Artigo

180′ Todo Dia (criando hábito)

São muitas as semelhanças entre a preparação para concursos públicos e provas esportivas, como maratonas, triatlos, etc. Inclusive o título deste texto faz alusão a uma página dessas que propagam um estilo de vida saudável. No meu caso, infelizmente, eu só conheço a tal página “fitness”, nunca tendo seguido seus conselhos com afinco. O que eu conheço – e muito bem – é a dura rotina de preparação para concursos públicos.

Quero passar naquele concurso top, quantas horas por dia devo me dedicar para obter sucesso?” Esse é um tema comum em qualquer roda de concurseiros – praticantes e aspirantes. Claro que não existe uma resposta pronta para tal indagação. Tudo depende dos objetivos do candidato e da experiência prévia naquela preparação específica. Mais importante do que pensar em uma carga horária ideal para sua preparação, preocupe-se em criar o hábito de estudar.

Esse talvez seja o ponto mais importante para tentar responder a pergunta feita acima. Criar o hábito de sentar e estudar é algo, digamos, que todos entendem ser necessário, porém poucos chegam lá.

Voltando à questão central do tempo, se por um lado não é possível estabelecer de forma genérica a sua carga horária ideal de preparação, por outro podemos nos arriscar a dizer que há um mínimo desejável: 180 minutos (ou 3 horas). Abro parênteses para dizer que essa percepção de tempo de estudo (se muito ou pouco) é relativa e mutável. Quando eu, por exemplo, chegava a estudar 8 horas por dia, achava normal e não entendia como alguém “só” estudava 3 horas. Depois de um longo período sem estudar, quando retomei os estudos de forma consistente, em alto rendimento, percebi como era difícil entrar novamente no ritmo necessário para bater as tais 3 horas diárias.

Como em qualquer preparação física, o ganho de tempo de estudo deve ser gradual e constante. Não adianta querer já sair do zero e começar com 05 ou 06 horas diárias. Assim como nossos músculos, o cérebro precisa de um período de adaptação até que dele seja exigida dedicação total. Um detalhe muito importante: quando cito uma quantidade qualquer de horas, falo do tempo líquido. Devemos anotar o tempo de estudo, descontando toda e qualquer pausa efetuada.

Trate seus estudos como trabalho. Chegue no horário, não falte, não durma em serviço e procure bater suas metas.

A sentença acima é batida, porém verdadeira. Não há mistério para atingir um “nível de aprovação”. Sente a bunda na cadeira e estude! Digo “nível de aprovação”, pois julgo que a aprovação propriamente dita depende de fatores que fogem ao nosso controle. Assim como na maratona – pelo menos em nível amador –, a corrida da aprovação deve ser travada contra si mesmo. Esqueça a relação candidato vaga. Nos concursos top, o número de candidatos em nível de aprovação quase não varia. Pense nisso quando estiver cansado, pensando em desistir.

Para finalizar, quero falar de outra variável que é a qualidade do estudo. Não perca tempo em busca de fórmulas milagrosas: apostilas, resumos prontos, cursos básicos presenciais de todas as matérias. Isso é perda de tempo.

Procure se informar e, se possível, se orientar com aqueles que já passaram por isso. Nada melhor que as dicas de quem já errou e se dispõe a evitar que você caia nas mesmas armadilhas.

Leia fóruns respeitáveis, fale com amigos aprovados ou experientes, busque a orientação de um programa de Coaching…seja como for, não perca seu precioso tempo. Busque os atalhos: melhores professores e materiais, técnicas “afinadas” de estudo, alie exercícios à teoria…e por fim, faça seus 180’, 360’, 480’ todo dia!

Saudações e ótimos estudos!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja os comentários
  • Adorei o artigo, Guilherme! Só não passa em concurso quem sai da fila.
    Mônica em 20/01/17 às 10:54
  • Olá, Roni. Há alguns anos eu usava o fórum concurseiros e o fórum Correio Web. Procure filtrar o conteúdo divulgado nessas fontes que certamente encontra coisas bacanas!
    Guilherme Sant'Anna em 18/01/17 às 19:26
  • Guilherme Sant'Anna, poderia citar exemplos de "fóruns respeitáveis"? Obrigado.
    Rony Elisandro em 18/01/17 às 09:38