ENTREVISTA: Alexandre Machado - Aprovado em 9º lugar no concurso STM para o cargo de TJAA e em 13° lugar no concurso TRT SP para o cargo de AJAA

Entrevista:

ENTREVISTA: Alexandre Machado – Aprovado em 9º lugar no concurso STM para o cargo de TJAA e em 13° lugar no concurso TRT SP para o cargo de AJAA

“É fundamental acreditar em você e ter um propósito maior, ou seja, um motivo que justifique todos os sacrifícios que serão necessários. Quando a coisa apertar, provavelmente, este propósito que manterá você motivado e focado”

Confira nossa entrevista com Alexandre Machado, aprovado em 9º lugar no concurso do Superior Tribunal Militar (STM) para o cargo de Técnico Judiciário Área Administrativa (TJAA) e em 13º lugar no concurso do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT 2ª Região) no cargo de Analista Judiciário Área Administrativa (AJAA):

Estratégia Concursos: Conte-nos um pouco sobre você, para que nossos leitores possam te conhecer melhor. Você é formado em que área? Qual sua idade? De onde você é?

Alexandre Machado: Meu nome é Alexandre, sou formado em Engenharia Mecânica (Unicamp – 2001) e fiz especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho (USP – 2014). Tenho 42 anos e sou do Brasil (rs…), pois, atualmente, já cheguei a marca de 20 cidades nas quais morei (incluindo cidades do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais) e também morei em uma aldeia indígena (até os 4 anos de idade).

Estratégia: O que te levou a tomar a decisão de começar a estudar para concursos?

Alexandre: Desde que terminei a graduação (2001), sempre trabalhei na iniciativa privada e não tive contato com o mundo dos concursos públicos durante este período. Fui desligado da empresa na qual trabalhava em 2015 e não consegui me recolocar, devido a isso, resolvi estudar para concurso (a partir de 2016). Aliás, apesar de não ter estudado para concurso após ter me formado, várias vezes observei a carreira na área pública como uma excelente opção, mas achava que era algo muito distante. Comecei a estudar para concurso em 2016.

Estratégia: Durante sua caminhada como concurseiro, você trabalhava e estudava (como conciliava trabalho e estudos?), ou se dedicava inteiramente aos estudos para concurso?

Alexandre: Em alguns períodos, conciliei o estudo com algumas atividades relacionadas a perícias junto a justiça do trabalho. No final, acabava, indiretamente, tendo uma certa relação com o estudo para concurso. Rs…

Mas, grande parte do tempo, dediquei-me, exclusivamente, à preparação para concurso público.

Estratégia: Quantos e em quais concursos já foi aprovado? Qual o último? Em qual cargo e em que colocação?

Alexandre: Considero que só posso me considerar aprovado, quando estou dentro do número de vagas do edital. Sendo assim, fui aprovado para Técnico Judiciário – área administrativa no Superior Tribunal Millitar (STM) – 9° lugar na ampla; Técnico Judiciário – área administrativa no TRT 2 (SP) – 85° lugar na ampla; Analista Judiciário – área administrativa no TRT 2 (SP) – 13° lugar na ampla.

Também fui classificado nos seguintes concursos:

Técnico Judiciário – Área Administrativa (TRT 1 – RJ) – 81° lugar na ampla;

Analista Judiciário – área administrativa (TRT 1 – RJ) – 31° lugar na ampla.

Fui desclassificado no concurso do TRT 6 (PE) para Analista Judiciário – área administrativa (TRT 6 – PE) – 32° lugar na ampla (eram apenas 24 classificados) e também não consegui boa classificação no concurso de Analista Judiciário – área administrativa do STM (253° lugar) que foi meu primeiro concurso de tribunal.

Estratégia: Qual foi sua sensação ao ver seu nome na lista dos aprovados/classificados?

Alexandre: É a melhor sensação do mundo, pois trata-se da concretização de um sonho e uma certeza que em algum momento poderei iniciar uma jornada no serviço público. Trata-se de um momento cheio de emoções, pois é mistura sensação de vitória pessoal, familiar e a premiação de vários sacrifícios realizados por mim e por toda a minha família (minha esposa, meus 2 filhos e meus pais, principalmente).

Estratégia: Como era sua vida social durante a preparação para concursos? Você saía com amigos, família, etc? Ou adotou uma postura radical, abdicando do convívio social?

Alexandre: Minha vida social sempre foi pacata, pois sou muito caseiro e gosto de estar com minha família. Durante a preparação, acabei me isolando um pouco e posso dizer que tive uma postura bem profissional. Cronometrava todo o período de estudo, controlava as horas diárias, semanais e mensais de estudo (inclusive as horas anuais, rs…), estudava utilizando os PDFs do Estratégia (não assistia vídeos-aulas) e estudava por ciclos de estudos.

Estratégia: Você é casado? Tem filhos? Namora? Mora com seus pais? Sua família entendeu e apoiou sua caminhada como concurseiro? Se sim, de que forma?

Alexandre: Sou casado e tenho uma linda e espetacular esposa. Sem ela, não teria conquistado nada disso, pois apesar de todos os compromissos da minha esposa, ela sempre procurou me manter o máximo focado em minha preparação (ela que pagava as contas, levava as crianças para a escola, …). Uma observação interessante é que minha esposa também é estudante, pois ela faz medicina (está indo para o 6° ano). Tenho dois lindos filhos (o mais novo com 7 anos e o mais velho com 13 anos). Todos me apoiavam intensamente.

Meus pais também me apoiaram bastante em vários momentos e aspectos. Enfim, tive apoio de vários familiares.

Estratégia: Você acha que vale a pena fazer outros concursos, com foco diferente daquele concurso que é realmente seu objetivo maior? 

Alexandre: Claro que sim (rs…), acho que demorei muito para perceber isso. Estudei 2016 e 2017 focado na preparação para AFT. Em 20/12/2017, resolvi parar de estudar para AFT e começar a minha preparação para Tribunais (graças a Deus, tomei esta decisão, caso contrário, estaria em situação bem complicada). No dia 21/12/2017, comecei a estudar para o STM e fiz a prova em Março. Depois fiz as provas do TRT 6 (AJAA), TRT 1 (AJAA e TJAA), TRT 2 (AJAA e TJAA) e TRT 15 (AJAA e TJAA). Enfim, rs…, com isso, finalizei os concursos de tribunais e voltarei a estudar para AFT já tendo passado em alguns concursos e com uma experiência muito mais concreta em provas.

Estratégia: Você estudou por quanto tempo direcionado ao concurso que foi aprovado?

Alexandre: Estudei 2016 e 2017 para AFT, neste período, estudei várias matérias comuns aos concursos de Tribunais, principalmente dos TRTs. Para o STM, de forma específica, estudei por praticamente 2 meses e meio. Depois, estudei mais alguns meses para os TRTs (para o TRT 2, pouco menos de 5 meses de estudo, aproximadamente). 

Estratégia: Chegou a estudar sem ter edital na praça? Durante esse tempo, como você fazia para manter a disciplina nos estudos?

Alexandre: Sim, durante o período de preparação para AFT. A disciplina, motivação, … vinha principalmente do objetivo de proporcionar um bom futuro para a minha família. Mas confesso que, algumas vezes, ficava um pouco desmotivado com notícias negativas. Lembro da época que começaram a falar que a remuneração inicial do serviço público poderia ser reduzida para R$ 5.000. Outro desafio foi manter a motivação com um cenário de grandes incertezas quanto ao concurso de AFT, por isso, inclusive, tomei a decisão de partir para Tribunais. 

Estratégia: Que materiais você usou em sua preparação para o concurso? Aulas presenciais, telepresenciais, livros, cursos em PDF, videoaulas? Quais foram as principais vantagens e desvantagens de cada um?

