcides Cunha, estudiosa do Psicodiagnóstico, um dos objetivos da avaliação psicológica clínica é o entendimento dinâmico, que pode ser considerado, em sentido lato, uma

(A) forma de avaliação compreensiva, já que enfoca a personalidade de maneira global, mas pressupõe um nível mais elevado de inferência clínica.

(B) classificação nosológica, testando hipóteses iniciais e tomando como referência critérios diagnósticos.

(C) investigação mais superficial, embora sejam sempre consubstanciados pelos passos específicos do psicodiagnóstico.

(D) abordagem prognóstica, que determina o curso provável do caso.

(E) proposta de exame do estado mental do paciente, de competência exclusiva do psicólogo, frequentemente realizado sem aplicação de testes.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com Cunha, em seu livro Psicodiagnóstico V, “O objetivo de entendimento dinâmico, em sentido lato, pode ser considerado como uma forma de avaliação compreensiva, já que enfoca a personalidade de maneira global, mas pressupõe um nível mais elevado de inferência clínica. Através do exame, procura-se entender a problemática de um sujeito, com uma dimensão mais profunda, na perspectiva histórica do desenvolvimento, investigando fatores psicodinâmicos, identificando conflitos e chegando a uma compreensão do caso com base num referencial teórico.”

RESPOSTA: A.

 

  1. Na bateria de testes, utilizada em um psicodiagnóstico,

(A) não é necessário o emprego de mais de um teste para buscar uma validação intertestes dos dados obtidos.

(B) nenhum teste, isoladamente, pode proporcionar uma avaliação abrangente da pessoa como um todo.

(C) para se chegar a inferências clínicas não é necessário preocupar-se com margem de erro em testes de personalidade.

(D) toda avaliação psicológica deve incluir, pelo menos, a aplicação de quatro testes psicológicos.

(E) está designada a aplicação de um teste psicológico.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com Cunha, em seu livro Psicodiagnóstico V, “nenhum teste, isoladamente, pode proporcionar uma avaliação abrangente da pessoa como um todo.”

RESPOSTA: B.

 

  1. Conforme o modelo interpretativo de Murray, na análise de conteúdo do Teste de Apercepção Temática − TAT, o psicólogo desmembra cada história nos conteúdos expressos no tema central, chegando à identificação do herói, ao reconhecimento de seus motivos, tendências e necessidades, à exploração de seus estados interiores, ao exame das pressões

(A) identificadas e tendências gerais.

(B) multideterminadas e do universo pessoal.

(C) autoimpostas e aspectos dissociativos.

(D) autoimpostas e do universo pessoal.

(E) ambientais e do desfecho.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com Cunha, em seu livro Psicodiagnóstico V, ao analisar o teste TAT, deve-se analisar as pressões do ambiente e as pressões do desfecho.

RESPOSTA: E.

 

  1. O tipo de entrevista que busca elaborar uma história clínica, definir hipóteses de diagnóstico e a indicação terapêutica é denominada de Entrevista

 

(A) institucional.

(B) retrospectiva.

(C) de Focalização.

(D) de Triagem.

(E) motivacional.

 

COMENTÁRIOS:

Entrevistas de triagem costumam ser mais do que coleta de dados com os quais se organiza uma histórica clínica o que vai orientar o encaminhamento. As entrevistas tomam a forma de uma intervenção breve, já que ao dar aos clientes uma oportunidade de se engajarem em seu próprio atendimento, torna-os responsáveis por seus problemas (Ancona-Lopez, 1995).

RESPOSTA: D.

 

  1. Um paciente solicitou uma declaração de que estava em acompanhamento psicológico com o psicólogo Gilson. Considerando a Resolução CFP no 007/2003, que instituiu o Manual de Elaboração de Documentos Escritos produzidos pelos psicólogos, decorrentes de avaliação psicológica, ao escrever esse tipo de documento, o psicólogo Gilson NÃO deve

(A) fazer o registro de sintomas, situações ou estados psicológicos.

(B) informar a ocorrência de fatos ou situações objetivas relacionados ao atendimento psicológico.

(C) declarar comparecimentos do atendido e/ou do seu acompanhante, quando necessário.

(D) fornecer informações sobre as condições do atendimento (tempo de acompanhamento).

(E) informar sobre as condições do atendimento (dias ou horários).

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com a Resolução CFP nº007/2003, na declaração, o psicólogo não deve fazer o registro de sintomas, situações ou estados psicológicos.

 

  1. Para Freud, a associação livre é um método que

(A) consiste em reprimir conteúdo do inconsciente, favorecendo uma sensação de bem-estar ao cliente, que sofre traumas advindos de um Complexo de Édipo não constelado.

(B) reproduz de forma linear os pensamentos do cliente codificando os estímulos que provocaram dor e hoje são vivenciados pelo cliente como fobias.

(C) evidencia respostas negativas a estímulos sensoriais que se expressam diante de eventos positivos que mereciam ser vivenciados sem dor.

(D) leva à cura do paciente que apresenta um comprometimento do sistema nervoso central.

(E) consiste em o paciente exprimir indiscriminadamente todos os pensamentos que vem à sua mente, quer a partir de um elemento dado (palavra, número, imagem de um sonho, qualquer representação), quer de forma espontânea.

 

COMENTÁRIOS:

A técnica da associação livre pede ao paciente que fale tudo o que lhe vier à cabeça, seja a partir da associação com algum elemento, ou de forma espontânea.

RESPOSTA: E.

 

  1. A psicóloga Beth atendia uma família em terapia familiar sistêmica, em que o par conjugal estava em uma relação distante e semimorta. No intuito de romper a homeostase familiar patológica e oportunizar aos membros da família o aparecimento de sentimentos, pensamentos e padrões novos de conduta e percepção, utilizou-se de uma técnica recomendando a continuidade do sintoma, com a expectativa de que ele viesse a se tornar egodistônico e indesejável. Recomendou que os filhos continuas- sem a apresentar problemas, o que obrigava os pais a se manterem preocupados com eles, evitando a dor maior de se confrontar com o vazio de sua relação e o risco de separação conjugal. A técnica utilizada foi

 

(A) diálogo inesperado.

(B) confrontação situacional.

(C) impacto transformador.

(D) prescrição paradoxal.

(E) aconselhamento invertido.

 

COMENTÁRIOS:

“O principal objetivo é mudar o comportamento manifesto do paciente. São utilizadas instruções paradoxais que consistem em prescrever comportamentos que, aparentemente, estão em oposição aos objetivos estabelecidos, mas que visam a mudanças em direção a eles. A instrução paradoxal é mais frequentemente utilizada sob a forma de prescrição de sintoma, isto é, encorajando-se aparentemente o comportamento sintomático. Para Watzlawick et al (1967) o uso do paradoxo leva à substituição do duplo vínculo patogênico por um duplo vínculo terapêutico.” Terezinha Féres Carneiro (1996).

RESPOSTA: D.

 

  1. Na Terapia Cognitiva de abuso de substâncias, identifica-se distorções cognitivas. A distorção, que consiste em erros de avaliação da importância ou magnitude de um evento, faz com que o paciente espere e antecipe sempre o pior, e é denominada:

 

(A) Pensamento Dicotômico, por exemplo, o paciente ora julga que está fazendo “tudo” pela abstinência, ora que não está fazendo “nada”.

(B) Catastrofização, por exemplo, o paciente que decidiu voltar a beber porque “tudo estaria perdido”, uma vez que não atingiu uma meta no trabalho.

(C) Supergeneralização, por exemplo, “se eu escorreguei e dei um trago, não serei capaz de evitar novamente”.

(D) Abstração Seletiva, por exemplo, o paciente que julga que seu consumo de álcool não é prejudicial por não ficar totalmente embriagado, mas que desconsidera os problemas com a esposa.

(E) Abstração Reativa, por exemplo, o paciente que julga que seu consumo de álcool não é prejudicial por não ter consequências físicas intensas, mas que desconsidera os problemas com o diabetes e provas de função hepática alterados.

 

COMENTÁRIOS:

A catastrofização é uma distorção cognitiva em que se antecipa o futuro sempre de forma pessimista. Soma-se a isso, a crença de que o seu fracasso será insuportável.

RESPOSTA: B.

 

  1. Para o desenvolvimento do Treinamento de Habilidades Sociais − THS, considera-se como uma primeira etapa

(A) a elaboração de um método de coaching que visa levar o cliente a compreender seus receios e depois introduzir técnicas que o auxiliem a desenvolver emoções positivas.

(B) que o paciente entenda e diferencie entre estímulos e respostas não assertivas.

(C) que o paciente diferencie estímulos positivos de negativos e saiba depois conseguir se autorregular emocionalmente.

(D) a reestruturação cognitiva dos modos de se sentir socialmente e individualmente no mundo.

(E) a construção de um sistema de crenças que mantenha o respeito pelos próprios direitos pessoais e pelos direitos dos demais.

 

COMENTÁRIOS:

De acordo com Lange (1981), a primeira etapa do THS envolve o desenvolvimento de um sistema de crenças que mantenha um grande respeito pelos próprios direitos pessoais e pelos direitos dos demais.

RESPOSTA: E.

 

  1. A liderança interativa é um estilo

(A) caracterizado por valores como inclusão, colaboração, construção de relacionamentos e cuidados.

(B) praticado, tipicamente, em ambientes que exigem forte exigência para a busca de resultados e mudança, em que o líder

intervém no modelo do trabalho e sugere mudanças no processo de execução dos seus liderados.

(C) focado em resultados em que prevalece o comportamento de direção e delegação.

(D) que prevê um ambiente de amizade que leva à criação de vínculos profundos entre líder e colaborador, encontrado exclu-

sivamente em organizações em que a mão de obra é tipicamente do gênero feminino.

(E) idêntico ao estilo 5.5 proposto pela Grade de Liderança de Blake e Mouton.

 

COMENTÁRIOS:

Liderança interativa prioriza valores como inclusão, colaboração, construção de relacionamentos e cuidados, para integrar as habilidades individuais na busca de melhoria do desempenho coletivo.

RESPOSTA: A.

 

  1. A teoria situacional de liderança é uma extensão interessante das teorias comportamentais resumidas na grade de liderança. A

abordagem de Hersey e Blanchard foca uma grande parte de sua atenção sobre

(A) o negócio da empresa e da pressão do mercado para que os colaboradores possam ser mais produtivos.

(B) o empenho do líder em manter o seu comportamento para que ele consiga determinar o rumo que deve elevar a produção

da equipe.

(C) a automotivação do líder para lidar com suas frustrações e dirigir esforços para dar atenção aos seus liderados.

(D) as características dos seguidores em determinar o comportamento apropriado para a liderança.

(E) os recursos materiais que podem ser oferecidos aos colaboradores para que possam produzir mais em ambientes de forte competição.

 

COMENTÁRIOS:

Na liderança, o líder precisa adaptar seu estilo de liderança de acordo com o perfil dos profissionais que compõem sua equipe.

RESPOSTA: D.

 

  1. A teoria da hierarquia das necessidades, que foi proposta em 1940 por Abraham Maslow, cita as necessidades sociais e de pertença. Essas necessidades incluem o desejo

(A) de afeição, de afiliação, de amizade e de amor.

(B) da realização pessoal, de status e de poder.

(C) de capacidade de competência, de ponderação e de autorregulação.

(D) de proteção, de segurança e de dinheiro.

(E) de apoio psicológico negativo e positivo para crescimento pessoal, de lar e abrigo.

 

COMENTÁRIOS:

As necessidades sociais e de pertença envolvem desejo de afeição, afiliação, amizade e amor.

RESPOSTA: A.

 

  1. Certos tipos de necessidades são adquiridos durante a vida do indivíduo. O desejo de atingir um alto padrão de sucesso, dominar tarefas complexas e ultrapassar os outros, de acordo com a teoria das necessidades adquiridas, é denominada de

(A) afiliação.

(B) realização.

(C) associação.

(D) poder.

(E) status.

 

COMENTÁRIOS:

A busca por um alto padrão de sucesso, dominar tarefas complexas, fazem parte da necessidade de realização.

RESPOSTA: B.

 

  1. As equipes verticais e horizontais são consideradas equipes

(A) virtuais.

(B) informais.

(C) formais.

(D) com propósito especial.

(E) de projetos.

 

COMENTÁRIOS:

As equipes serem verticais ou horizontais dizem respeito à forma da gestão da organização. Ou seja, são tipos de equipes formais.

RESPOSTA: C.

 

  1. Após uma equipe ter sido criada, ela se desenvolve por meio de estágios distintos, dentre eles a tempestade, no qual

(A) os membros preparam o desmantelamento da equipe.

(B) o conflito fica restrito à normatização dos processos e logo em seguida há o encontro da solução e a harmonia começa a surgir.

(C) a principal ênfase está na solução dos problemas e na realização da tarefa.

(D) a principal ênfase está em cada pessoa do grupo dar conta de suas entregas sem prejudicar o trabalho do outro, o que pode gerar conflitos de cumprimento de prazos e comunicação.

(E) emergem as personalidades dos indivíduos, os papeis e conflitos resultantes deles.

 

COMENTÁRIOS:

No estágio da tormenta, surgem conflitos no grupo. Os indivíduos já reconhecem a existência do grupo, mas demonstram resistência em relação aos limites da individualidade. Há também conflito quanto à definição de papéis, quem irá liderar o grupo.

RESPOSTA: E.

 

  1. O uso de taxionomias de objetivos educacionais facilita também

(A) a elaboração de currículos profissionais em programas de educação continuada.

(B) o desenvolvimento de análises de cargos mais completas.

(C) a definição da carreira que o colaborador deve seguir dentro da organização.

(D) a orientação dos programas de diversidade aplicados pela empresa.

(E) a criação de estratégias de recrutamento de pessoal para a organização.

 

COMENTÁRIOS:

Os objetivos educacionais permitinem o desenvolvimento do currículo, das estratégias de aprendizagem e sua avaliação (BLOOM et al., 1956).
RESPOSTA: A.

 

  1. Quando é necessário oferecer instruções sobre o trabalho, informações sobre políticas da organização e contrapartidas em relação ao desempenho, a direção da comunicação organizacional a ser adotada é a comunicação

 

(A) horizontal.

(B) de baixo para cima.

(C) lateral.

(D) de cima para baixo.

(E) informal.

 

COMENTÁRIOS:

A comunicação descendente ou vertical (de cima para baixo), “faz parte da estrutura de dependência hierárquica. Parte da gestão de topo para baixo, através dos níveis superiores hierárquicos, até aos empregados. Tem a finalidade de informar, instruir e dirigir sobre políticas da organização e contrapartidas em relação ao desempenho ” (Ramos, 1997).

RESPOSTA: D.

 

  1. A rotatividade é determinada basicamente por dois fatores:

(A) comportamento inadequado e violação do código de ética.

(B) determinação do sindicato e condições do mercado de trabalho.

(C) condições do mercado e estratégias organizacionais.

(D) participação em greves e desempenho fraco.

(E) iniciativa do funcionário e desligamento por iniciativa da empresa.

 

COMENTÁRIOS:

A rotatividade pode se dar por iniciativa do funcionário e desligamento por iniciativa da empresa.

RESPOSTA: E.

 

  1. São DESVANTAGENS do recrutamento externo:

(A) exigir que os novos funcionários tenham potencial de desenvolvimento para serem promovidos podendo gerar conflito de interesses, pois, cria uma atitude negativa aos funcionários que não foram envolvidos no processo.

(B) ter o custo mais elevado e geralmente afetar a política salarial da empresa.

(C) levar os colaboradores a um progressivo bitolamento com as políticas e diretrizes da organização, quando praticado continuamente e em termos globais.

(D) levar a um progressivo bitolamento com as políticas e diretrizes da organização e exigir que os novos funcionários tenham potencial de desenvolvimento para serem melhor aproveitados.

(E) levar a situação que Laurence Peter denomina de “Princípio de Peter” e gerar conflitos de interesses, pois, ao oferecer

oportunidades de crescimento, cria uma atitude negativa nos colaboradores que não foram envolvidos no processo.

 

COMENTÁRIOS:

O recrutamento externo é mais custoso que o interno e tende a afetar como a organização remunera as pessoas.

RESPOSTA: B.

 

  1. Em um processo de seleção, ao utilizar uma lista de assuntos para serem questionados e obtidas respostas ou informações do candidato, faz-se uso de uma entrevista

(A) padronizada, apenas quanto às perguntas ou questões.

(B) totalmente padronizada.

(C) diretiva.

(D) não-diretiva.

(E) aberta.

 

COMENTÁRIOS:

A entrevista padronizada apenas nas perguntas envolve perguntas previamente elaboradas, e o entrevistador baseia-se em uma lista (check-list) de assuntos para questionar e colher as respostas.

 

  1. Uma unidade social é considerada um grupo quando reúne os atributos:

(A) relacionamento social entre os integrantes, realização elevada, afetividade e atributos sociais semelhantes.

(B) relacionamento primário entre os integrantes, expectativas normativas não explícitas, características de status e elevado desempenho.

(C) filiação, interação entre os integrantes, objetivos compartilhados pelos integrantes e normas mantidas pelo grupo.

(D) integração social, expectativas normativas não explícitas, afetividade e comunicação circular.

(E) relacionamento primário entre os integrantes, realização elevada, comunicação circular e processos de trabalho bem definidos pelo grupo.

 

COMENTÁRIOS:

Para chamarmos de grupo, é preciso haver filiação entre os membros, interação, objetivos compartilhados e normas.

RESPOSTA: C.

 

  1. Os conflitos dentro das equipes virtuais tendem a ocorrer mais frequentemente e

(A) geram atritos provocados por dificuldades advindas dos traços de personalidade dos participantes mais dominantes do grupo que evitam o contato interpessoal.

(B) levam mais tempo para se resolver porque as pessoas estão separadas pelo espaço, tempo e diferenças culturais.

(C) são de difícil solução, pois há dificuldade de equilibrar cooperação e competição, em equipes muito numerosas dada a falha de comunicação.

(D) acarretam com maior facilidade o pensamento grupal e a interação antagonista não oferecendo espaço de crítica e interação entre seus membros.

(E) acarretam comportamentos reminiscentes com declarações explícitas de rancor e oportunizam conexões às escondidas.

 

COMENTÁRIOS:

Por falta de um contato real e físico, e também devido a uma distância geográfica, que pode gerar diferenças culturais, os conflitos nas equipes virtuais tendem a demorar mais para se resolverem.

RESPOSTA: B.

 

  1. O trabalhador, ao realizar sua tarefa, é motivado pelo conteúdo significativo da mesma. A insatisfação de conteúdo ergonômico gera, primeiramente, uma

(A) superatividade do id.

(B) dissociação psíquica.

(C) diminuição das exigências endógenas.

(D) carga de regressão psíquica.

(E) representação mental egoica.

 

COMENTÁRIOS:

A insatisfação proveniente de um conteúdo ergonômico inadaptado à estrutura da personalidade não é outra coisa do que uma carga de trabalho psíquica. Esta carga de trabalho não é idêntica à carga de trabalho física ou psicossensoromotora. Os efeitos desta carga e o sofrimento estão no registro mental (DEJOURS, 1994a, p. 61).

A questão da regressão diria respeito ao conteúdo pobre da tarefa, que provocaria uma ansiedade particular, uma regressão psíquica, uma esclerose mental.

RESPOSTA: D.

 

  1. O objetivo da abordagem psicodinâmica do trabalho é a compreensão

(A) da relação do indivíduo com os fatores organizacionais como gerador de estresse.

(B) da ocorrência do estresse como a necessidade de adaptação ou ajustamento do sujeito frente às pressões do trabalho.

(C) das estratégias às quais o trabalhador recorre para manter-se saudável, apesar de certos modos de organização do trabalho patologizantes.

(D) do processo de saúde para planejar ações de prevenção de doenças.

(E) da cultura organizacional, perfil das categorias profissionais e sofrimento no trabalho.

 

COMENTÁRIOS:

A psicodinâmica do trabalho busca estudar as estratégias individuais e coletivas das quais os trabalhadores lançam mão para lidar com modos da organização que adoecem.

RESPOSTA: C.

 

  1. Todas as atividades desenvolvidas pelo psicólogo organizacional, implicam em diferentes níveis de intervenção:

(A) funcional, operante e de saúde mental.

(B) nas relações de trabalho, no planejamento e na formação.

(C) nas relações sindicais, na qualidade de vida e no estresse.

(D) operacional, nas atividades específicas e clínico.

(E) técnico, estratégico e na formulação de políticas.

 

COMENTÁRIOS:

O psicólogo intervém no nível técnico, estratégico e na formulação de políticas.

RESPOSTA: E.

 

  1. Na Teoria dos Tipos Psicológicos de C.G. Jung, as duas funções racionais são

(A) pensamento e sentimento.

(B) intuição e sensação.

(C) extroversão e introversão.

(D) julgamento e percepção.

(E) introversão e percepção.

 

COMENTÁRIOS:

Jung divide as Funções Psicológicas em: Irracionais (Sensação e Intuição) e racionais (Pensamento e Sentimento).

RESPOSTA: A.

 

  1. Com a Quarta Revolução Industrial, surgiu a necessidade de revisão do papel do profissional de recursos humanos na organização. Esse novo papel é denominado

(A) analista estratégico.

(B) agente de transformação.

(C) consultor de transformação.

(D) designer organizacional.

(E) consultor institucional.

 

COMENTÁRIOS:

Na anunciada Quarta Revolução Industrial, as empresas precisam de um designer organizacional, uma nova identidade para o RH. Este profissional seria perceptível ao contexto, colocando o individuo como protagonista e não mais como um recurso da organização.

RESPOSTA: D.

 

 

  1. Uma das características das Organizações Exponenciais é que elas incluem

(A) uma Vantagem Promissora Específica.

(B) uma Missão para Resultados.

(C) um Propósito Integrador Progressivo.

(D) uma Missão Transformadora Massiva.

(E) um Propósito Transformador Massivo.

 

COMENTÁRIOS:

As organizações Exponenciais têm como característica o Propósito Transformador Massivo, por meio do qual a empresa baseia suas decisões em um propósito claro e inspirador para todos, não só para a organização.

RESPOSTA: E.

 

  1. Um dos fatores organizacionais associados a índices elevados da síndrome de Burnout corresponde

(A) ao baixo nível de controle, falta de conhecimento para realizar o trabalho e falta de estímulo para se trabalhar.

(B) à falta de suporte social, falta de estrutura de trabalho e de apoio familiar.

(C) ao tipo de ocupação, suporte familiar e estrutura de trabalho.

(D) à falta de confiança, de respeito e de consideração entre os membros de uma equipe.

(E) ao trabalho por turnos, falta de autoconfiança e falta de equipamentos de segurança.

 

COMENTÁRIOS:

Entre os fatores organizacionais, podemos citar a falta de confiança, respeito e consideração como um fator que contribui para o Burnout.

RESPOSTA: D.

 

  1. Nos estudos sobre estresse, a Síndrome Geral de Adaptação (Hans Seley) caracteriza-se por fases de

(A) somatização, fadiga e depressão.

(B) alarme, resistência e exaustão.

(C) sensações, distúrbios e doença.

(D) diminuição da libido, desgaste físico e eustress.

(E) distress, eustress e estresse.

 

COMENTÁRIOS:

As fases do estresse são: alarme, resistência e exaustão.

RESPOSTA: B.

 

  1. No que tange à cultura organizacional, a frase “as pessoas aqui tomam conta umas das outras, como em uma família” expressa

(A) artefatos da cultura e estilo gerencial.

(B) o nível da superfície da cultura e crenças limitantes.

(C) pressupostos subjacentes e crenças profundas.

(D) símbolos da cultura e administração das relações.

(E) padrões de comportamento e simbologia explícita.

 

COMENTÁRIOS:

Pressupostos subjacentes refletem as crenças inconscientes e inquestionáveis, que estão no nível mais profundo, sendo perceptíveis a partir de uma investigação mais profunda da Cultura Organizacional. São os valores, as crenças, percepções, sentimentos compartilhados pelos membros da organização, repetindo-se e sendo aceitos.

RESPOSTA: C.

 

Na construção de uma Avaliação de Desempenho, considere:
I. Não é possível iniciar pela avaliação.
II. Empenho e desempenho são conceitos iguais.
III. O avaliador precisa estar preparado para avaliar.
IV. Competência é um comportamento não observável.
Está correto o que consta APENAS de
(A) I e III.
(B) III e IV.
(C) II e III.
(D) I e II.
(E) I e IV.

COMENTÁRIOS:
Competência é um comportamento observável e empenho e desempenho não são conceitos iguais. Empenho se relaciona com o esforço na tarefa e desempenho envolve também os resultados atingidos pela tarefa,
RESPOSTA: A.

Posts Relacionados

Marina Becalli

Marina Becalli

Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase na Psicanálise, em atuação clínica em consultório particular e como psicóloga perita da 5ª Vara Cível da Justiça Federal, com ênfase em casos de Sequestro Internacional de menores (casos de dispustas de Guarda, Regulamentação de Visitas, Retorno, Alienação Parental). Aprovada no TJ/SP (2017) para o cargo de Psicólogo Judiciário. Especialista em Psicologia Jurídica.

Veja os comentários:

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados