Concursos Públicos

Empresário individual: concursos de carreira jurídica

Hoje, vamos conhecer um pouco a respeito do empresário individual, dando enfoque aos temas mais cobrados na área dos concursos de carreira jurídica.

Vamos lá!

Empresário individual

1. Empresário individual: conceito

Empresário individual é a pessoa natural que, individualmente, organiza uma atividade econômica para produção ou circulação de bens ou serviços.

  • ATENÇÃO: Relembre – Empresário é o gênero, do qual são espécies: empresário individual (pessoa física) e sociedade empresária (pessoa jurídica).

2. Empresário individual: requisitos

O Código Civil, em seu art. 972, traz os requisitos indispensáveis para o exercício da atividade de empresário individual, a saber:

Art. 972. Podem exercer a atividade de empresário os que estiverem em pleno gozo da capacidade civil e não forem legalmente impedidos.

Portanto, podemos destrinchar os requisitos mencionados em dois:

  • Pleno gozo da capacidade civil: Refere-se ao maior de idade capaz e ao emancipado;
  • Não ter impedimento legal: Como exemplo de impedimento, é possível citar a figura do funcionário público. CUIDADO: Os agentes impedidos não podem ser empresários individuais, mas podem ser sócios de sociedade empresária, desde que não exerçam sua administração.

2.1. Incapaz como empresário individual: hipótese excepcional

Excepcionalmente, o Código Civil permite o exercício da atividade de empresário individual ao incapaz. Vejamos:

Art. 974. Poderá o incapaz, por meio de representante ou devidamente assistido, CONTINUAR a empresa antes exercida por ele enquanto capaz, por seus pais ou pelo autor de herança.

Como se vê, o incapaz nunca poderá iniciar a atividade empresarial. Todavia, poderá continuar uma atividade empresarial em caso de:

  • Incapacidade superveniente: O incapaz pode continuar a atividade iniciada por ele mesmo, outrora, enquanto capaz. Ex.: o indivíduo capaz iniciou uma atividade empresarial, porém sofreu um acidente e ficou incapaz.
  • Sucessão: O incapaz pode continuar a atividade iniciada por seus pais ou por outro autor de herança.

Porém, é necessária a observação de 2 requisitos para que o incapaz continue a empresa:

  • O incapaz deve estar assistido ou representado (art. 974, caput);
  • Deve haver autorização judicial (art. 974, § 1º).

Art. 974, § 1º – Nos casos deste artigo, precederá autorização judicial, após exame das circunstâncias e dos riscos da empresa, bem como da conveniência em continuá-la, podendo a autorização ser revogada pelo juiz, ouvidos os pais, tutores ou representantes legais do menor ou do interdito, sem prejuízo dos direitos adquiridos por terceiros.

Ressalta-se, todavia, que o menor emancipado pode iniciar atividade empresarial, pois é considerado capaz.

2.2. Incapaz como sócio de sociedade empresária

Embora o incapaz não possa, sozinho, iniciar a atividade empresarial como empresário individual, é permitido que ele seja sócio de uma sociedade empresária e inicie essa atividade com outro sócio capaz.

Para tanto, é preciso o preenchimento dos seguintes requisitos trazidos pelo Código Civil:

Art. 974, § 3º – O Registro Público de Empresas Mercantis a cargo das Juntas Comerciais deverá registrar contratos ou alterações contratuais de sociedade que envolva sócio incapaz, desde que atendidos, de forma conjunta, os seguintes pressupostos: 

I – o sócio incapaz não pode exercer a administração da sociedade

II – o capital social deve ser totalmente integralizado

III – o sócio relativamente incapaz deve ser assistido e o absolutamente incapaz deve ser representado por seus representantes legais.

3. Empresário individual: responsabilidade

A responsabilidade do empresário individual é ilimitada, vale dizer, responderão pelas dívidas empresariais contraídas:

  • bens da empresa e
  • bens pessoais.

A doutrina e a jurisprudência entendem que, primeiramente, é preciso buscar os bens que estão destinados para a atividade empresarial. Caso estes bens não sejam suficientes, em um segundo momento, é possível abranger os bens pessoais do empresário individual.

Nesse sentido soa o Enunciado 5 da Jornada de Direito Comercial:

En. 5 – Quanto às obrigações decorrentes de sua atividade, o empresário individual tipificado no art. 966 do Código Civil responderá primeiramente com os bens vinculados à exploração de sua atividade econômica, nos termos do art. 1.024 do Código Civil.

3.1. Responsabilidade do incapaz que continua atividade empresarial

O Código Civil, em seu § 2º do art. 974, traz uma regra de proteção ao incapaz, a saber:

Art. 974, § 2º – Não ficam sujeitos ao resultado da empresa os bens que o incapaz já possuía, ao tempo da sucessão ou da interdição, desde que estranhos ao acervo daquela, devendo tais fatos constar do alvará que conceder a autorização.

Assim, os bens que o incapaz possuía antes de continuar a atividade empresarial não serão atingidos por dívidas do negócio empresarial.

Além disso, atente-se para o fato de que tais bens devem constar de alvará judicial.

4. Empresário casado

Nas relações civis, salvo no regime de separação absoluta (separação convencional), o cônjuge não pode alienar o imóvel RESIDENCIAL sem a anuência do outro cônjuge (art. 1.647, CC).

Entretanto, essa regra não se aplica em relação ao imóvel destinado à atividade empresarial. Vejamos:

Art. 978. O empresário casado PODE, sem necessidade de outorga conjugal, qualquer que seja o regime de bens, alienar os imóveis que integrem o patrimônio da empresa ou gravá-los de ônus real.

É indispensável, porém, que o cônjugeautorização prévia para que o imóvel seja destinado à atividade empresarial. É o que prevê o Enunciado 58 da Jornada de Direito Comercial:

En. 58 – O empresário individual casado é o destinatário da norma do art. 978 do CCB e não depende da outorga conjugal para alienar ou gravar de ônus real o imóvel utilizado no exercício da empresa, desde que exista prévia averbação de autorização conjugal à conferência do imóvel ao patrimônio empresarial no cartório de registro de imóveis, com a consequente averbação do ato à margem de sua inscrição no registro público de empresas mercantis.

5. Publicidade na Junta Comercial

Por fim, destacamos que tudo o que acontece com a figura do empresário individual – que interesse ao credor – tem que ser dado publicidade, ou seja, tem que fazer averbação na Junta Comercial. Ex.: mudança de estado civil, doação, herança, etc.

Tais regras estão estampadas nos seguintes artigos do Código Civil:

Art. 979. Além de no Registro Civil, serão arquivados e averbados, no Registro Público de Empresas Mercantis, os pactos e declarações antenupciais do empresário, o título de doação, herança, ou legado, de bens clausulados de incomunicabilidade ou inalienabilidade.

Art. 980. A sentença que decretar ou homologar a separação judicial do empresário e o ato de reconciliação não podem ser opostos a terceiros, antes de arquivados e averbados no Registro Público de Empresas Mercantis.

O art. 980, embora mencione apenas a separação judicial, também é aplicável ao divórcio.

Conclusão

Hoje, vimos um pouco a respeito da figura do empresário individual, em especial acerca de seu conceito, requisitos e responsabilidade.

Finalizamos, por ora, mais um tema empolgante para os que almejam a sonhada carreira jurídica.

Advertimos que esse artigo, juntamente com as questões do Sistema de Questões do Estratégia Concursos, serve como complemento ao estudo do direito empresarial, devendo-se priorizar o material teórico, em PDF ou videoaula, do curso.

Até a próxima!

Quer saber mais sobre os próximos concursos?

                                    Confira nossos artigos!                                   

Concursos abertos

Concursos 2023

Heloana Vera Albuquerque

Especialista em Direito Civil. Aprovada para Oficial de Justiça Avaliador Federal, Analista do Ministério Público, Procurador Municipal.

Posts recentes

Revisão de Véspera Banestes: veja a programação!

O concurso Banestes (Banco do Estado do Espírito Santo) oferta o total de 759 vagas…

3 minutos atrás

Simulado Especial ANATEL – Cargo Especialista: Geral e Direito

Previstas inicialmente para o dia 26 de maio, as provas do concurso público da Agência…

3 minutos atrás

1º Simulado CADAR: reforce seu conhecimento; participe!

Quer reforçar seus estudos e chegar a todo vapor para o dia da prova do…

26 minutos atrás

2º Simulado Especial CVM – Analisa e Inspetor: esteja pronto!

O concurso público CVM (Comissão de Valores Mobiliários) oferece 60 vagas imediatas para os cargos de…

27 minutos atrás

1º Simulado CAFAR Farmácia Bioquímica: reforce os estudos!

Quer reforçar seu preparo e chegar a todo vapor para o dia da prova do…

42 minutos atrás

Revisão de Véspera DEPEN PR: veja a programação!

Neste domingo, 19 de maio, serão aplicadas as provas do concurso DEPEN PR (Secretaria de…

60 minutos atrás