Alexandre: Usei 100% PDFs e lei seca. Não assistia vídeos-aulas e nem livros. Acredito que os PDFs do Estratégia Concursos são as melhores opções de preparação, pois tem todo conteúdo principal e um grande volume de questões resolvidas.

Estratégia: Como conheceu o Estratégia Concursos?

Alexandre: Quando decidi que estudaria para concursos, dediquei uns 15 dias para verificar a melhor forma de fazer isso. Neste período, busquei as melhores opções de cursos, rotina, … Foi neste período que tive contato com o Estratégia Concursos. Foi amor a primeira vista. Rs…

Estratégia: Uma das principais dificuldades de todo o concursando é a quantidade de assuntos que deve ser memorizada. Como você fez para estudar todo o conteúdo do concurso? Falando de modo mais específico: você estudava várias matérias ao mesmo tempo? Quantas? Costumava fazer resumos? Focava mais em exercícios, ou na leitura e releitura da teoria? Como montou seu plano de estudos? Quantas horas por dia costumava estudar?

Alexandre: Tinha meu ciclo de estudos que, inicialmente, apresentava poucas matérias e depois foi sendo ampliado (até ter praticamente todas as matérias do edital). Dividia a carga horária semanal entre todas as matérias e estabelecia minha sequência. Gradativamente fui avançando nas matérias e ganhando uma visão dos conteúdos específicos e, ao mesmo tempo, uma visão geral do edital. Procurava fazer do meu estudo algo agradável e tentava sempre pensar na aplicação do conteúdo que estava estudando.

Confesso que não fazia muitos resumos, mas tenho alguns, principalmente, de direito do trabalho e direito processual do trabalho. Fazia alguns exercícios, mas focava muito tempo no entendimento da teoria (apesar de ter consciência de que deveria focar mais em exercícios pensando na prova objetiva).

Meu plano de estudos, inicialmente, foi montado seguindo as dicas dos professores do Estratégia Concursos, principalmente, do meu grande mestre e amigo Carlos Gama (que trabalhava no Estratégia Concursos neste período). Depois, conforme ganhei experiência e conhecimento, comecei a montar e adaptar meu plano em função dos resultados em questões, prioridades de aprendizagem e proximidade de alguma prova.

Em média, estudava 8h00 por dia de segunda a sexta, 6h00 aos sábados e não estudava domingo (dia do descanso). Todo meu tempo de estudo era cronometrado e lançado em planilha de acompanhamento.

Estratégia: Você tinha mais dificuldades em alguma(s) disciplina(s)? Quais? Como você fez para superar estas dificuldades?

Alexandre: Rs…, informática, pois o conteúdo é amplo e pode ser explorado de diversas formas. Simplesmente, parei de estudar a teoria desta matéria e parti para as questões. O resultado não foi excelente, mas foi aceitável.

Estratégia: A reta final é sempre um período estressante. Como foi sua rotina de estudos na semana que antecedeu a prova? E véspera de prova: foi dia de descanso ou dia de estudo?

Alexandre: Na semana que antecede a prova, sempre acabo perdendo muito tempo com viagens e outros aspectos relacionados, mas procuro manter a rotina de revisões. O dia anterior ao da prova, normalmente, estudo, de forma leve, até às 18h00.

Estratégia: No seu concurso, tivemos, além das provas objetivas, as provas discursivas. Como foi seu estudo para esta importante parte do certame? O que você aconselha?

Alexandre: Depois do edital, fiz um curso específico para discursivas e procurei fazer pelo menos 1 redação por semana e verificar as oportunidades de melhoria. Procurava sempre observar os comentários dos professores e incorporava algumas mudanças na minha forma de escrever. Tentava, gradativamente, ir melhorando minhas notas nas redações. Considerava que a mudança de patamar de nota apenas era efetiva quando as notas começavam a estabilizar no novo patamar.

Estratégia: Se você tivesse que apontar ERROS em sua preparação (se é que houve), quais seriam? Diga-nos também quais foram os maiores ACERTOS?

Alexandre: Um primeiro erro, na minha opinião, foi ter dedicado muito tempo apenas na preparação para AFT. Acredito que todos temos que ter um objetivo maior, mas não podemos ignorar as oportunidades que estão aparecendo e que são melhores que nossa condição atual (no meu caso, estava desempregado).

Outro aspecto que acho que preciso melhorar é o foco na resolução de questões, pois, proporcionalmente, dedico pouco tempo a resolução de questões. Acabo focando muito na teoria e esta não é a melhor forma de melhorar o desempenho em provas.

Acredito que meu maior acerto for ter buscado aprender quais as formas de se estudar para concurso e ter estabelecido uma rotina e respeitado a mesma. Outro aspecto fundamental for ter estudado pelos materiais do Estratégia Concursos, pois eram muito completos e tinham toda a teoria e exercícios necessários.

Estratégia: O que foi mais difícil nessa caminhada rumo à aprovação? Chegou a pensar, por algum momento, em desistir? Se sim, como fez para seguir em frente?

Alexandre: O mais difícil é administrar a preocupação com as incertezas. Exemplo: o que eu vou fazer se eu não passar em nada. Rs… Isso era muito complicado, pois o tempo vai passando e as reservas financeiras vão sendo consumidas e não há nenhuma garantia. Você apenas tem que acreditar e fazer a sua parte da melhor forma.

Outra dificuldade era dizer não a algumas oportunidades que apareciam perto das provas, pois isso aconteceu algumas vezes e tive que ter força para dizer não. Isto não é fácil, pois você acaba pensando muito se, realmente, está fazendo a coisa certa, pois está dizendo não para algumas oportunidades sem ter nada concreto.

Cheguei a parar de estudar para concursos no período que estudava para AFT. Fiquei uns 3 meses sem estudar e tinha voltado a fazer perícias. Mas percebi que tinha feito a coisa errada. Conversei muito com meus familiares e retomei meus estudos.

Acredito que a única forma de você manter o foco e a motivação é acreditar que se você fizer a coisa certa, com certeza, conquistará o tão sonhado cargo público e pensar o quanto isso mudará sua vida e das pessoas próximas.

Estratégia: Qual foi sua principal motivação?

Alexandre: Minha família sempre foi minha principal motivação. Pensar no futuro que daria para meus dois filhos e para minha esposa. Também pensava em mim e na minha possível futura carreira, mas este não era o aspecto principal. 

Estratégia: Por fim, o que você aconselharia a alguém que está iniciando seus estudos para concurso. Deixe-nos sua mensagem para todos aqueles que um dia almejam chegar aonde você chegou!

Alexandre: Primeiramente, acredito que você deve gastar um tempo pensando na melhor estratégia possível para você conseguir excelentes resultados. Procure ouvir conselhos de pessoas experientes e que conseguiram aprovação. Há vários vídeos relacionados.

É fundamental acreditar em você e ter um propósito maior, ou seja, um motivo que justifique todos os sacrifícios que serão necessários. Quando a coisa apertar, provavelmente, este propósito que manterá você motivado e focado.

Agora, o principal é colocar Deus em primeiro lugar em sua vida e pedir muita orientação dele na condução dos seus estudos e pedindo que ele proporcione a saúde e o aprendizado necessário para ser aprovado.

E sempre lembre que todo sacrifício será recompensado!

Entrevista em Vídeo

Outras entrevistas em:

Depoimentos de Aprovados
Cursos Online para Concursos

 

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Resultados:

  • Concurso DPE-AM 2018 - Defensor Público Dos 59 aprovados, 21 deles são nossos alunos
  • Concurso DPE-AP 2018 - Defensor Público Dos 108 aprovados, 34 deles são nossos alunos
  • Concurso ALE-RO 2018 - Advogado Dentro das 4 vagas ofertadas, 2 aprovados são nossos alunos
  • Concurso PGM-Manaus 2018 - Procurador Dos 146 aprovados, 58 deles são nossos alunos
  • Concurso PGE-TO 2018 - Procurador Dos 135 aprovados, 52 deles são nossos alunos

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.