Artigo

Orações Subordinadas: saiba tudo sobre o tema aqui!

Aprenda o tema “Orações Subordinadas”, domine a disciplina de Português e, assim, conquiste sua sonhada aprovação!

Professores do Estratégia Concursos alinhados para foto da Semana Especial de Português
Semana Especial de Português

No mês de agosto, ocorreu um evento único no Estratégia Concursos: a Semana Especial de Português, transmitida diretamente do canal do Estratégia no Youtube.

Durante o evento, que aconteceu entre os dias 17/08 e 21/08, os professores Adriana Figueiredo, Felipe Luccas, Janaína Arruda e Suellen Borges transmitiram diversas aulas da disciplina de Português, a fim de levar os alunos “do zero ao topo”, na preparação para concursos públicos.

Neste artigo, traremos um resumo da transmissão feita pela professora Adriana Figueiredo sobre Orações Subordinadas.

Trata-se de um assunto muito cobrado em provas de concurso. Por isso, exige dos alunos uma boa compreensão.

Além disso, deixaremos abaixo o vídeo integral da aula para você assistir:

Orações Subordinadas – Português para Concursos

Antes de tudo, cabe esclarecer que o presente artigo é o seguimento de uma série de conteúdos que temos apresentado, com os resumos das transmissões realizadas na Semana Especial de Português.

Se você ainda não leu os artigos anteriores e tem interesse em compreender os temas Classes de Palavras, Função Sintática e Orações Coordenadas, não deixe de conferi-los também.

Isto porque a assimilação de tais assuntos é extremamente importante para o entendimento do restante do conteúdo.

O que são Orações Subordinadas

Em primeiro lugar, cabe esclarecer que as orações subordinadas são aquelas que exercem função sintática em relação à oração principal.

Além disso, destaca-se que elas podem ser classificadas em Substantivas, Adjetivas e Adversativas.

Nesse sentido, considerando a extensão do conteúdo, nesse artigo daremos ênfase às orações subordinadas substantivas, explicadas de forma detalhada pela professora ao longo da transmissão.

Posteriormente, no próximo artigo, o assunto será finalizado com a explicação das orações subordinadas adjetivas e adverbiais.

Orações subordinadas substantivas

As orações subordinadas substantivas são aquelas introduzidas por conjunções integrantes “que” ou “se”, pronome indefinido, pronome ou advérbio interrogativo.

Além disso, cabe dizer que, para facilitar a identificação dessas orações, costuma-se dizer elas podem ser substituídas pelo pronome “isto”.

Exemplos:

  • Não sei [se ele virá] → Não sei [isto]. Esse “se” é conjunção integrante.
  • Sei [que verdade você esconde] → Esse “que” está se referindo a um substantivo e pode ser trocado por outro pronome indefinido (qual). Assim, não é uma conjunção integrante.
  • Não sei [onde está a bolsa] → Esse “onde” é um advérbio interrogativo.
  • Quero saber [quem chegou] → Pronome substantivo indefinido interrogativo iniciando a oração.

Orações subordinadas: passo a passo para a classificação

De acordo com a professora Adriana Figueiredo, há alguns passos que auxiliam na identificação e na classificação das orações subordinadas substantivas. Vejamos:

  1. Contar o número de verbos, porque cada verbo equivale a uma oração (exceto em caso de locuções verbais).
  2. Colocar as “barrinhas” que separam as orações.
  3. Iniciar a análise pelo verbo da oração principal – aquela que não tem conectivo ou que não traz verbo na forma nominal (oração reduzida). É chamada de oração “principal” porque a outra oração que se subordina a ela.
  4. Perguntar pelo sujeito: “Quem é que…”, “o que é que…”.
  5. Caso a oração a ser classificada não seja o sujeito, perguntar ao verbo da oração principal pelos seus complementos.
  6. Por fim, caso a oração a ser classificada não seja sujeito, objeto direto ou objeto indireto, identificar as outras opções.

Vejamos alguns casos:

a) Com o verbo da oração principal na 3ª pessoa do singular (ex.: convém, basta, cumpre, importa, urge, acontece, parece etc.).

Exemplo:

  • Convém / que estejas aqui na hora marcada.

O que é que convém? Que estejas aqui na hora marcada.

b) Com verbo de ligação + predicativo na oração principal (ex.: é bom, é possível, era conveniente, está claro etc.).

Exemplo:

  • É possível / que todos viajem.

O que é que é possível? “Isto”. Oração subordinada substantiva subjetiva iniciada por conjunção integrante.

c) Com expressões na voz passiva na oração principal (ex.: sabe-se, diz-se, é sabido, conta-se etc.).

Exemplo:

  • Não se sabia / se a história era verdadeira.

Orações subordinadas substantivas objetivas diretas

A partir daqui, será necessário aplicar a 5ª dica: “Caso a oração a ser classificada não seja o sujeito, pergunte ao verbo da oração principal pelos complementos“.

Quando o verbo for transitivo direto, as orações subordinadas substantivas objetivas diretas exercem a função de objeto direto.

Ex.: Os Estados Unidos não temem / que outros países sejam importantes no plano internacional.

Orações subordinadas substantivas objetivas indiretas

Exercem a função de objeto indireto, isto é, aquele que completa o verbo com preposição.

Ex.: Lembre-se / de que o mais importante num bom casamento não é a felicidade / e sim a estabilidade.

Nesse caso, há 3 verbos: o primeiro e o segundo evidentes e o terceiro implícito (“e é sim a estabilidade”).

Outros casos

Por fim, se a oração a ser classificada não for sujeito / objeto direto / objeto indireto, você deve identificar as outras opções.

Assim sendo, vejamos quais são:

a) Se a oração completa nome, é completiva nominal. Ex.: Ficamos ali até termos certeza / de que os vizinhos não estavam vendo.

b) Se a oração vem com verbo de ligação, é predicativa (e, assim, exerce função de predicativo). Ex.: O futuro é de quem exercitará o “ócio criativo”.

c) Se a oração explica algo, é porque ela é apositiva (e, assim, exerce função sintática de aposto). É uma oração que sempre vem acompanhada de sinal de pontuação. Ex.: Só havia uma esperança: / que ninguém suspeitasse disso.

Por fim, vale dizer que as orações subordinadas substantivas também podem exercer a função sintática de agente da passiva.

Nesse caso, elas sempre vêm acompanhadas de locução verbal da voz passiva. Ex.: O serviço foi feito / por quem exercia a liderança.

Quer aprender mais sobre Português para Concursos?

No próximo artigo, daremos continuidade ao assunto “Orações Subordinadas”, abordando o que foi ensinado pela professora Adriana Figueiredo em outra transmissão.

No entanto, se você já quer, desde agora, aprender mais sobre Português (ou sobre outras disciplinas), adquira agora a ASSINATURA ILIMITADA do Estratégia Concursos.

Por fim, lembre-se de revisar essas dicas e fazer muitos exercícios! Dessa forma, não tem erro: em breve sua aprovação chegará.

Bons estudos!

Concursos abertos

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja os comentários
  • Nenhum comentário enviado.