Artigo

Como fui aprovado no ICMS RJ e ICMS ES – Minha trajetória

Saudações concurseiros! Meu nome é André Chaves, sou carioca, tenho 35 anos e sou formado em Engenharia de Produção pela UERJ. Atualmente exerço o cargo de Auditor Fiscal do Estado do Rio de Janeiro (ICMS RJ).

Tenho o prazer de escrever este primeiro artigo como coach do Estratégia Concursos contando como foi o meu caminho até a aprovação no último concurso do ICMS RJ.

Fazendo um resumo sobre a conjuntura que me fez optar por estudar, iniciei minha carreira profissional em 2005 como estagiário na inciativa privada. Exerci diversas atividades ao longo de 7 anos e progredi bastante na estrutura da empresa. Logicamente, a reboque de maiores responsabilidades vieram maiores salários, mas também alguns quilos a mais e menos tempo para a família e para cuidar da saúde. O estresse do dia a dia e a rotina de viagens pela empresa me fizeram sentir que estava perdendo qualidade de vida. Sentia que a cada progressão na carreira estaria me afastando ainda mais daquilo que me dá mais prazer: ter tempo para viajar a lazer, curtir meus familiares, meus amigos etc.

– Ah, então esse cara resolveu estudar por não gostar de trabalhar…

Bem, sempre gostei muito da minha profissão. Era e ainda sou apaixonado pela empresa que trabalhei. Fiz diversos amigos que carrego até os dias atuais. Lá conheci e namorei minha esposa. Posso afirmar sem sombra de dúvidas que pedir demissão do trabalho para “só” estudar foi a decisão mais difícil que já tomei na minha vida! E ela se mostrou necessária exatamente porque sempre me dediquei muito ao meu emprego.

– Ok! Então você quer dizer que preciso largar meu emprego para estudar? Sem chances…

Vamos partir do princípio que temos, no mínimo, experiências de vida diferentes. Isso, por si só, já nos torna pessoas com habilidades distintas. No meu caso o foco só passou de fato a ser “estudar para o BNDES” quando eu me coloquei em uma situação de “ou vai ou racha”, saindo da minha zona de conforto.

– Ué, peraí… BNDES?

Antes de abordar essa pergunta que provavelmente você deve ter feito, gostaria de reforçar que não acho essencial abandonar seu trabalho para estudar! Mas considero ser primordial estabelecer o estudo para concurso como o principal foco em sua vida. Você vai perceber ao longo de sua preparação e de suas experiências nesse mundo de concurso que, na maioria das vezes, principalmente nos concursos mais difíceis, a disputa será você contra você, tanto pela necessidade de se manter estudando em alto nível pelo máximo de tempo de que dispuser quanto pela gigantesca resiliência necessária para superar suas dúvidas, suas angústias, seus muitos momentos de solidão, enfim… seu controle emocional será muito exigido!

Mas vamos aos fatos! Saí da empresa no final de março de 2012. Tinha interesse pela área fiscal, mas considerava que era “muita areia para o meu caminhão”… Rs. Nunca fui um cara muito estudioso e sempre me garanti naquele estudo rápido de véspera da prova. Sem nenhum tipo de menosprezo, o BNDES me parecia algo mais viável, principalmente pela minha formação e por incentivo de conhecidos que haviam estudado e passado para o banco.

Naquele mês havia um edital da Petrobrás na praça, com provas para início de maio e matérias correlatas ao BNDES, ainda só no boato de edital. Sem nenhum planejamento ou método de estudo, me matriculei em um curso intensivo presencial. Devorei todos os livros que ainda tinha da época de faculdade, fiz “resumos” enormes e resolvi todas as provas anteriores da banca. Para a minha surpresa, fiquei classificado, fora do número de vagas ofertadas, mas próximo delas. E por haver grandes chances de ser chamado de acordo com histórico da empresa de admitir muitos do cadastro de reserva, relaxei e esperei o tempo passar. Cheguei até a ser chamado para palestras na empresa e para realizar exames médicos admissionais… e nada! Primeira “porrada” e primeira lição! Nunca, repito, nunca desvie do seu foco ou abandone os estudos enquanto não for aprovado dentro do número de vagas! Cometi esse erro e perdi um tempo enorme em fóruns e grupos de discussão. Tempo jogado no lixo! E no meu caso, tempo era o bem mais precioso que eu possuía.

Nesses meses “perdidos” tive meu primeiro contato com o artigo do Professor Alexandre Meirelles… aquele que aborda técnicas como marcação de tempo, ciclos de estudos e que todo concurseiro deve conhecer! Naquele período também tive incentivo de dois amigos bem próximos (um já fiscal do ICMS RJ e outro estudando para o concurso do ICMS SP) a mudar de foco e cair dentro da área fiscal. Mas eis que em dezembro de 2012 veio o edital do BNDES com provas para março de 2013. Deixei de lado a dúvida e me dediquei integralmente aos estudos para o banco. Foi meu primeiro natal/réveillon/carnaval não curtido.

Resultado, não fui bem na prova e tive minha segunda grande decepção. E aí vieram os questionamentos… como posso ter estudado tanto e não ter ficado dentro das vagas? Aliás, como não fiquei nem perto das vagas dessa vez? Bateu aquele desespero! Porém, não tinha mais volta! Eu me coloquei naquela situação e agora tinha que dar um jeito de sair dela o mais rápido possível.

Dali em diante passei a ser extremamente pragmático. Deixei a formação de lado e em abril de 2013 decidi entrar de cabeça na área fiscal. Nesse período havia boatos de fiscos municipais, estaduais e Receita Federal. Não tinha dúvidas de que esse era o caminho! Consegui finalmente fazer um planejamento, estabelecendo uma metodologia de estudo baseada em ciclos, criando metas semanais, fazendo exercícios e revisões rápidas para consolidação de toda aquela novidade (contabilidade, auditoria, finanças públicas, economia, direito administrativo, constitucional, tributário, empresarial…).

Rapidamente percebi o quanto me fez falta dedicar um tempo para planejar meus estudos. Até minhas “viagens” a fóruns e grupos se tornaram mais objetivas. Passei a procurar quais eram os melhores professores e os melhores materiais de cada matéria do meu ciclo de estudos com objetivo de melhorar continuamente a qualidade daquilo que estava sendo estudado. Li alguns depoimentos de pessoas que obtiveram sucesso na preparação como forma de me manter motivado e passei a me identificar com algumas delas. Sentia que enfim estava conseguindo estabelecer uma alta produtividade nos estudos. Fiz algumas provas de concursos diversos, mas que continham matérias do meu ciclo. Meu objetivo, além de me testar nessas matérias, era também “treinar local de prova”, passar por todo tipo de dificuldade para que, no momento certo, na hora do “vamos ver”, nada fosse surpresa para mim. Uma verdadeira tática de guerra!

Estudando de 6 a 8 horas líquidas por dia, chegando a 10/12 horas líquidas naqueles dias mais inspirados, consegui progredir bem nas matérias básicas da área fiscal. E quanto mais avançava, mais me sentia à vontade com aquela rotina, com aquele método. No início procurava alternar entre casa e duas ou três bibliotecas diferentes para ver pessoas fazendo o mesmo que eu e não enlouquecer! Depois passei a maior parte do tempo em casa, pois comecei a me incomodar com a perda de tempo nos deslocamentos. Ah! Um fator que julgo importantíssimo é ter um bom ambiente de estudo em casa! É altamente desejável que sua família esteja apoiando seu projeto e que respeite suas horas de estudo como verdadeiras horas de trabalho.

Em junho de 2013 a Sefaz RJ divulgou o edital para o concurso de Oficial de Fazenda do Estado (atualmente Analista da Fazenda) com provas para agosto. Mesmo com apenas pouco mais de 4 meses de estudo até a prova, era uma excelente oportunidade para testar meus conhecimentos! Era um edital que praticamente não exigia nenhum tipo de adaptação em meu ciclo. Mantive um ritmo forte até a prova, agora ainda mais motivado por um edital publicado. Consegui pela primeira vez ser aprovado dentro do número de vagas! Eram 200 vagas e fiquei classificado em 102º. Não vou negar… sem demérito nenhum, aquele não era o meu objetivo final. Mas confesso que ver pela primeira vez meu nome publicado em um diário oficial é um sentimento que ninguém consegue explicar! E ainda na minha cidade natal, era algo sensacional!!!

Aquilo me motivou a seguir estudando ainda mais! Agora eu tinha o chamado “problema bom” para resolver. Assumo ou não assumo o cargo? Ajudado pelo edital do concurso para Auditor Fiscal do Espírito Santo (publicado em agosto de 2013), resolvi deixar esse “problema” de lado por um tempo e segui em frente com meu projeto! Eram 16 vagas para o ES. E neste caso, analisando o edital, precisei adaptar meu ciclo incluindo algumas matérias importantes de acordo com as regras do concurso. Segui firme até outubro, data das provas (objetiva e discursiva). Fui bem nas provas! Consegui, com 7 meses 100% focado na área fiscal, ficar classificado em 19º lugar no meu primeiro concurso na área que era o meu foco! Mas… lição aprendida! Não estava dentro do número de vagas, logo não podia de jeito nenhum parar de estudar! (Obs.: posteriormente fui convocado para assumir o cargo).

Detalhe: na semana anterior à prova do ES, mais precisamente em 30 de setembro, foi publicado o edital do ICMS RJ. A essa altura, baseado no famoso “gato escaldado tem medo de água fria”, já havia decidido assumir o cargo de Oficial de Fazenda (tomei posse no final de outubro de 2013). Sabia que meu tempo disponível para o estudo diminuiria, mas ainda assim consegui me manter motivado e estudando em um bom nível.

Passada a prova do ES… hora de sentar e dedicar um tempo para refazer todo o meu planejamento, decidir quais matérias não iria estudar e quais eu deveria incluir no ciclo, definindo de que forma iria estudá-las (se só por questões ou pela teoria mesmo, se por pdf, vídeo aula ou intensivo presencial). Foi necessário ampliar bastante o leque de matérias, pois vi que no ICMS RJ o buraco seria mais embaixo…

E o edital veio gigante! Provas em janeiro e nada mais nada menos do que 20 matérias com mínimo geral e mínimo por grupo de matérias (9 grupos). Nesse momento tive a real noção de algo que sempre ouvi de um amigo fiscal: “concurseiro bom é o cara que consegue ter um oceano de conhecimento com um palmo de profundidade”. Ele dizia que você deve ser generalista em vez de especialista nos assuntos, principalmente nesses concursos que possuem nota mínima por matéria. Precisa aprender a passar e não aprender a matéria. Precisa saber fazer prova e não dar aula sobre o assunto.

Certamente foram os dias mais “ausentes” em toda a minha vida! Não fazia literalmente nada além de estudar! Abandonei atividades físicas e os poucos eventos sociais. Era estudo FULL TIME!!!

Como esperado, a prova veio “o bicho”!!! Juro que pensei: impossível ter passado nessa prova…

Mas… no final o resultado veio! Todo aquele sacrifício foi recompensado! Com pouco mais de 10 meses de estudo com foco na área fiscal, consegui ser aprovado em 18º em um concurso com 50 vagas e que somente 24 conseguiram passar! Uma sensação indescritível!!! Mal conseguia dormir esperando a publicação do resultado definitivo do concurso!

FESTA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Bem pessoal… peço desculpas pelo texto longo. Mas confesso que me empolguei escrevendo esse depoimento, relembrando todos esses momentos! Meu objetivo foi mostrar a vocês que sim, é possível alguém “normal”, que se dedique, lograr êxito no estudo para concursos!

Além disso, você deve ter percebido que sublinhei algumas palavras no texto. Entendo que foco, planejamento, método e melhoria contínua são fatores-chave na sua preparação! E é atuando nestes e em outros aspectos que o meu trabalho como coach pode te auxiliar a identificar oportunidades de melhoria no seu estudo e ajudar a encurtar o caminho até o resultado esperado!

Se de alguma forma você se identificou com a minha história, deixe um comentário abaixo! Qualquer dúvida, me mande um e-mail ou me procure através das redes sociais! Conte comigo nesta caminhada!
Um forte abraço!

E-mail: [email protected] ou [email protected]
Facebook: https://www.facebook.com/coachandrec
Twitter: @coachandrec

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Veja os comentários
  • Caro Tércio, muito boa a sua mensagem! Eu que te agradeço!! Já ganhou um torcedor pela coragem na tomada de decisão e pelo planejamento feito.  Mantenha-se firme! Ao final de tudo isso você verá que a recompensa superará em muito todo o seu empenho e esforço. Um abração!
    André Chaves em 31/01/17 às 23:39
  • Parabéns André, pela sua dedicação acima de tudo! Seu depoimento deu mais uma gás para minha jornada, que só está começando. Só recém formado em Eng. de Petróleo, e diante dessa crise, que me deixou sem perspectiva de trabalho, resolvi entrar na vida dos concursos. Ontem, depois de varias semanas assistindo vídeos no youtube do estratégia, finalmente terminei de elaborar meu ciclo com 7 horas líquidas de estudos, focando na área fiscal (ICMS também rss). Hoje foi o dia que dei início a minha trajetória de estudos do zero. Assim como vc, graças a Deus meus pais me apoiaram nessa decisão. Sei que será difícil por ainda esta começando, mas independente de qualquer coisa, nunca vou perder meu foco e minha fé, de que um dia passarei. Espero um dia esta comentando contigo aqui novamente quando eu passar :) ! Obg mais uma vez! Abraço, tudo de maravilhoso. PS: desculpa o textão ai rssss.
    Tércio Matos em 31/01/17 às 21:02
  • Obrigado, Sâmara! Faça um planejamento e estabeleça uma rotina de estudos mantendo o foco que o resultado virá. Conte comigo para o que precisar! Abraços.
    André Chaves em 16/01/17 às 23:29
  • Parabéns pela garra e força de vontade. Começando a entrar no mundo dos concurseiros agora. Espero obter êxito como você, pois sempre fui apaixonada pela área fiscal.
    Sâmara Rocha em 14/01/17 às 15:56
  • Boa, Flavio! Obrigado pela leitura e siga firme no seu projeto! Digo a você que ter foco na área fiscal é muito bom. Mesmo sendo uma gama grande de matérias, há aquelas chamadas "básicas" que precisamos consolidar e que valem para fiscos de praticamente todas as regiões. Sucesso em sua caminhada! Abraço!
    André Chaves em 04/01/17 às 19:13
  • Olá Julio! Tudo bem? Fico feliz que tenha lido e se identificado com a minha história. Sei bem o que você está passando! Quando decidi sair também morava com meus pais e eles apoiaram bastante o meu projeto, assim como minha namorada na época, hoje esposa. Mesmo assim foi uma decisão muito complicada de se tomar. Bem, para não fugir da sua pergunta, diria que hoje de fato a minha decisão seria dificultada pela situação não só do nosso País, mas também da maioria dos Estados e Municípios. Independente disso, creio que tomaria a mesma decisão! Dificilmente atravessaremos os anos de 2017 e 2018 sem nenhum concurso da área fiscal (RFB, AFT, Fiscos Estaduais e Municipais). Além disso, creio que algumas mexidas que o governo fez/vai fazer (reforma da previdência, fim do abono permanência etc) vão provocar a aceleração das aposentadorias nas carreiras públicas, o que vai gerar necessidade de recomposição dos quadros. Bem, acho que é isso! Deixo abaixo, como sugestão, o vídeo gravado recentemente pelos Professores Mário Machado, Ronaldo Fonseca e Arthur Lima sobre o panorama dos concursos fiscais para o ano de 2017. Um grande abraço! Link: Panorama Concursos Fiscais 2017 (RFB, AFT, fiscos)
    André Chaves em 04/01/17 às 18:34
  • Bela história André...Parabéns...Também estou nessa mesma vida: Foco na área fiscal.
    Flavio Augusto Brito em 04/01/17 às 15:44
  • André, Meus parabéns pela trajetória. Me identifiquei bastante com sua história, pois sou engenheiro civil e trabalho há 3 anos em uma empresa da iniciativa privada. Bem, gosto do que faço, mas a cada ano que passa a qualidade de vida diminui e as perspectivas de carreira sao cada vez mais nebulosas. Já estou há algum tempo tomando coragem pra sair e mergulhar nos concursos da area fiscal, de certa forma tenho a vantagem de ser solteiro e morar com meus pais, mas a incerteza causada pelas PECs me deixa com pé atras. Qual a sua visão sobre o momento, arriscaria hoje a deixar seu emprego com a incerteza de vagas pra concursos nos proximos anos? Obrigado!
    Julio Costa em 04/01/17 às 15:17