“... porque estudar errado é como não estudar.”
Concursos Públicos

“… porque estudar errado é como não estudar.”

Caro aluno (ou futuro aluno :-)), inicialmente, gostaria de parabenizá-lo por estar aqui lendo este artigo. Demonstra que você está buscando, de verdade, a sua aprovação.

Li certa vez o conteúdo do título deste artigo. Apesar de acreditar conter certo exagero, os dizeres contêm a ideia que acredito ser central na preparação para qualquer concurso público: devemos estudar corretamente! E isso quer dizer estudar com o melhor método possível. E essa é exatamente a ideia do Coach do Estratégia Concursos!!! Mas vc pode estar pensando: quem é esse cara, que acredita que pode me mostrar assim o caminho das pedras? Boa pergunta! Deixe-me apresentar minha trajetória nesse mundo…

Minha formação originária é na Odontologia – Graduação/UERJ, Especialização/PUC, Mestrado/UFMG. Veja que sempre precisei estudar direitinho… Rs!

Em 2005, comecei a trabalhar como dentista militar do Exército Brasileiro. Lá, como eu ocupava o cargo de Tenente, acabava tendo que desempenhar diversas tarefas, sendo que, de vez em quando, atendia algum paciente :-). Dentre essas outras tarefas, a execução de sindicâncias me fez entrar em contato e me apaixonar pelo Direito… Pronto! Pouco tempo depois, estava eu frequentando as aulas da Faculdade de Direito da UFMG – outro vestibular nas costas. Foi aí que uma grande coincidência mudaria minha vida: encontrei, na minha turma de Direito, uma colega dentista que havia sido minha “caloura” em Odontologia lá no Rio. Papo vai, papo vem, ela me apresentou o mundo da Fiscalização Tributária. Após muita conversa, o cotidiano de um Auditor Fiscal Estadual me agradou muito. Mas foi quando ela me mostrou seu holerite que não tive dúvidas: tranquei a faculdade e comecei meus estudos na área fiscal, no início de 2010. Minha meta era o ISS-BH que, rezava a lenda, sairia no ano seguinte. Em 2011, a prova não veio, mas meu caminho já estava traçado.

Eu trabalhava 6 horas e estudava o resto do dia, conciliando com minhas outras tarefas: marido e pai. Não era fácil, mas dava para garantir de 4 a 6 horas de estudo diário. Cheguei a fazer, como experimentação, uma prova para Agente da Polícia Federal. Na correção da prova objetiva, vi que tinha sido eliminado e abandonei. Um tempo depois, recebo um telefonema da secretaria de um cursinho lá de Belo Horizonte para confirmar minha presença no churrasco de confraternização dos aprovados:

“- Não, moça, deve haver algum engano, eu não passei não.”

“- O nome do senhor não é Humberto de…?!”

“- Sim, mas eu fui eliminado na prova objetiva.”

“- Estou vendo o site do CESPE e seu nome está aqui. Você não foi fazer os testes físicos?!”

Na época, eu era militar e aqueles testes físicos certamente não seriam dificuldade para mim :-(. Bom, a vida continuou…

Houve um bom tempo de marasmo, nada de provas da área fiscal. Até que, enfim, saiu o edital do ISS/BH e, para meu desespero, o do ISS/SP, ao mesmo tempo. A diferença entre as provas era de, aproximadamente, um mês. Eram 27 vagas pra BH (meu sonho) e 100 para SP. Tive que optar e voltei minha artilharia para a prova de BH. Já em março de 2012, fui fazer a prova de SP. Não tinha estudado especificamente para aquele concurso, mas vai que…

Não conhecia o que era fazer uma P1 da FCC. Santa ingenuidade… Deu vontade de chorar no meio da prova! Mesmo! Pensava: cara, beleza, vc não estudou para esta prova, mas já tem dois anos de bagagem! Tenho que ir bem, ao menos nas disciplinas não específicas. Não adiantou. Eu lia as questões de Auditoria e pensava: “gente, isso aqui não é o que venho estudando… parece outra disciplina completamente diferente!” O resultado não foi a eliminação sumária, mas uma classificação pífia, mil e lá vai pedrada.

Precisava me recuperar daquele trauma, afinal de contas, 30 dias depois viria a prova da BH. Chegou o dia, fiz uma prova razoável, mas meus 70% de aproveitamento me garantiram apenas a 160ª colocação. Bem longe das 27 vagas. Em seguida, veio a Receita Federal: nova frustração com a eliminação em Direito Administrativo.

Aí, não podia deixar o ICMS/SP me escapar. E desta vez, a FCC não mais me surpreenderia com aquela famigerada P1. E aí que veio o “pulo do gato”: eu precisava estruturar um estudo eficiente! Assim, busquei a melhor forma de estudo possível pra mim: organização do tempo de estudo, importância de cada disciplina para o certame, estudo sobre a banca examinadora, distribuição das horas de estudo, saber quando avançar no conteúdo teórico e quando revisar… Deu pra entender, né?!

Por fim, tracei meu caminho e com MUITO esforço, dedicação e planejamento consegui a sonhada aprovação. E não foi qualquer aprovação ;-), mas um orgulhoso 8º lugar, no disputadíssimo ICMS/SP de 2013.

Assim, espero poder compartilhar minha experiência com você para que, juntos, possamos criar a sua melhor forma possível de estudo. Daí, é só persistir que o sucesso vem!

Grande abraço de seu coach,

Humberto de Campos Ribeiro Júnior.

Posts Relacionados

Humberto de Campos Ribeiro Jr

Humberto de Campos Ribeiro Jr

Agente Fiscal de Rendas da Secretaria da Fazenda de SP - 8º lugar no concurso de 2013!!! Fui Oficial do Exército por 8 anos Formação em Odontologia (graduação - UERJ, especialização - PUC RJ e mestrado - UFMG) Coach do Estratégia Concursos "Porque estudar errado é como não estudar!"

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados