COMO FUI APROVADO EM 7 CONCURSOS – ÁREAS FISCAL, CONTROLE E GESTÃO
Concursos Públicos

COMO FUI APROVADO EM 7 CONCURSOS – ÁREAS FISCAL, CONTROLE E GESTÃO

Olá pessoal,

Meu nome é Luiz Eduardo Raposo, sou Auditor Fiscal da Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí e atualmente coach do Estratégia Concursos.

TENHA EM MENTE QUE SERÁ UMA LONGA CAMINHADA, MAS O RESULTADO SÓ DEPENDE DE VOCÊ

Minha jornada no mundo dos concursos se iniciou no ano de 2012, recém formado e cheio de anseios.

Mesmo formado em Direito, optei pelos concursos da área fiscal, uma vez que sempre tive muita afinidade com disciplinas que envolvem cálculo e especialmente com Direito Tributário.

Tinha certa resistência de estudar em casa, principalmente pela dificuldade de concentração.  Buscando obter um maior rendimento e aproveitamento nos estudos, procurei outros ambientes para estudo, como bibliotecas e salas de estudo. Esse foi um ponto chave na minha preparação, pois além da estrutura do ambiente ser melhor para estudar, também me ajudou a criar uma rotina diária de estudos.

Estudava principalmente por materiais em PDF, livros de algumas disciplinas específicas (Direito Tributário, por exemplo) e assistindo vídeos somente das matérias que tinha maior dificuldade, como foi o caso de contabilidade geral.

Costumava estudar por ciclos, sempre com mais de uma disciplina por dia, pois considero que isso dinamiza e facilita o estudo e aprendizagem, também realizava revisões periódicas (diárias, semanais e mensais) e reservava um tempo diário para a resolução de exercícios.

Estudava uma média de oito horas de segunda a sexta (não trabalhava na época, apenas estudava), e quatro horas aos sábados, sempre deixando os domingos para lazer e intensificando quando havia edital “na praça”.

MINHA CAMINHADA RUMO A APROVAÇÃO

Pouco tempo depois que me formei prestei o concurso para Analista do Senado Federal, atraído pela excelente remuneração e acreditando que, pela quantidade de disciplinas exigidas no edital, conseguiria estudar boa parte do conteúdo do edital. Pelo pouco tempo de estudo e devido a inexperiência, acabei não passando na primeira fase do concurso.

Depois da prova, decidi focar nos concursos da área fiscal, tendo como objetivo principal o concurso de Auditor da Secretaria de Fazenda do Estado do Piauí, c que já era aguardado ha muito tempo e, especialmente, por ser no meu estado. Além disso, havia promessa naquele ano (2012) do concurso para Auditor da Receita Federal do Brasil – AFRFB.

Nesse ínterim, foi publicado o edital para Analista de Comércio Exterior do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio – MDIC, com uma boa quantidade de vagas e ao ler e analisar o edital, vi que 60 a 70% do conteúdo era semelhante ao de AFRFB. Decidi então prestar o concurso.

Consegui ser aprovado na 1ª fase do concurso (prova objetiva) e convocado para realizar a 2ª fase (prova discursiva). Porém, mesmo com muita dedicação, fiquei classificado fora das vagas existentes no concurso. Foi meu primeiro resultado positivo, o que me motivou a continuar estudando.

Segui a diante, intensificando a preparação para o concurso de AFRFB. E poucos meses depois foi publicado o esperado edital da Receita Federal. Estudei bastante, mas por apenas uma questão em Auditoria, fui eliminado na prova objetiva, em virtude da exigência do mínimo por matéria.

Fiquei um pouco decepcionado, principalmente por ter chegado tão perto de uma possível 2ª fase, mas não desanimei!

Passado algum tempo, foi publicado o edital do concurso de Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo, com a previsão de mais de 800 vagas e mais de 30 mil inscritos. Me dediquei bastante, com mais afinco do que para o concurso de AFRFB e, com a publicação do resultado final, vi meu nome na relação de classificados do concurso (excedente, não nomeado). Foi minha primeira vitória, me dando a certeza que estava no caminho certo, bastava continuar me dedicando e estudando que conseguiria atingir meu objetivo principal.

Logo em seguida, prestei outros dois concursos, o de Auditor do Tribunal de Contas da União – TCU e Analista do Banco Central – BACEN. Ver meu nome na relação dos convocados para o curso de formação do BACEN, e, posteriormente, no resultado final do concurso, foi recompensador (excedente, não nomeado). Era minha segunda vitória nessa árdua caminhada!

Ainda em 2012, prestei também outro concurso para Auditor da Receita Federal, mas fui eliminado na 1ª fase.

 Finalmente foi publicado o tão aguardado edital para o concurso de Auditor da Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí. Nessa época, como eu já tinha estudado a maior parte do conteúdo programático, foquei em revisões dos assuntos já estudados e na massiva resolução de exercícios, dando uma atenção extra para a legislação específica do estado.

Consegui manter um ritmo intenso até o dia prova, que foi pesada e cansativa, eliminando candidatos bem preparados em razão da exigência do mínimo por prova, em especial a P1, prova de conhecimentos básicos.

Ao conferir o gabarito, fiquei esperançoso por ter conseguido cumprir os mínimos nas duas provas (P1 e P2) e ter feito uma boa pontuação, me dando confiança que iria conseguir. Foi aí que o tão aguardado resultado chegou. Ver meu nome na lista de aprovados, ainda mais em uma excelente posição (aprovado em 5º lugar – nomeado) e dentro das vagas previstas no edital, foi uma sensação indescritível. Todo o esforço e dedicação tinham valido a pena!

Durante essa jornada, que durou três anos, ainda fui aprovado em outros concursos: Auditor do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (aprovado em 18º lugar – nomeado); Gestor Público da Secretaria de Administração do Estado do Piauí (aprovado em 2º lugar – nomeado); Analista da Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí (aprovado em 5º lugar – nomeado); e o de Auditor da Controladoria Geral do Estado do Piauí (aprovado em 6º lugar – nomeado).

Percebam que acabei prestando concursos de áreas diversas e, mesmo que tenha conseguido lograr êxito em alguns deles, não recomendo que façam o mesmo! Hoje vejo com clareza a importância de definir, desde o início dos estudos, o seu objetivo e manter o foco!

É isso pessoal!

Acreditava (e ainda acredito) que é de suma importância a existência de uma rotina diária de estudos, tentando ao máximo não se desviar da sua meta.

Não existe fórmula mágica! O “segredo” é apenas dedicação diária e paciência. Os resultados vem para aqueles que, incansavelmente, persistem.

Desejo a todos os concurseiros uma boa sorte nessa caminhada. Não será fácil e surgirão empecilhos que irão tentar lhe desviar do seu objetivo, mas continuem firmes no seu propósito!

Todo o esforço e tempo gastos serão recompensados. Acreditem!

Abraços,

Luiz Eduardo T. F. Raposo

E-mail: [email protected]

Luiz Eduardo Raposo

Luiz Eduardo Raposo

Auditor Fiscal da Secretaria de Fazenda do Estado do Piauí. Atualmente lotado na Unidade de Administração Tributária. Graduado em Direito pela faculdade Uninovafapi. Pós-graduado em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários – IBET. Outros concursos em que fui aprovado: Agente Fiscal de Rendas do Estado de São Paulo (excedente, não nomeado); Analista do Banco Central (excedente, não nomeado); Gestor Público da Secretaria de Administração do Piauí (2º Lugar, nomeado); Auditor de Controle Externo do Tribunal de Contas do Estado do Piauí (18º Lugar, nomeado); Analista da Secretaria de Fazenda do Estado do Piauí (5º Lugar, nomeado); Auditor da Controladoria Geral do Estado do Piauí (6º Lugar, nomeado).

Veja os comentários:

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados