Coach: como tirar o melhor proveito de um para potencializar seus estudos
Concursos Públicos

Coach: como tirar o melhor proveito de um

Saiba como potencializar seus estudos com o auxílio de um coach.

Apesar de ter se popularizado com mais força somente nos últimos 3 ou 4 anos, o serviço de coaching para concursos já existe – acredite – há cerca de 10 anos. Ainda há quem duvide da eficácia e da necessidade deste tipo de acompanhamento, afinal, o investimento não é baixo. No entanto, os resultados apresentados comprovam cada vez mais que o espaço para o amadorismo está se reduzindo e, se bem aproveitado, o coaching pode potencializar os resultados, otimizando ao máximo o tempo do aluno.

Coach

Neste caminho, é preciso compreender esta figura que se insere na vida do candidato para que este possa tirar máximo proveito daquele. Vamos, a partir de agora, sugerir alguns cuidados que podem ser tomados para que essa parceria dê certo e que você possa tirar proveito de um coach.

1) Antes de qualquer coisa, é preciso saber escolher cirurgicamente seu coach!

Identificar-se com alguém é fundamental para qualquer relação, não é verdade? Você namoraria alguém com pensamentos totalmente diferentes dos seus ou que não tem nada a ver com você? Rs. Por isso, é interessante que seja escolhido, por exemplo, um coach aprovado na mesma área que você deseja.

Claro que esse parâmetro não precisa ser 100% rígido! Há excelentes coaches que desenvolvem trabalhos maravilhosos em outras áreas, mas certamente quando estão “na sua praia”, conhecem perfeitamente o terreno em que estão pisando. Área de formação, metodologias, estratégias, crenças… quanto mais alinhado com o seu coach você estiver, mais facilmente o trabalho vai se desenrolar.

Como saber sobre seu coach? Leia os artigos que ele publicou no blog do Estratégia, veja webnários em que ele participou e postagens nas redes sociais. Quanto a este último, só tome cuidado e não se iluda com a quantidade de seguidores. Essa métrica nem sempre é diretamente proporcional à qualidade do seu trabalho.

2) Estabeleça uma relação de transparência e confiança com seu coach

Transparência e confiança também são fundamentais em qualquer relação, não é verdade? E para tirar o melhor proveito possível de um coach isso não é diferente. É preciso confiar nele e estabelecer um diálogo aberto e franco, sempre.

Por mais que você se identifique com ele, em alguns momentos o seu treinador poderá propor a você algo relacionado a seu estudo com a qual você não concorde. Neste momento, você precisará ser transparente, conversar e chegar a um denominador comum, seja para esclarecer algum ponto sobre você e seus estudos, seja para que você possa compreender melhor o que ele deseja e comprar aquela ideia.

Caso você não esteja em sintonia com seu coach e decida criar a própria estratégia, certamente estará perdendo uma grande oportunidade de evoluir seguindo as orientações de alguém que está ali justamente para agregar valor aos seus estudos.

3) Dê feedbacks ao seu coach

Quase que uma consequência imediata do tópico anterior, os feedbacks semanais dados ao seu coach precisam ser bem feitos. Eles servem de matéria-prima para que ele possa prestar um serviço cada vez mais individualizado e que atenda perfeitamente às suas necessidades. O planejamento e as estratégias adotadas para cada nuance do seu estudo são dinâmicos e, observados certos limites, é claro, podem e devem ser modificados a partir do que você informa. Seja claro, exponha suas necessidades, quaisquer que elas sejam, para que o coach, munido do máximo de informações possíveis, possa propor todos os ajustes.

4) Não tenha vergonha das suas dúvidas

É muito comum observarmos certas insegurança e/ou vergonha por parte dos alunos em expor suas fraquezas, dúvidas e necessidades. Surge aquele medo de julgamentos do tipo: “o que ele vai pensar de mim se eu fizer essa pergunta?” ou “será que ele vai me achar burro se eu fizer essa pergunta”. E aí o tempo passa, o aluno não se abre e acaba não ajustando algo relevante. O coach está ali para colaborar e não para julgar ninguém. Quanto mais cedo o aluno se abre e questiona, mais rapidamente ele evolui e cresce.

5) Seja humilde e esteja disposto a aprender

É incrível, mas às vezes observamos alunos que estão completamente inflexíveis às propostas do seu coach. Buscam, em vez de ideias que agreguem valor, mera aprovação de tudo aquilo que ele já fazia antes de contratar o serviço. É claro que, como já falamos mais acima, o diálogo é fundamental para garantir que coach e coachee estejam sempre alinhados e avaliem as melhorias a serem implementadas, mas se o  aluno não abrir a mente e estiver disposto a aceitar novos pontos de vista, acaba criando uma barreira prejudicial ao desenvolvimento do trabalho.

6) Seja proativo

É muito comum também alguns alunos “relaxarem” por completo e deixarem tudo nas mãos do coach. É claro que este  assume responsabilidades, orienta, colabora na tomada de decisões, mas isso não impede nem proíbe que você possa se inteirar sobre planejamentos,  metodologia, concursos, enfim, tudo que seja relevante. É claro que você não deve deixar de estudar e se preocupar excessivamente com esta parte, mas algo interessante pode e deve ser explorado diretamente por você e levado ao treinador para discussão. 

7) Tenha seu coach como sua maior referência

Quem estuda pra concurso acaba conhecendo muita gente envolvida com concurso: outros concurseiros, aprovados, influenciadores digitais, professores. Todos estes possuem ideias, estratégias e pontos de vista interessantes e com excelentes argumentos para sua defesa.  Porém, isso não significa que necessariamente tudo que funciona muito bem com estas pessoas vá funcionar com você também. Por isso, antes de sair inovando e modificando qualquer aspecto do seu estudo, tenha uma conversa com seu coach. Ele precisa ser a sua maior referência, afinal, ninguém te conhece melhor que ele. Afinal, no início do trabalho você preenche uma ficha, faz um Skype para estreitar os laços e segue dialogando. Além disso, seu coach é um especialista e provavelmente já vivenciou alguma situação parecida e saberá orientá-lo e adaptar aquilo à sua realidade da forma certa, pois pode enxergar aspectos individuais que ninguém mais, inclusive você, poderá fazer.

8) Entenda que o coaching é uma parceria

Você sabe como funciona o serviço do Personal Trainer na academia? Ele avalia o aluno, passa uma série sob medida, ensina a executar e o corrige, caso encontre algo. Mas você já parou para pensar em quem faz toda a força na execução? Sim, ele mesmo, o aluno. Fazendo a analogia para o coaching, o coach fará todo o planejamento, selecionará o material adequado, a melhor metodologia de acordo com o seu perfil, mas quem vai executar o trabalho será você, o candidato.

Desta maneira, é fundamental perceber que o trabalho é uma verdadeira parceria, onde cada um tem suas obrigações. O trabalho só poderá dar certo se ambas as partes estiverem executando corretamente o seu papel.

Além disso, é preciso muita paciência, afinal, os resultados não acontecem da noite para o dia. Mas com consistência e disciplina, você se tornará um candidato de verdade. O coach não faz milagre, não estuda pelo aluno, muito menos faz a prova em seu lugar. Portanto, não transfira dos seus ombros a responsabilidade que possui e vá à luta!

Vale a pena dar uma conferida no vídeo abaixo, em que coach e coachee analisam o trabalho bem sucedido que realizaram juntos, culminando na aprovação no concorridíssimo concurso da SEFAZ-SC:

https://www.youtube.com/watch?v=fk3eWpzirLo&t=3921s

Se quiser saber mais sobre o programa de coaching, clique no link abaixo:

https://www.estrategiaconcursos.com.br/cursosPorConcurso/coaching-382//

Bons estudos!

Alberto Kovarik

Alberto Kovarik

 Auditor Fiscal da Receita Estadual do Estado do Rio de Janeiro (ICMS-RJ), tendo sido aprovado no concurso de 2011 Desde Janeiro de 2015 trabalhando com a preparação de alunos para os principais concursos do país (alunos aprovados no ISS Cuiabá, ISS Niterói, ICMS PI, ICMS MA, ICMS SC etc.). Primeiro contato com coaching na condição de aluno (coachee) ainda em 2011.  Graduação em Matemática pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Aprovado nos concursos: Professor de Matemática da Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro (3 vezes entre os 3 primeiros colocados); Analista de Planejamento e Orçamento (APO) da Secretaria de Planejamento do Estado do Rio de Janeiro (2010); Auditor Fiscal Tributário do Município de São Paulo (2012).

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados