Estudando para Concurso de Fisioterapia - Nervos Cranianos !!!
Mara Claudia Ribeiro

Estudando para Concurso de Fisioterapia – Nervos Cranianos !!!

Olá Pessoal …

Você que está estudando para Concursos na área de Fisioterapia, seja para carreiras militares, órgãos públicos governamentais estaduais, distritais ou federais, Concursos para Prefeituras em todo o Brasil ou Provas de Residências em Fisioterapia …. Fique atento às dicas …

Estude com Estratégia

Hoje vamos falar sobre Nervos Cranianos ….

NERVOS CRANIANOS – ANATOMOFISIOLOGIA; LESÕES E DOENÇAS.

São 12 pares;

ORIGEM:

  • Telencéfalo: Olfatório (I)
  • Diencéfalo: Óptico (II)
  • Tronco encefálico: III ao XII
  • São numerados em sequência crânio-caudal em relação à suas origens, ou seja o I é o que terá a sua origem mais alta (superior) no encéfalo, enquanto o XII será aquele que terá a sua origem mais baixa (inferior / caudal).

TABELA  – ORDEM DOS NERVOS CRANIANOS QUANTO À SUA ORIGEM

Número Nome Origem
I OLFATÓRIO TELENCÉFALO
II ÓPTICO DIENCÉFALO
III OCULOMOTOR MESENCÉFALO
IV TROCLEAR MESENCÉFALO
V TRIGÊMIO MESENCÉFALO / PONTE
VI ABDUCENTE PONTE
VII FACIAL PONTE
VIII VESTÍBULO-COCLEAR PONTE
IX GLOSSOFARÍNGEO PONTE / BULBO
X VAGO BULBO
XI ACESSÓRIO BULBO
XII HIPOGLOSSO BULBO

 

DETALHES ….

I – OLFATÓRIO

  • Origem aparente – Bulbo olfatório
  • Fibras – Sensitiva
  • Função – OLFAÇÃO

LESÕES

  • Hiposmia – redução do olfato
  • Anosmia – abolição do olfato
  • Parosmia – perversão do olfato (psicopatas)
  • Cacosmia – pano queimado ou excremento (eplepsia)

 

CAUSAS

  • Rinites agudas
  • Interrupção ou compressão da via (tumor, concussão, hidrocefalia)
  • Trauma de face (fratura do osso etmóide)
  • Tabes Dorsalis (atrofia do nervo)

II – ÓPTICO

  • Origem Aparente – Quiasma óptico
  • Fibras – Sensitivas
  • Função – VISÃO

 

LESÕES

  • Falhas ou redução do campo visual
  • Escotoma (positivos ou negativos)
  • Hemianopsia homônima
  • Hemianopsia heterônima

 

III – OCULOMOTOR

Origem Aparente: Sulco medial do pedúnculo cerebral.

Fibras:

1 – Motoras: musculatura extrínseca do globo ocular – reto sup, reto inf, reto medial, obliquo inf, elevador da pálpebra sup.

2 – Vegetativas: Parassimpáticas – Esfíncter da pupila

Função

  • Movimento do globo ocular
  • Miose ou midríase
  • Reflexo Fotomotor
  • Reflexo de Acomodação

CAUSAS

  • Paralisia muscular: tumores, meningites, sinusite, lesões vasculares
  • Reflexo Fotomotor: lesões das vias
  • Alteração pupilar: Neurolues, paralisia geral progressiva, tabes dorsalis, neurosifilis, sd de Claude Bernard-Horner, TCE e hematoma subdural.

IV – TROCLEAR

Origem Aparente: Tecto do mesencéfalo

– Fibras – Motoras – Músculo oblíquo superior

– Função – Leva o globo ocular para dentro e para baixo (abaixador e adutor)

Lesão – Dificuldade de realizar o movimento

  • Causas – tumores, fratura (lesão ou compressão da via)

VI – ABDUCENTE

Origem aparente: Sulco bulbo-pontino

– Fibras – Motoras – Músculo reto lateral

– Função – Abdução do olho

V – TRIGÊMIO

Origem Aparente: Ponte

FIBRAS

1 – Motoras – músculos mastigatórios (masseter, temporal e pterigóide lateral e medial)

2 – Sensitivas – Tato, pressão, dor e temperatura da face (ramos oftálmico, maxilar e mandibular)

FUNÇÃO

  • 1 – Mastigação
  • 2 – Sensibilidade da face

Lesão – Perda da força mastigatória, perda da sensibilidade, síndrome dolorosa (Neuralgia do trigêmio); 

  • Causas – lesões dentro do neuro eixo ou nos ramos periféricos (tu, trauma), herpes zoster e siringobulbia

VII – FACIAL

Origem Aparente: Sulco bulbo-pontino;

FIBRAS

1 – Motoras – músculos da mímica facial, plastima, estiloióideo e ventre posterior do digástrico

2 – Sensitivas – Sensibilidade gustativa dos 2/3 anteriores da língua, assoalho da boca e do palato e parte do ouvido externo

3 – Vegetativa – Parassimpática – glândulas salivares submandibular e sublingual, glândula lacrimal e membranas mucosas nasais e orais.

FUNÇÃO

 

1 – Expressão facial e deglutição

2 – Sensibilidade gustativa dos 2/3 anteriores da língua e tátil, térmica e dolorosa de parte do ouvido externo

3 – Salivação e lacrimejamento normais.

 

Lesão – Paralisia Facial Central X Periférica.

PARALISIA FACIAL CENTRAL – Comprometimento do quadrante inferior contralateral à lesão encefálica (AVE / TCE).

 

PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA – Comprometimento da hemiface homolateral ao nervo lesionado (Lesão VII par de nervos cranianos).

VIII – VESTIBULO-COCLEAR

Origem Aparente – Sulco bulbo-pontino

  • FIBRAS

1 – SISTEMA AUDITIVO

  • Função – Audição
  • Constituição – aparelho sensorial de recepção, aparelho de transmissão (vias periféricas e centrais) e aparelho de percepção e identificação de estímulos sonoros (centros corticais da audição)
  • Exame – Voz alta ou cochichada, uso de relógio, diapasão ou audiômetro.
  • Lesão – Sinais negativos: hipacusia e anacusia
  • Sinais Positivos: zumbidos, hiperacusia e alucinações auditivas.

2 – SISTEMA VESTIBULAR 

  • Função: Equilíbrio
  • Constituição: receptores no labirinto (células localizadas nos canais semicirculares, na sácula e no utrículo) – sensíveis aos movimentos da cabeça Ú gânglio vestibular Únervo vestibular Úbulbo, cerebelo e córtex cerebral
  • Lesão – vertigem, desequilíbrio, nistagmo.
  • Causas – labirintite, obstrução do conduto auditivo externo, otite e fratura do rochedo ou base do crânio.

IX – GLOSSOFARÍNGEO

  • Origem Aparente: Sulco lateral posterior do bulbo.

FIBRAS

1 – Motoras: músculo estilofaríngeo

2 – Sensitivo: – sensibilidade geral da faringe, 1/3 posteior da língua, tuba de Eustáquio e ouvido médio, papilas gustativas da faringe e 1/3 pot. da língua, quimiorreceptores e barorreceptores carotídeo

3 – Vegetativa – Parassimpática – glandular salivar parótida

 

FUNÇÃO

1 – Deglutição

2 – Sensibilidade geral e gustativa

3 – Salivação

 

  • LESÃO – distúrbios da sensibilidade gustativa (ageusia, hipoageusia parageusia), disfagia e neuralgia
  • CAUSAS – tu (raramente acometido isoladamente)

X – VAGO

Origem Aparente: Sulco lateral posterior do Bulbo

  • Associação com o nervo glossofaríngeo e com nervos espinhais

 

  • FIBRAS

1 – Motoras – músculos do palato mole, faringe e laringe

2 – Sensitivas – área cutânea retroauricular, conduto auditivo externo, mucosa da laringe e porção inferior da faringe e sensibilidade gustativa da epiglote.

3 – Vegetativa – Parassimpática – arvore traqueobrônquica, miocárdio e trato digestivo.

 

FUNÇÃO – Estabilidade do palato mole, fonação, deglutição, peristaltismo, sensibilidade visceral do tórax e abdomem e do pavilhão auditivo externo e conduto auditivo externo.

 

LESÃO / EXAME

  • Desvio do véu do palato (sinal da cortina), disfagia e alterações da fonação.
  • A função vegetativa não faz parte do exame neurológico, mas apresenta alguns sinais: lentificação do pulso periférico, vômitos em jato, ritmo de Cheyne-Stokes, soluços e bocejos patológicos.

 

XI – ESPINAL (ACESSÓRIO)

  • Origem Aparente – Sulco lateral posterior do bulbo e medula espinhal.

 

FIBRAS – Motoras – Músculo esternocleidomastóideo e porção sup. do trapézio.

FUNÇÃO – alteração na força muscular de trapézio superior e ECOM, com consequente alteração nos movimentos da cabeça. 

  • LESÃO – atrofia do musc. Esternocleidomastoideo e porção superior do trapézio.
  • CAUSAS – ELA, traumas e compressão

 

XII – HIPOGLOSSO

  • Origem Aparente – Sulco lateral anterior do bulbo

 

FIBRAS – Motoras – musculatura da língua

Função – motricidade da língua

 

  • LESÃO – Desvio da língua para o lado da lesão e atrofia. Fonação e deglutição

 

  • CAUSAS – ELA, síndromes pseudobulbares, MG

Teste dos Nervos Cranianos

Numeração dos Nervos Cranianos Nome Função Teste
I Olfatório Olfato Itens com odores muito específicos (p.ex., sabão, café e cravo) são colocados junto ao nariz do indivíduo para serem identificados
II Óptico Visão É testada a capacidade de ver objetos próximos e distantes e de detectar objetos ou movimentos com os cantos dos olhos (visão periférica)
III Oculomotor Movimentos dos olhos para cima, para baixo e para dentro É examinada a capacidade de olhar para cima, para baixo e para dentro. É observada a presença de queda da pálpebra superior (ptose)
IV Troclear Movimentos dos olhos para baixo e para dentro É testada a capacidade de movimentar cada olho de cima para baixo e de dentro para fora
V Trigêmeo Sensibilidade e movimento faciais São testadas a sensação de áreas afetadas da face e a fraqueza ou paralisia dos músculos que controlam a capacidade da mandíbula de apertar os dentes
VI Abducente Movimento lateral dos olhos É testada a capacidade de movimentar o olho para fora, além da linha média, seja espontaneamente ou enquanto o indivíduo fixa um alvo
VII Facial Movimento facial É testada a capacidade de abrir a boca e mostrar os dentes e de fechar firmemente os olhos
VIII Acústico Audição e equilíbrio A audição é testada com um diapasão. O equilíbrio é testado solicitando ao indivíduo que caminhe sobre uma linha reta, passo a passo
IX Glossofaríngeo Função da garganta A voz é analisada, para se verificar a presença de rouquidão. A capacidade de deglutição é testada. A posição da úvula (na região posterior e medial da garganta) é verificada, solicitando ao indivíduo que diga “ah-h-h”
X Vago Deglutição, freqüência cardíaca A voz é analisada, para se verificar a presença de rouquidão e se o indivíduo apresenta um tom de voz anasalado. A capacidade de deglutição é testada
XI Acessório Movimentos do pescoço e da parte superior das costas É solicitado ao indivíduo que ele encolha os ombros para se observar a presença de fraqueza ou ausência de movimentos
XII Hipoglosso Movimento da língua É solicitado ao indivíduo que mostre a língua para se observar a presença de um desvio para um lado ou outro

 

Aulão ao Vivo Raio-x da Fisioterapia

DIa 08 de Maio às 19:30

 

Posts Relacionados

Compartilhe:

Mara Claudia Ribeiro

Mara Claudia Ribeiro

Graduada em Fisioterapia e Residência em Fisioterapia Neurofuncional pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), mestrado em Gerontologia pela Universidade Católica de Brasília (UCB) e Doutorado em Ciências Médicas pela Universidade de Brasília (UnB). Mais de 15 anos de experiência, tendo sido professora da UCB e do Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) além de cursos de pós-gradução. Atualmente é professora titular da Universidade Católica de Brasília e Fisioterapeuta do Hospital das Forças Armadas (HFA).    

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Vídeos Relacionados

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.

Estamos aqui para ajudar você!
x