ENTREVISTA: Sérgio Guimarães Cardoso Junior - aprovado em 8º lugar no concurso da PRF para o estado do Mato Grosso (provas objetiva e discursiva)

Entrevista:

ENTREVISTA: Sérgio Guimarães Cardoso Junior – aprovado em 8º lugar no concurso da PRF para o estado do Mato Grosso (provas objetiva e discursiva)

“NÃO DESISTA! Parece clichê, mas não é. Não precisa reinventar a roda, é só fazer o “arroz com feijão”. Estudando com técnica e com o material do Estratégia, não tem como dar errado. É só uma questão de tempo!”

Confira nossa entrevista com Sérgio Guimarães Cardoso Júnior , aprovado em 8º lugar no concurso da Polícia Rodoviária Federal para o estado do Mato Grosso (provas objetiva e discursiva):

Estratégia Concursos: Conte-nos um pouco sobre você, para que nossos leitores possam te conhecer melhor. Você é formado em que área? Qual sua idade? De onde você é?

Sérgio Guimarães Cardoso Júnior: Tenho 23 anos e sou natural de Goiânia-GO. Sou bacharel em Ciências Aeronáuticas pela PUC/GO e Piloto Comercial de Aviões.

Estrategia: O que te levou a tomar a decisão de começar a estudar para concursos? Porque a área Policial?

Sérgio: Sempre fui apaixonado pela aviação, era um sonho de criança, Mas após me formar e ter alguns meses de experiência no mercado de trabalho, percebi que não era exatamente o que eu esperava.

A escassez de oportunidades, a falta de lealdade por parte da classe e, principalmente, a total ausência de meritocracia, foram os principais motivos que me levaram a decidir estudar para concursos.

A escolha da área policial veio por influência da família (meu avô, meu pai e meu tio são policiais militares aqui em Goiás, então cresci nesse meio). Portanto decidi unir duas grandes paixões, aviação e a área policial.

Estratégia: Durante sua caminhada como concurseiro, você trabalhava e estudava (como conciliava trabalho e estudos?), ou se dedicava inteiramente aos estudos para concurso?

Sérgio: Tive o privilégio de poder me dedicar exclusivamente aos estudos. No entanto, como tudo na vida, o fato de “apenas” estudar também tem seu lado negativo: a cobrança e a pressão para ter uma aprovação mais rápida são diretamente proporcionais ao tempo disponível para os estudos!

Estratégia: Quantos e em quais concursos já foi aprovado? Qual o último? Em qual cargo e em que colocação?

Sérgio: Durante a minha jornada, participei de outros 2 certames antes da PRF: Oficial da PM-TO e Agente da PF. No concurso da PM fui aprovado na prova objetiva (o certame está suspenso desde março do ano passado e ainda não foram divulgadas as notas da prova discursiva e a classificação). Já no da PF obtive classificação para o TAF (fiquei em 448°) e acabei sofrendo uma lesão no ombro esquerdo durante a prova de natação. Apesar de estar bem preparado, foi um balde de água fria!

Estratégia: Qual foi sua sensação ao ver seu nome na lista dos aprovados/classificados na primeira fase do certame?

Sérgio: Apesar de ter me classificado no da PF, estava um pouco distante das vagas, então não foi aquela sensação de aprovado. Agora com o da PRF foi completamente diferente! É algo realmente indescritível! Um misto de alegria com sensação de dever cumprido! É como se tirasse um peso gigantesco dos ombros. Espero que todos possam, um dia, experimentar essa sensação.

Estratégia: Como era sua vida social durante a preparação para concursos? Você saía com amigos, família, etc? Ou adotou uma postura radical, abdicando do convívio social?

Sérgio: Eu acredito que tudo em excesso faz mal, o equilíbrio é sempre o mais indicado. Durante o pré-edital, mantive uma rotina mais tranquila, estudando durante a semana e deixando a vida social mais para os finais de semana, para não atrapalhar meu rendimento semanal.

Já no pós-edital, me dedicava quase que 100% do tempo, parando apenas para aqueles compromissos inadiáveis ou para manter a sanidade (só estudar deixa a gente meio doido, às vezes temos que sair para socializar e lembrarmos da nossa humanidade kkk)

Estratégia: Você é casado? Tem filhos? Namora? Mora com seus pais? Sua família entendeu e apoiou sua caminhada como concurseiro(a)? Se sim, de que forma?

Sérgio: Namoro e não tenho filhos. Moro com meus pais e tanto eles quanto minha namorada foram extremamente compreensivos e me apoiaram desde o início. Meus pais foram com o apoio financeiro, me dando a oportunidade de me dedicar integralmente aos estudos e, juntos com minha namorada, sempre me dando forças para que eu continuasse na batalha.

Estratégia: Você acha que vale a pena fazer outros concursos, com foco diferente daquele concurso que é realmente seu objetivo maior?

Sérgio: Sinceramente, acho que quem tenta quer abraçar o mundo, acaba não pegando nada. Pode ser algo pessoal, mas creio que seja muito mais proveitoso uma pessoa se especializar em determinada área, como área fiscal/policial/tribunal/etc. Assim, suas chances de ser aprovado são maiores. Salvo se há uma grande escassez de concursos na sua área e você consiga aproveitar as matérias já estudadas, nesse caso acho válido (temos que sempre seguir no rumo do nosso objetivo maior!).

Estratégia: Você estudou por quanto tempo direcionado ao concurso que foi aprovado?

Sérgio: Minha preparação específica para a PRF iniciou com a publicação do edital, mas comecei a estudar para concursos em Janeiro de 2018. Pouco mais de 1 ano de muita luta e perseverança para chegar na tão sonhada aprovação. Não foi fácil!

Estratégia: Chegou a estudar sem ter edital na praça? Durante esse tempo, como você fazia para manter a disciplina nos estudos?

Sérgio: Após a prova da PM-TO, estudei por alguns meses sem edital até vir o da PF. Acho fundamental o aluno criar uma rotina de estudos para que isso se torne um hábito e ele não sinta tanto a falta de editais para se manter motivado.

Saber o que quer e ter consciência de que é possível chegar lá, são combustíveis que mantêm as chamas do sonho acesas!

Estratégia: Que materiais você usou em sua preparação para o concurso? Aulas presenciais, telepresenciais, livros, cursos em PDF, videoaulas? Quais foram as principais vantagens e desvantagens de cada um?

Sérgio: Fiz 2 semanas de cursinho presencial no início, perdi 2 semanas de estudos. Ao meu ver, cursinho presencial não funciona, pois além de não aprofundarem o suficiente nas matérias, o ritmo da aula é muito lento. Demoram muito pra cobrir todo o conteúdo (e de forma superficial).

No início, utilizei primariamente as videoaulas por não ter uma base nas matérias. Após um determinado tempo, passei a utilizar os PDFs e realizar muitas questões, muitas mesmo! Não utilizei livros durante a preparação.

Estratégia: Como conheceu o Estratégia Concursos?

Sérgio: Através de um amigo que estudou pelo Estratégia e hoje é Auditor de Contas Públicas no TCE-PB.

Estratégia: Uma das principais dificuldades de todo o concursando é a quantidade de assuntos que devem ser memorizados. Como você fez para estudar todo o conteúdo do concurso? Falando de modo mais específico: você estudava várias matérias ao mesmo tempo? Quantas? Costumava fazer resumos? Focava mais em exercícios, ou na leitura e releitura da teoria? Como montou seu plano de estudos? Quantas horas por dia costumava estudar?

Sérgio: Montei um ciclo de estudos baseado nas diversas dicas passadas pelos professores do Estratégia, disponíveis no Youtube. No pré-edital, estudava 8 horas líquidas diárias durante a semana, dividida em 4 matérias por dia (2hrs cada). E, no pós-edital, estudava pelo menos 10 horas líquidas diárias (variava o período de cada matéria segundo a importância no edital) e muitas questões aos finais de semana.

No início foquei mais na teoria, para construir uma base sólida e, após determinado tempo, priorizei a resolução de questões no TEC (utilizei único e exclusivamente os materiais do Estratégia).

Estratégia: Você tinha mais dificuldades em alguma(s) disciplina(s)? Quais? Como você fez para superar estas dificuldades?

Sérgio: Tive mais dificuldades, no início, em me acostumar com o estilo do CESPE, da cobrança em Português. Mas com as videoaulas do Professor Décio Terror e após centenas de questões da banca, acabei me adaptando.

Estratégia: A reta final é sempre um período estressante. Como foi sua rotina de estudos na semana que antecedeu a prova? E véspera de prova: foi dia de descanso ou dia de estudo?

Sérgio: Sou daqueles que estuda até o último minuto (estava na porta da sala de prova revendo as competências dos órgãos do SNT). Na reta final, mantive o ritmo de estudos, mas sem forçar a barra para não me cansar antes da prova (também participei da revisão de véspera do Estratégia, que foi excelente para refrescar alguns assuntos).

Estratégia: No seu concurso, tivemos, além das provas objetivas, as provas discursivas. Como foi seu estudo para esta importante parte do certame? O que você aconselha?

Sérgio: Sabia que a prova discursiva seria um diferencial nesse concurso e, por isso, estudei bem os PDFs das discursivas que continham exemplos de provas anteriores aplicadas pelo CESPE em concursos policiais (o que me ajudou a estabelecer o modelo de cobrança e compreender o que a banca espera do candidato).

Estratégia: Como está sendo sua preparação para o TAF e para as demais etapas?

Sérgio: Desde o início da minha preparação para os concursos da área policial, venho conciliando as exigências básicas do TAF às minhas atividades na academia. Acho importante ressaltar que as atividades físicas também funcionam como uma válvula de escape à intensa rotina de estudos e melhoram o desempenho mental. Super indico!

Estratégia: Se você tivesse que apontar ERROS em sua preparação (se é que houve), quais seriam? Diga-nos também quais foram os maiores ACERTOS?

Sérgio: Com certeza houveram erros. Acho que o principal deles foi não ter feito muitas redações durante a preparação. Tinha muito conteúdo para transmitir e talvez se tivesse praticado mais, teria tido mais facilidade na hora da prova.

Alguns dos maiores acertos foram o fato de, desde o início, ter utilizado bons materiais e ter utilizado técnicas de estudo, elaborando um ciclo de estudos e estabelecendo uma rotina/hábito de estudar diariamente (sem dúvidas esses fatores encurtaram meu tempo de preparação). A disciplina é a chave do sucesso no estudo para concursos!

Estratégia: O que foi mais difícil nessa caminhada rumo à aprovação? Chegou a pensar, por algum momento, em desistir? Se sim, como fez para seguir em frente?

Sérgio: Quando decidi estudar para concursos, deixei toda minha vida na iniciativa privada de lado e não criei nenhum “plano B”. Era passar ou passar. Então eu acho que isso me ajudou a não pensar em desistir.

Às vezes não ter opções é bom! O momento mais difícil da minha preparação sem dúvidas foi minha lesão no TAF da PF, na prova em que eu mais estava preparado: a natação! (Prova de que “m#%*&s acontecem” e nem tudo está sob o nosso controle, a concentração deve ser máxima em todas as etapas do certame!)

Estratégia: Qual foi sua principal motivação?

Sérgio: A realização de um sonho; a possibilidade de ingressar em uma instituição que valorize as pessoas por suas capacidades e méritos, e não por seus parentescos ou influência política; além da vontade de proporcionar uma vida melhor pra mim e minha família!

Estratégia: Por fim, o que você aconselharia a alguém que está iniciando seus estudos para concurso. Deixe-nos sua mensagem para todos aqueles que um dia almejam chegar aonde você chegou!

Sérgio: NÃO DESISTA! Parece clichê, mas não é. Não precisa reinventar a roda, é só fazer o “arroz com feijão”. Estudando com técnica e com o material do Estratégia, não tem como dar errado. É só uma questão de tempo!

Se dedique, se esforce, tenha fé e acredite em si mesmo! Com disciplina, persistência e perseverança somos capazes de alcançar grandes vitórias!

“O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário!” Autor desconhecido.

Confira outras entrevistas em:

Depoimentos de Aprovados

Cursos Online para Concursos

Confira também:

Foi aprovado e deseja dividir com a gente e com outros concurseiros como foi sua trajetória até a aprovação?! Mande um e-mail para: [email protected]

Abraços,

Thaís Mendes

Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Resultados:

  • Concurso TJ PR Dos 275 aprovados, 31 são nossos alunos
  • Concurso Banrisul 2018 (Escrituário) Dos 185 aprovados, 46 são nossos alunos
  • Concurso Sefaz RS 2018 (Papiloscopista) Dos 119 aprovados, 66 são nossos alunos
  • Concurso Sefaz RS 2018 (Escrivão) Dos 100 aprovados, 50 são nossos alunos
  • Concurso Sefaz RS 2018 (Agente) Dos 180 aprovados, 113 são nossos alunos

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.