Artigo

A extração da bauxita e a produção do alumínio no estado do Pará.

   Olá pessoal. Saudações à todos. É com muita alegria que venho através deste artigo sobre a extração da bauxita e a produção do alumínio no estado do Pará, dar elementos importantes para o alcance de seus objetivos em concursos. Ele é essencial para interessados em gabaritar o ENEM, e também muito importante aos candidatos de todos os concursos que exijam a disciplina de atualidades e geografia do Brasil. Importante para o exame nacional do ensino médio, pois falarei de armazenamento de resíduos, assunto ligado à ecologia e sustentabilidade; para concursos em geral, pois é um tema que está sempre presente, por se tratar de uma das principais atividades econômicas do país. Destaco o concurso da PM/PA que está por estes dias. Uma das principais atividades deste ente federativo mais desenvolvido e povoado da região norte, é justamente a exploração mineral. É tema útil a todas as carreiras policiais do país, cujo edital exija esta disciplina.
Antes de iniciarmos, permita-me que me apresente. Sou o professor Sérgio Henrique, Historiador e Professor de Ciências Humanas. Formado pela UNESP, sempre fui dedicado a educação. Fui professor na secretaria estadual de educação de SP e MG e por mais de 8 anos professor na escola da Polícia Militar de Minas Gerais, cargo conquistado com muita satisfação, com a maior nota do estado. Larga experiência em cursos de alto desempenho para universidades como o sistema Objetivo e Poliedro. Sou professor no Estratégia Concursos e dedico-me às ciências humanas e atualidades, sempre oferecendo o mais completo e atualizado material, para que possamos ser parceiros na trajetória de sucesso de nossos alunos.
Agora que nos conhecemos melhor, vamos começar. Vou destacar neste artigo a produção da alumina e alumínio, que são derivados da bauxita. A principal produção mineral de alumínio do país está justamente na região Norte, nos complexos minerais do projeto trombetas, Alunorte e Albrás. A demanda de energia é enorme e é produzida a energia elétrica através da queima do carvão e de Óleo PBF (óleo mineral pesado), para aquecer a água e produzir o vapor que movimenta as turbinas, alimenta o gerador e gera eletricidade. Também é usada a energia hidrelétrica, que movimenta as turbinas que alimentam o gerador com a força da queda das águas em uma grande cachoeira.

   Qual diferença entre bauxita, alumina e alumínio? Como é produzida e escoada? E o meio ambiente?
A produção de
bauxita é diretamente associada, em termos logísticos, ao seu refino em alumina, matéria prima básica do alumínio, e a transformação final através da fundição em peças metálicas. O projeto trombetas é a principal extração de bauxita (rocha rica em alumina, com teor médio de 50%) e no projeto Alunorte é produzida a alumina e o alumínio. O projeto Albrás é ligado diretamente com Alunorte, mas possui controle acionário estatal. Alunorte é de capital e tecnologia Norueguesa. As principais cidades de produção da alumina e alumínio é Paragominas e Barcarena.
Observe atentamente a imagem. Não é preciso memorizá-la, mas quero que observe que após um complexo processo de refino, temos finalmente a Alumina. As amostras de bauxita extraídas produzem em média 50% de Alumina e a outra metade é resíduo.

Produção da Alumina a partir da Bauxita

O processo pode ser descrito de maneira bastante simples em 3 etapas:
1- Bauxita —– refino –> Alumina (Al2O3): matéria prima para a produção do alumínio primário.
2- Alumina ——redução eletrolítica (eletrólise) —> Alumínio.
3- Por fim a fundição do alumínio em vários formatos: Fundição (em peças especificas), extrusão (a produção de perfilados de alumínio) e Laminação.

Localização e Escoamento:
   A maior parte das refinarias de alumina está localizada nas proximidades de minas de bauxita, ou próxima de um porto, onde possa facilmente ser transportada até as fábricas de produção de alumínio. O Brasil é o segundo maior produtor mundial de bauxita, superado apenas pela Austrália. Logo atrás da produção brasileira – concentrada no Pará- temos Índia e China. As principais minas de extração de bauxita estão localizadas no Vale do Rio Trombetas no município de Oriximiná. A produção é escoada pelo porto Trombetas. Lá existe instalada uma infraestrutura intermodal (conecta vários modos de transporte). Os navios carregados partem do cais que é conectado com a Estrada de Ferro Trombetas, a principal ferrovia de transporte deste mineral. O projeto trombetas possui altos investimentos estrangeiros de indústrias transnacionais como a anglo-holandesa (capital inglês e holandês) Shell e a Vale, a maior mineradora do mundo, que foi já a estatal Vale do Rio doce, criada por G.V na década de 40, e privatizada por FHC na década de 90. O escoamento da bauxita e seus derivados ocorre também por ferrovia, mas principalmente por hidrovia. Segue até o estado do Maranhão, onde é embarcado no Porto de Itaqui em São Luiz do Maranhão. As hidrovias são os principais meios de comunicação e transporte entre os municípios paraenses. As estradas de ferro Trombetas e Carajás, bem como a rodovia Belém Brasília são vetores do desenvolvimento, e em seus cursos surgiram várias usinas metalúrgicas e siderúrgicas.
Ficam próximas às Minas. A razão é a organização logística: é mais fácil e barato o transporte do mineral.

   Desafios ambientais:
-> Tratamento do resíduo da bauxita e empilhamento à seco.

Armazenamento de resíduos da produção de Alumínio

   Estes dados são baseados nas 17 maiores explorações de bauxita e produção de alumínio. Basicamente os resíduos são armazenados por imersão no mar, por lagos de lama de rejeitos, e atualmente o mais sustentável e que tem se proliferado bastante, é o empilhamento de resíduos à seco. Esta técnica pode ser usada no armazenamento de resíduos e rejeitos de vários minerais. Novas tecnologias como essa podem evitar futuros acidentes como o desabamento da barragem de resíduos de minério de ferro como aconteceu no município de Mariana, no quadrilátero ferrífero mineiro. O maior acidente ambiental do país e um dos maiores do mundo que ocorreu no final de 2015 desalojou milhares de pessoas, destruiu milhares de quilômetros quadrados de solo e assoreou de forma terrível o Rio Doce, que levou a lama derramada pelo acidente até o mar.

-> Diminuir o consumo de energia.
Quanto maior o desenvolvimento econômico, maior o consumo energético. Quanto maior a exploração mineral, maior também o consumo. A produção de alumínio em toda a cadeia consome uma quantidade absurda de energia. Para movimentar a produção mineral há a energia hidrelétrica fornecida pela usina de Tucurui, no Rio Tocantins. Com o aumento das exportações minerais do Brasil na última década, a demanda energética aumentou muito. Isso explica o plano de construção de hidrelétricas como Belo Monte e a Usina do Rio Tapajós.

Sintetizando: Retenções importantes.

-> A exploração mineral é a principal atividade econômica do estado do Pará.
-> Os principais projetos de exploração são: Trombetas (bauxita), Albrás (alumina), Alunorte (alumínio e alumina), grande Carajás (Ferro, Manganês, Cobre e Níquel).
-> A energia usada é a hidrelétrica (Tucuruí) e de termelétricas (queima de carvão e óleo).
-> A bauxita é o minério de onde extraímos a alumina, matéria prima do alumínio primário. 50% é resíduo.
-> Há hoje a possibilidade do armazenamento de resíduos à seco. Impediriam acidentes terríveis como o desabamento de um reservatório de resíduos em Mariana MG.
-> A energia demandada é enorme. Quanto maior a industrialização, maior o consumo energético.
-> O desenvolvimento econômico do Brasil e região Norte demandam energia. Por isso os projetos de aproveitamento hidrelétrico da bacia Amazônica (maior potencial disponível do país).
-> Destaque para as usinas de Tucuruí, Belo Monte e Tapajós.
-> Ferrovias (como a Estrada de Ferro Trombetas, E.F. Carajás), Rodovias (como a Belém Brasília) são importantes vetores de desenvolvimento.
-> O principal transporte no Pará e região norte é o sistema hidroviário.

   É isso aí pessoal. Se você quiser mais dicas importantes, visite minhas aulas demonstrativas no site do Estratégia Concursos. Você encontrará para o concurso do Pará dicas muito importantes em 3 disciplinas.

Atualidades:
https://www.estrategiaconcursos.com.br/curso/atualidades-p-pm-pa-soldado-e-oficial/

Geografia:
https://www.estrategiaconcursos.com.br/curso/geografia-p-pm-pa-soldado/

História:
https://www.estrategiaconcursos.com.br/curso/historia-p-pm-pa-soldado/

   No site você encontrará também várias aulas demonstrativas para o ENEM … Recomendo …

   E também tem o nosso canal do ENEM no Youtube: Estratégia ENEM. Você vai encontrar dicas incríveis de todas as disciplinas.

https://www.youtube.com/channel/UC7OnZODw1SNhfs0CDyVNTKg

   Agora antes do até logo, vamos encerrar com dois exercícios comentados. Alternativa por alternativa …

(FADESP – concurso PMPA)
Tributo ao Pará
Ao percorrer tuas terras
Vejo paisagens variadas
Tens das florestas aos campos
No Marajó terras encharcadas
No Sul, gado e pastos artificiais
Mas também castanhais e açaizais
Se vou para o Oeste
Vejo o Tapajós e garimpeiros
Mas vejo também soja e vaqueiros
Ao ir para o Sudeste
Vejo o Tocantins e sua Tucuruí
Mas também Projetos, Carajás e ferro, muito ferro
Ah Pará! Quanta beleza!
Muitas vezes obra da natureza
Outras do homem
Que trabalha sempre em prol de tua grandeza
Quer seja no Norte, no Sul, Leste ou Oeste
És sempre pai d’égua
Lenora Maria
Com base no poema de Lenora Maria, é verdadeiro afirmar que

(A) o Sudeste do Estado constitui uma sub-região com grandes transformações espaciais, sendo área de exploração mineral e de atuação dos Grandes Projetos, principalmente os minero metalúrgicos, como o Projeto Carajás (Ferro e Manganês) e o Projeto Salobo (extração de cobre, da Vale do rio doce).
Correta. A produção mineral do estado é maior no sudeste, destacadamente o projeto grande Carajás. A região possui uma maior infraestrutura especializada para o desenvolvimento do setor minero metalúrgico como portos, usinas, hidrovias e ferrovias. Além disso está diretamente relacionada com o texto. Nesta não há dúvidas. Mas porquê que as outras alternativas estão erradas? Vejamos:

(B) a apropriação da região pelo homem resulta na prática de atividades diversificadas, como o extrativismo vegetal e a agropecuária moderna, embora as paisagens vegetais do Pará sejam homogêneas, visto que nosso território é coberto pela imensa floresta amazônica.
Errada. Apesar da predominância da floresta Amazônica no estado, sua paisagem é heterogênea, ou seja, diversificada. Podemos recorrer ao poema que nos indica a diversidade de paisagens sobre o estado.

(C) o Oeste do Estado, embora seja área de expansão do cultivo da soja, é considerado uma das sub-regiões de mais fraco desempenho econômico no contexto intra-regional, em virtude do isolamento que lhe é imposto pela total ausência de rodovias que facilitariam o escoamento da produção agrícola.
Errada. O oeste paraense tem uma importante mineração de bauxita, pois é a região do vale do rio Trombetas. Tem municípios importantes como Santarém e, apesar da necessidade da melhoria da infraestrutura, a região é interligada por rodovias. Atualmente a expansão do gado e da soja são os principais destaques da região.

(D) as paisagens naturais do Pará encontram-se preservadas, principalmente os castanhais, os seringais e os açaizais, graças à eficiente atuação das ONG que lutam pela preservação ambiental da Amazônia, dada a importância da região para o equilíbrio climático do planeta Terra.
Errada. Essa merece muito cuidado. A pergunta refere-se ao que podemos depreender do poema. O movimento dos seringueiros, iniciado por Chico Mendes e as quebradeiras de coco do babaçu, por exemplo, conseguiram aprovar leis que estimulam a sustentabilidade e o acesso dos povos extrativos da floresta aos recursos tradicionalmente coletados. A Amazônia não é o pulmão do mundo (são as algas oceânicas), mas é essencial para a dinâmica climática global. As afirmações da alternativa são verdadeiras, mas em nada se relacionam ao texto.

Só mais uma…

(Enem) No dia 28 de fevereiro de 1985, era inaugurada a Estrada de Ferro Carajás, pertencente e diretamente operada pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), na região Norte do país, ligando o interior ao principal porto da região, em São Luís. Por seus, aproximadamente, 900 quilômetros de linha, passam, hoje, 5353 vagões e 100 locomotivas.

Disponível em: http://www.transportes.gov.br. Acesso em 27 jul.
2010 (adaptado).

A ferrovia em questão é de extrema importância para a logística do setor primário da economia brasileira, em especial para porções dos estados do Pará e Maranhão.
Um argumento que destaca a importância estratégica dessa porção do território é a
a) produção de energia para as principais áreas industriais do país.
Errado. A alternativa [A] é falsa, apesar do grande potencial, a produção energética ainda é pequena e destinada, até o momento, ao consumo local. Existem vários projetos para aproveitar melhor o potencial energético amazônico.

b) produção sustentável de recursos minerais não metálicos.
Errado. A alternativa [B] é falsa, a produção se dá em escala industrial, demanda muita energia, produz muitos resíduos e pode contaminar água e solo.

c) capacidade de produção de minerais metálicos.
Correto. A importância de projetos de pesquisa como o Radam-Brasil, é muito grande, pois revelaram o enorme potencial mineral da região Norte do país. O Estado nacional brasileiro promoveu ações de povoamento e desenvolvimento com a criação de vários projetos de extração mineral: Os dois mais destacados são o projeto grande Carajás, Trombetas, Albrás e Alunorte. Várias políticas e investimentos foram articulados pelo estado. É o caso da construção da Ferrovia dos Carajás. Muito embora tenha sido implantada justamente com a finalidade apenas de escoar a produção mineral, com o tempo acabou se tornando uma ferrovia multimodal, melhor articulada. Outro exemplo é a ferrovia.

d) logística de importação de matérias-primas industriais.
Incorreto. A logística envolvida está na exportação de matérias primas.

e) produção de recursos minerais energéticos.
Incorreta, a produção é de recursos minerais metálicos.

Resposta: [C].

   É isso aí pessoal. Espero ter colaborado com informações relevantes para sua preparação. É um grande prazer levar um pouquinho de conhecimento.

Bons estudos
Grande abraço
Foco no Sucesso…

Professor Sérgio Henrique.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja os comentários
  • Olá professor, Eu faço parte da grande refinaria de alumina do mundo, hoje, Hydro Alunorte. Recebemos bauxita de nossa mina de bauxita localizada em Paragominas, que chega para nós através de mineroduto a uma extensão de 210 km de distância mais ou menos, assim como recebemos bauxita de Trombetas, via navio. O processo da Digestão, Filtração (Clarificação) e Precipitação é conhecido como processo Bayer, que tem como produto o Hidrato de Alumina, enquanto a Calcinação formará a Alumina, retirando suas moléculas de água de sua composição. Fiquei muito feliz com seu artigo. Parabéns.
    Leandro Costa em 27/07/16 às 10:46