Artigo

Você é o único responsável pelo seu sucesso (ou fracasso) !

Pessoal, boa noite.
Como falei no último artigo que postei sobre o Michael Phelps (espero que todos tenham lido), sou fanático por Jogo Olímpicos e acompanho o máximo que posso campeonatos mundiais (de qualquer esporte, mas, especialmente: atletismo, natação, futebol, vôlei, ginástica).

Sábado a tarde, estava assistindo o Mundial de Atletismo e no intervalo de uma das provas, fui ver o Mundial de Ginástica.
Vi a lesão da atleta Jade Barbosa logo no primeiro aparelho, o que acabou a deixando de fora da competição e custando a vaga do Brasil nos Jogos de 2020, em Tóquio.

Aí me lembrei de uma atleta americana, em Atlanta-96, que teve uma lesão grave na final, na mesma prova em que a Jade se lesionou hoje, e mesmo assim fez o salto.
Não lembrava o nome dela, mas lembrava bem da imagem (de como ela era), da nacionalidade (é claro) e dos Jogos em que ocorreu esse fato. Aí o YouTube faz o resto. Rsrs. Segue abaixo o vídeo:


Lembrava de ter assistido a final, ao vivo, na televisão. Lembrava da expressão de dor da atleta, quase chorando, ao final do salto que garantiu o primeiro ouro aos EUA na ginástica por equipes em toda a história da competição. Lembrava da tensão de todos antes do salto. Lembrava dela sendo carregada no colo pelo técnico com o tornozelo imobilizado.
Só não lembrava de uma coisa ao certo: de como ela havia se lesionado. Só recordei ao ver o vídeo: ela havia errado o primeiro salto, caindo de bunda no chão.


Esse erro foi o que causou o rompimentos dos ligamentos do tornozelo dela, fazendo com que ela praticamente tivesse que aterrisar do salto num pé só.
Provavelmente se ela não tivesse saltado ou se saltasse e errasse novamente, caindo de bunda no chão (o que seria absolutamente normal, naquelas condições), eu lembraria de como ela se lesionou.
Mas não foi isso o que aconteceu…

Se vocês jogarem no Google “Kerri Strug”, verão apenas imagens dela com a medalha de ouro, ou então dela sendo carregada com o pé imobilizado, ou, ainda, dela com a expressão de dor, de pé, após o derradeiro salto.
Sabe qual imagem vocês não verão ? A dela, caída, no chão. Por isso não lembrei de como ela havia se lesionado. Pouco importa o tombo que ela levou. Ninguém se lembra disso. Afinal, ela escolheu (ninguém a obrigou) seguir em frente, fazer o seu melhor, saltar e vencer.

Ela tinha um objetivo bem claro na sua mente. E pagou o preço para conquistá-lo.
O sacrifício e a dor são temporários, mas a glória é pra toda vida !

E você, vai escolher “conquistar o ouro” ou vai aguardar todas as condições ficarem favoráveis para fazer o seu melhor ?

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja os comentários
  • Nenhum comentário enviado.