0

Recurso Prova TCE-AM – Língua Portuguesa

Olá, futuro AUDITOR!

Para quem não me conhece , meu nome é Patrícia Manzato e sou Professora e Coach aqui no Estratégia Concursos, fazendo parte do Time de Português.

Inicialmente, convido você a me seguir no INSTAGRAM: Instagram da Profª. Patrícia Manzato

O gabarito preliminar da prova do TCE-AM foi divulgado e o Time de Português vê a possibilidade de recurso em três questões. Por isso, apresentamos aqui o porquê de nossa divergência em relação ao gabarito, que pode ser utilizado como base para seu recurso:

Questão 03

“Aí vem o carro das ideias… felizes ideias que durante três dias andais de carro! O resto do ano ides a pé, ao sol ou à chuva, ou ficais no tinteiro, que é ainda o melhor dos abrigos.”
Como o escritor que é, Machado de Assis, ao falar-nos das ideias, só NÃO diz aos leitores que:
(A) as ideias só ganham vida através dos textos;
(B) nem todas as ideias são veiculadas;
(C) as ideias ora são bem tratadas, ora maltratadas;
(D) em alguns casos, não é aconselhável verbalizar as ideias;
(E) as ideias são veiculadas em textos cultos ou populares.
Gabarito da Banca: Letra E
Gabarito pleiteado: Letra A

Fundamento para Recurso:

A questão de número 03 traz o seguinte enunciado: “Como o escritor que é, Machado de Assis, ao falar-nos das ideias, só NÃO diz aos leitores que:”. A resposta correta, de acordo com o gabarito preliminar, é Letra E: as ideias são veiculadas em textos cultos ou populares.
Dada essa afirmação, nota-se um equívoco ao considerar que “ideias” não são veiculadas em textos cultos ou populares.
Na verdade, o que a alegoria trazida no enunciado traz é justamente de uma abrangência entre o culto (“ficais no tinteiro, que é ainda o melhor dos abrigos”) e o popular (“Aí vem o carro das ideias…” – clara alusão ao Carnaval, que é uma festa popular).
Em contraposição, não é possível inferir a partir do texto do enunciado que “as ideias só ganham vida através dos textos”. Chamo a atenção nesse ponto para a palavra “só”, restringindo qualquer outra possibilidade de veiculação de ideias. Essa restrição contrasta diretamente com a informação de que “…felizes ideias que durante três dias andais de carro! O resto do ano ides a pé, ao sol ou à chuva, ou ficais no tinteiro…”.
Assim, esclarece-se que o afirmado na Alternativa E (“as ideias são veiculadas em textos cultos ou populares”) é dito por Machado de Assis aos leitores, em contraposição ao que estabelecido na Letra A (“as ideias só ganham vida através dos textos”) – alternativa esta que, inclusive, diverge do trazido no texto, conforme explicitado acima.
Diante do exposto, requer, humildemente, a ALTERAÇÃO do Gabarito para LETRA A.

Questão 06

A principal finalidade do texto 2 é:
(A) informar o leitor sobre os diversos significados da expressão vox populi, vox Dei;
(B) mostrar a relação direta da expressão latina vox populi, vox Dei com a mitologia clássica, justificando o emprego do latim;
(C) indicar o significado e a origem correta da expressão vox populi, vox Dei;
(D) esclarecer o leitor sobre uma origem improvável da expressão vox populi, vox Dei;
(E) explicar, de forma mais adequada, o porquê de na expressão citada haver a referência a duas vozes, a do povo e a de Deus.
Gabarito da Banca: Letra C
Gabarito pleiteado: Letra E

Fundamento para Recurso:

A questão de número 06 traz o seguinte enunciado: “A principal finalidade do texto 2 é:”. A resposta correta, de acordo com o gabarito preliminar, é Letra C: “indicar o significado e a origem correta da expressão vox populi, vox Dei”.
Dada essa afirmação, nota-se um equívoco ao considerar a afirmativa como principal finalidade do texto, como exposto a seguir.
Reconheça-se que o enunciado, ao perguntar sobre a “finalidade do texto”, requer do candidato que possa identificar quais os objetivos que esse texto traz. Tendo isso em mente, nota-se que o Texto 2 discorre uma possível origem de Vox populi, distinta daquela disseminada de “coletividade”. Digo “possível”, pois o próprio autor modaliza sua fala: “O vox populi, vox Dei parece referir-se à opinião pública” e “Creio tratar-se de outra origem, mais diretamente ligada a um processo de consulta divina”.
Além da modalização do autor ao se referir à possível origem da expressão, o que contraria a alternativa C, que afirma a “origem correta”, há que se atentar para o comando da questão, que requer a “principal finalidade”: em nenhum momento no texto aparece o que a letra C chama de “indicar o significado”. Novamente, retomo os trechos citados para que enfatizar que não há a apresentação de um significado, mas sim de uma possível origem.
Dessa forma, a melhor alternativa que se encaixaria na “principal finalidade do texto” é a Letra E: “explicar, de forma mais adequada, o porquê de na expressão citada haver a referência a duas vozes, a do povo e a de Deus”. A corroborar tal afirmação, além dos trechos já mencionados, trago a história de Hermes enfatizada no texto: “Hermes, (…) respondendo as consultas dos devotos pela singular e sugestiva fórmula das vozes anônimas. Purificado o consulente, dizia em sussurro ao ouvido do ídolo o seu desejo secreto (…)e vinha até o átrio do templo (…) esperando ouvir as primeiras palavras dos transeuntes.”. Nos trechos destacados, frise-se, é possível entender a “forma mais adequada” (em virtude da modalização) de se explicar e a referência a duas vozes: “povo” (transeuntes) e “Deus” (Hermes, ídolo).
Diante do exposto, requer, humildemente, a ALTERAÇÃO do Gabarito para LETRA E.

Questão 20

Numa das crônicas de A Semana, Machado de Assis declara: “Duas coisas contrárias podem ser verdadeiras e até legítimas, conforme a zona. Eu, por exemplo, execro o mate chimarrão; os nossos irmãos do Rio Grande do Sul acham que não há bebida mais saborosa neste mundo”.
Todos os pensamentos abaixo mostram oposições; a frase do mesmo Machado que comprova  o pensamento de que “Duas coisas contrárias podem ser verdadeiras e até legítimas…” é:
(A) “Os maus, no fim de conta, são dignos de lástima, por serem tão fracos que não possam ser bons”;
(B) “Todas as carreiras são boas, exceto a do pecado”;
(C) “O louvor, a censura fazem-se em poucas palavras”;
(D) “O chá é o único parceiro digno do café”;
(E) “O carvão é a riqueza; o diamante é o supérfluo”.
Gabarito da Banca: Letra D
Gabarito pleiteado: ANULAÇÃO

Fundamento para Recurso:

A questão de número 20 traz o seguinte enunciado: “Todos os pensamentos abaixo mostram oposições; a frase do mesmo Machado que comprova o pensamento de que ‘Duas coisas contrárias podem ser verdadeiras e até legítimas…’ é”. A resposta correta, de acordo com o gabarito preliminar, é Letra D: “O chá é o único parceiro digno do café”.
Dada essa afirmação, concordo que há a oposição verdadeira e legítima entre “chá” e “café”, mas não posso deixar de apontar outra oposição verdadeira e legítima dentre as alternativas, qual seja a da alternativa C: “O louvor, a censura fazem-se em poucas palavras”.
O “louvor” pode ser feito tanto em poucas palavras, por exemplo, quando os fiéis expressam sua fé à sua respectiva divindade, com expressões do tipo “Glória a Jesus”, como também em longos discursos, realizados pelos padres e pastores em suas missas, cultos, dentre outros.
Da mesma forma ocorre com a censura, que pode ser realizada com uma ou poucas palavras, exemplificada pelas advertências que pais e mães fazem aos seus filhos, como também em longos textos, por meio de decretos e leis.
Dessa forma, verifica-se total consonância com o comando da questão, uma vez que, além de constituírem oposições, também podem ser “verdadeiras e até legítimas”.
Ressalta-se a adequação à expressão “podem ser”, pois, conforme exposto, o louvor e a censura podem também não ser feito em poucas palavras.
Diante do exposto, requer, humildemente, a ANULAÇÃO da referida questão, por haver duas alternativas corretas.

É isso, pessoal!
Grande abraço e boa sorte!

Profª. Patrícia Manzato

E-mail: [email protected]

Facebook da Profª Patrícia Manzato

Instagram da Profª Patrícia Manzato

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *