Como fui aprovado em 3 concursos da área fiscal: uma história improvável (c/ entrevista) Uma história de motivação
Área Fiscal

Como fui aprovado em 3 concursos da área fiscal: uma história improvável (c/ entrevista)

Se você acha que vai ler uma história de uma pessoa de foco, fé e organização, pode parar por aqui.

Talvez o máximo que possa lhe oferecer seja um depoimento de um rapaz disperso, inseguro e caótico que teve que trazer essas qualidades para sua vida – por completa falta de opção.

O Início de uma longa jornada

Desde criança, sempre tive uma habilidade para enxergar padrões e projetar o futuro.

Passei minha infância entre duas vidas (pais separados) que não apresentavam muitas opções de dias melhores. Passava uma semana no morro e outra no asfalto. Ambas em um subúrbio carioca, que hoje é um reduto do tráfico de drogas.

Logo cedo entendi o recado: livros, aqui vou eu! E mirei no concurso do Colégio Militar do RJ…

Dediquei uma verdadeira “eternidade” de um verão de férias aos livros. Mas a vida não tardou a me passar o primeiro recado: “estudar não é tão simples, neguinho”.

Esperançoso, abri minha prova de matemática vi algo errado: passei mais da metade da prova tentando decifrar um erro de digitação que se repetiu por várias questões. Pronto, não era um erro, era o símbolo do metro quadrado – “muito prazer”.

Foi a primeira de muitas reprovações de minha vida.

Até que cheguei à 7ª série convicto de que deveria estudar MUITO para entrar no Colégio Naval, da Marinha do Brasil.

E naquele espírito de boa vontade e pouca organização, minha fé em dias melhores foi se esvaindo ao tentar resolver questões de concursos anteriores.

Conhece-te a ti mesmo

Até que um dia, em um gesto doloroso de humildade, reconheci que fui mal alfabetizado. E mergulhei, na biblioteca pública estadual, em apostilas pré-vestibulares que me realfabetizaram desde as operações mais básicas de conjuntos e separação silábica até equações mais complexas.

Dessa vez, foram alguns meses de imersão que resultaram na minha aprovação na turma especial de um cursinho preparatório tradicional, e dali para frente a coisa engrenou.

Faz toda a diferença estar cercado de bons professores, materiais e de uma metodologia eficaz.

Uma prova disso é que, em 1996, aos 13 anos fui aprovado no concurso nacional mais concorrido da minha faixa etária – o tão desejado Colégio Naval!

Mas na Marinha minha desorganização e dificuldade em cumprir horários foram aos poucos me trazendo a consciência de que talvez essa não fosse a melhor carreira para mim…rs

Foi então que em 2002, ainda na Marinha (aspirante da Escola Naval) comecei a folhear os primeiros materiais da carreira fiscal. Entrei em uma turma de “Fiscal Básico” e terminei em 2003, mas parei os estudos por mais de um ano, até que em 2004 retornei aos “elementos do ato administrativo” com toda nostalgia de quem já ouviu falar sobre…rs

Enfim, conciliar trabalho com estudos não é fácil para ninguém, sobretudo para um oficial recém-formado da Marinha (a qual considera a vida fora do trabalho apenas um detalhe perto de tantas tarefas atribuídas a um Segundo-Tenente).

Nessa época, apesar de não conseguir tempo para estudar eu ainda mantinha interesse em um novo concurso, foi então que aproveitei para explorar os assuntos da mente. Pratiquei Yoga e li muito sobre meditação, alimentação para o cérebro, memorização e toda sorte de livros que me permitissem acalmar e expandir os potenciais de minha agitada mente.

Na Área Fiscal

Aos trancos e barrancos, me inscrevi em alguns concursos da carreira fiscal, mas o trabalho conspirava contra. Desde a escala de serviço, até as diversas viagens do navio. O simples gesto de fazer a prova já seria uma vitória…

E dessa fase atribulada guardo as mais diversas “tragédias” de um concurseiro… as quais hoje saboreio com muito humor.

Desde viagens até Manaus que eu sequer terminei de preencher o cartão-resposta (SEFAZ-AM), passando por diversas reprovações por 1 questão (SEFAZ-MG, SEFAZ-RS, SEFAZ-RJ) até bebedeiras frustradas em que dei por certa minha aprovação (ISS-SP)…

Mas, enfim, mais uma vez minha leitura de padrões veio à tona: na Marinha eu não conseguiria passar para fiscal.

E foi então que abri meu coração a toda espécie de concurso. E fui aprovado em um concurso para Agente Administrativo do Ministério da Saúde. Cuja jornada era de 30 horas semanais (mas era remunerado com menos da metade do salário que eu recebia nas Forças Armadas)

Apostando todas as fichas

Então minha posse no cargo foi em Abril de 2006, onde desempenhei atribuições em uma farmácia hospitalar com toda a alegria. Apesar de ser uma função bem menos pomposa que a de um oficial de marinha.

Agora estava armado meu próprio circo “concurseiro do fim do mundo”.

Quando – após vender meu carro e alugar uma quitinete na zona portuária do Centro do Rio de Janeiro – só me restaram os estudos.

Mas confesso que senti medo depois de um tempo estudando, entretanto todas as minhas fichas já estavam apostadas sobre o tabuleiro – não havia retorno

Passei por uma temporada extenuante de 7 meses intensos de estudos, quando me tornei de fato competitivo. Nesse momento utilizei todo o conhecimento e experiência adquiridos sobre os atalhos e possibilidades da mente.

E foi assim que entrei de cabeça nos simulados.

No início, meu nome figurava entre os últimos colocados, e após melhorar meu rendimento, e conseguir durante algumas rodadas as primeiras colocações… até que minha hora chegou: fui aprovado como Auditor Fiscal na SEFAZ-CE!

Novo revés

Mas outra temporada de erros se sucedeu após essa fatídica notícia. Doei todo o material, me desliguei de tudo que pudesse me conectar aos concursos…muito antes da nomeação. A qual só ocorreu após longos 2 anos e meio.

Entretanto na época me dediquei levianamente à cultura e arte cariocas, em detrimento da enxurrada de concursos que passavam diante de mim.

E o mais curioso é que quando fui finalmente nomeado Auditor Fiscal do Ceará, já havia retomado (mais uma vez) aos estudos…

Até que, enfim, fui lotado em um posto fiscal do interior de pouco movimento, fato que me permitiu entrar em outro profundo mergulho nos estudos.

E como quem já conhece o caminho da batalha, minha história teve outra reviravolta: fui aprovado como auditor fiscal no ISS-RJ (prefeitura) e SEFAZ-RJ (estado) e convocado para tomar posse em ambos!

Novos Ciclos

E num dia inesquecível, saí da maternidade (após o nascimento do meu primeiro filho) para assinar o termo de posse no Estado (SEFAZ-RJ), onde hoje trabalho como o homem mais feliz do mundo.

Além disso, agora no Coaching do Estratégia tenho a oportunidade de compartilhar dessa experiência com dezenas de alunos e ajudá-los a fazer essa mesma travessia.

Enfim, aquele neguinho que tinha tudo para ter uma vida muito dura, acreditou que tudo poderia ser diferente – e foi.

E você, que vida escolherá? Assista a entrevista realizada no Canal do Estratégia Concursos, onde trago outros detalhes dessa improvável história.

Entrevista para o Canal do Estratégia Concursos

 

Posts Relacionados

Rafael Moreno

Rafael Moreno

Bacharel em Ciências Navais (pela Escola Naval). Colecionou diversas APROVAÇÕES em concursos públicos: Colégio Naval- 1996 aos 14 anos; Ministério da Saúde - 2006 (Agente Administrativo), Auditor Fiscal da SEFAZ-CE - 2007 (exercício da função por 3 anos), Auditor Fiscal da Prefeitura do Rio de Janeiro (ISS-RJ), Auditor Fiscal da Receita Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEFAZ-RJ), um dos cargos mais concorridos de todo o Brasil, onde trabalha FELIZ DA VIDA até os dias atuais.

Veja os comentários:

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados