ENTREVISTA: Lorena Rezende - Aprovada no concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal em 2º lugar no cargo de Técnico Legislativo

Entrevista:

ENTREVISTA: Lorena Rezende – Aprovada no concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal em 2º lugar no cargo de Técnico Legislativo

Confira nossa entrevista com Lorena Rezende, aprovada no concurso da Câmara Legislativa do Distrito Federal em 2º lugar no cargo de Técnico Legislativo:

Estratégia Concursos: Conte-nos um pouco sobre você, para que nossos leitores possam te conhecer melhor. Você é formada em que área? Qual sua idade? De onde você é?

Lorena Rezende: Sou formada em Ciências Contábeis, pela Universidade de Brasília (UnB). Tenho 23 anos (recém completados) e nascida em Brasília, Distrito Federal.

Estratégia: O que te levou a tomar a decisão de começar a estudar para concursos? Durante sua caminhada como concurseira, você trabalhava e estudava (como conciliava trabalho e estudos?), ou se dedicava inteiramente aos estudos para concurso? Quantos e em quais concursos já foi aprovada? Qual o último? Em qual cargo e em que colocação?

Lorena: Desde que me entendo por gente, tenho certo na minha cabeça que queria ser servidora pública. Meus pais são servidores (mãe professora e pai escrivão da PCDF) e minha tia (a qual foi minha inspiração para cursar Ciências Contábeis) também é. Então sempre que via as pessoas as quais considerava (e considero) bem sucedidas, profissional e pessoalmente, via servidores públicos. Nunca nem me imaginei e nem me arrisquei na iniciativa privada. Ambos os estágios que fiz foram em órgãos públicos. Então a decisão em si foi mais sobre quando começar a estudar.

Quando começaram as aulas na universidade, eu decidi que queria concluir meu curso com o máximo de aproveitamento, então fiquei a cargo só da UnB. Fiquei assim até a apresentação do TCC. Comecei a estudar, de fato e de maneira correta, em maio de 2017 com o material do Estratégia, para o concurso do TST.

Algumas pessoas dizem que eu comecei errado, por estar estudando para Técnico Judiciário e não para o cargo de Contador. Se eu for olhar somente a remuneração e a concorrência, sim. Eu, no entanto, não conseguia me enxergar em um cargo de Contador. Segui estudando para Área Administrativa, apesar dos vários conselhos para começar a estudar para minha área o quanto antes, dado as várias oportunidades que vinham aparecendo.

Em 2017, tinha aula de noite às terças e quintas e fazia estágio de 4h no TCU. Nos dias sem aula, ficava no Tribunal estudando até as 22h, hora que desligavam a chave de energia. No final de semana, estudava bem pouco em casa, não conseguia me concentrar. Não tenho ideia de quantas horas líquidas estudava, porque nunca fiz acompanhamento disso (não sei se isso é aconselhável, mas comigo não funciona).

Fui aprovada no TST (nov/2017), primeiro concurso que fiz, mas fora das vagas. Considero que o mais me prejudicou foi a falta de revisões.

Logo depois, já sem aulas na UnB, só com o estágio, comecei a estudar para o STM, também com o material do Estratégia. Passei a fazer revisões através de aulas de exercícios que eram transmitidas no Youtube. Fui fazendo resumo dos meus resumos, que são extremamente extensos (aprendo algo se eu escrever). Fui aprovada, no entanto, fora das vagas novamente. Melhorei quase 100 colocações em relação ao concurso do TST, então vi que no caminho certo eu estava, só precisava amarrar as pontas frouxas.

Um mês depois foi a prova do STJ. Decidi fazer apenas para Analista Administrativo, porque para Técnico cairiam matérias que não seria possível estudar em 1 mês e para nível superior as matérias coincidiam. Fui aprovada para Analista, mas não foi dessa vez ainda que foi dentro das vagas. As colocações continuavam melhorando.

Depois dessas provas, acabaram os concursos para Tribunais Superiores e fiquei totalmente sem rumo. Era o poder que eu considerava mais atrativo para trabalhar, já que nunca tive o sonho de trabalhar em um órgão específico.

Foi quando, cedendo à pressão (já que eu não tinha conseguido passar nas vagas de nenhum desses 3 concursos e colegas que estavam estudando para contador estavam conseguindo colocações boas), comecei a estudar para Consultor Técnico Legislativo, da CLDF, de novo pelo Estratégia. Comecei os estudos em meados de Abril de 2018, agora me dedicando somente a estudar para concurso. Mesmo estudando para Contador, continuava assistindo aulas de exercícios e intensivos para o cargo de técnico (já que as matérias administrativas eu já tinha estudado por conta dos concursos de tribunal e as específicas do DF e da Câmara eu estava estudando com o material para o cargo de nível superior).

Em junho, minha gatinha ficou muito doente e eu acabei perdendo muito o ritmo de estudo. Quando a situação ficou crítica, eu me matriculei em um curso presencial, só de exercícios para revisão, que durou uns 50 dias (para o cargo de Técnico Legislativo, já que não tinha para o de contador). O que eu não podia deixar acontecer, era perder totalmente o pique os estudos, afinal a prova estava quase chegando. Meu dia era: estudar em casa, ir visitar minha gatinha internada, ir para o curso de noite (arrasada após a visita, já que ela não melhorava) e estudar em casa mais algumas horas antes de dormir.

Em agosto teve a prova do IPHAN e como já tinha pago a inscrição, fui fazer. Assisti a revisão de véspera do Estratégia e depois a surpresa: Aprovada em 3º lugar para o cargo de nível médio, área administrativa. Essa aprovação veio na hora que eu precisava. Estava desesperada com a situação da gatinha, precisava de dinheiro e como não me via sendo aprovada, quase aceitei uma proposta de emprego que recebi. Com a aprovação eu vi que, de fato, eu estava no caminho certo. Se eu desistisse de me dedicar totalmente para concurso ali, eu teria nadado e morrido na praia.

Duas semanas antes da prova da CLDF, em setembro, minha gatinha foi para o céu. Para não me entregar ao desespero, eu só estudava. Ocupei minha cabeça só com isso. Depois da Câmara, ainda sem o resultado, tive menos de um mês para estudar para o MPU, complementar as matérias e me adaptar a banca, que era outra. Fiz isso com o Passo Estratégico.

Resultado do MPU saiu primeiro: Aprovada, fora das vagas, porém pelo histórico de nomeações do concurso, numa colocação boa. Depois de dois atrasos para a publicação do resultado da CLDF: aprovada em 2º para Técnico Legislativo. Consegui aprovação para a 2º fase do cargo de contador mas em 55º, então ainda tenho um imenso caminho pela frente, se quiser seguir na minha área.

Estratégia: Qual foi sua sensação ao ver seu nome na lista dos aprovados/classificados?

Lorena: A sensação é sempre dever cumprido, de estar no caminho certo. A aprovação no IPHAN tirou o peso das costas, mas não era o que eu desejava o resto da vida. A aprovação na CLDF foi inacreditável. Olhei várias vezes no site para saber se tinha olhado certo mesmo. A sensação de “não foi em vão” é indescritível.

Estratégia: Como era sua vida social durante a preparação para concursos? Você saía com amigos, família, etc? Ou adotou uma postura radical, abdicando do convívio social? Você é casada? Tem filhos? Namora? Mora com seus pais? Sua família entendeu e apoiou sua caminhada como concurseira? Se sim, de que forma?

Lorena: Meus pais sempre me apoiaram. Tanto quando decidi me dedicar só ao curso de Contábeis, tanto quando decidi me dedicar só para concursos. Me deram todo aparato possível. Ia os eventos de família e amigos só se fosse no final de semana e se eu conseguisse estudar pelo menos umas 4h, fosse antes, fosse depois do evento.

Namoro a muito tempo e eu sempre o preparei para quando eu fosse começar a estudar para concurso: namorar não seria a prioridade. Nos víamos aos domingos à noite, para lanchar e colocar as séries em dia. Não me isolei totalmente e não me arrependo disso, teria ficado doida (mais).

Estratégia: Você acha que vale a pena fazer outros concursos, com foco diferente daquele concurso que é realmente seu objetivo maior?

Eu me dei férias depois do resultado, até para terminar de me recuperar da perda da minha gatinha. No entanto, vou continuar estudando sim, só que agora focada em algum concurso grande: Ou TCDF/TCU ou SEFAZ-DF. Não quero sair de Brasília.

Estratégia: Você estudou por quanto tempo direcionado ao concurso que foi aprovada? Chegou a estudar sem ter edital na praça? Durante esse tempo, como você fazia para manter a disciplina nos estudos?

Lorena: Direcionado a CLDF foram 6 meses. Eu comecei a estudar as matérias de contabilidade contanto que o edital iria demorar para ser reaberto, porém com um mês de estudo o edital abriu. Como sempre soube que queria ser servidora, com o material certo, não foi TÃO difícil me manter disciplinada.

Se eu planejar uma coisa, seja qual for, e ela não sair como o planejado, eu não consigo fazer mais nada. Não sei improvisar depois. Então eu não tinha um cronograma. Começava por alguma matéria, quando percebia que tinha cansado, mudava para outra, depois para outra, depois outra… sem ignorar totalmente nenhuma. Assim eu ia terminando os PDF’s. Quando cansava de ler, ia assistir as videoaulas de exercícios e revisão que tinham disponíveis no YouTube. Jantava e almoçava assistindo alguma aula e limpava a cozinha fazendo isso também.

Estratégia: Que materiais você usou em sua preparação para o concurso? Aulas presenciais, telepresenciais, livros, cursos em PDF, videoaulas? Quais foram as principais vantagens e desvantagens de cada um? Como conheceu o Estratégia Concursos?

Lorena: Minha base de estudo sempre foi o material do Estratégia, principalmente os PDF’s. Não usei as videoaulas do curso regular, só dos intensivos e os de exercícios. Eu só aprendo algo se colocar no papel, então assistia aos vídeos depois que eu já tinha aprendido a matéria. Presencialmente só fiz o curso de revisão em exercícios, que durou em torno de 50 dias.

A vantagem do PDF, para mim, é que consigo evoluir na matéria mais rapidamente do que com as videoaulas, além de considera-los mais detalhados. Os cursos intensivos são maravilhosos para revisão. Considero-os essenciais para as minhas revisões.

Em todos esses concursos que fiz, eu assisti os aulões de véspera. Fico perdida, por conta da ansiedade, se tiver que estudar sozinha. Eles são sensacionais, te impedem de entrar em desespero. Os professores sempre acertam alguma questão da prova.

Conheci o Estratégia através da indicação do meu supervisor de estágio, que estudou por ele para ser aprovado no concurso do TCU.

Estratégia: Uma das principais dificuldades de todo o concursando é a quantidade de assuntos que deve ser memorizada. Como você fez para estudar todo o conteúdo do concurso? Falando de modo mais específico: você estudava várias matérias ao mesmo tempo? Quantas? Costumava fazer resumos? Focava mais em exercícios, ou na leitura e releitura da teoria? Como montou seu plano de estudos? Quantas horas por dia costumava estudar?

Lorena: Estudava várias matérias ao mesmo tempo. Posso dizer que todas ao mesmo tempo. Como não monto cronogramas, ia organizando na cabeça mesmo.

Por exemplo, começava por constitucional e ia até cansar dessa matéria. Mudava para raciocínio lógico. Depois para contabilidade pública. Quando cansava de ler e escrever, procurava videoaulas disponíveis das matérias que estudo. Não tinha um padrão para seguir.

Depois da teoria, fazia centenas de questões da matéria. Nas revisões também. Quando eu não lembrava do assunto, eu voltava no meu resumo, relia, e o complementava se fosse necessário.

Não montei planos de estudos, pois eles mais me atrapalham que me ajudam. Me sinto pressionada por eles. Eu perderia mais tempo preocupada em seguir o plano em si, do que absorvendo o conteúdo. Não faço ideia de quantas horas líquidas eu estudei. Eu passava, em média, 11h sentada em frente do computador, entre videoaulas e PDF’s. De segunda a segunda. Domingo era o dia mais leve, passava umas 6h sentada. Mas o líquido de estudo, eu não faço ideia.

Estratégia: Você tinha mais dificuldades em alguma(s) disciplina(s)? Quais? Como você fez para superar estas dificuldades?

Lorena: Matéria que mais tenho dificuldade é Direito Tributário. Quase transcrevi as leis para tentar decorar as coisas. Ainda não superei essa dificuldade. No entanto, agora que terminei a teoria toda e que começarei a revisar por exercícios. Espero conseguir aprender/decorar assim, como foi com as outras.

Estratégia: A reta final é sempre um período estressante. Como foi sua rotina de estudos na semana que antecedeu a prova? E véspera de prova: foi dia de descanso ou dia de estudo?

Lorena: Semana que antecede a prova, eu procuro assistir todas as aulas de revisão possíveis. Releio meus resumos e faço exercícios. Foco nas matérias que tenho menos tempo de estudo.

A véspera de prova é sempre acompanhando o aulão de véspera, seja presencial, seja pelo Youtube.

Estratégia: No seu concurso, tivemos, além das provas objetivas, as provas discursivas. Como foi seu estudo para esta importante parte do certame? O que você aconselha?

Lorena: Para o STJ eu treinei pouco redação e isso me prejudicou bastante. Para a CLDF, foi redação oficial, então o que tive que aprender foi a técnica para montar os documentos. Todos os dias eu fazia um esboço em um papel qualquer, com todas as partes que o documento tem que ter.

Estratégia: Se você tivesse que apontar ERROS em sua preparação (se é que houve), quais seriam? Diga-nos também quais foram os maiores ACERTOS?

Lorena: Considero o maior erro não ter um cronograma de revisão estruturado. Não me dou bem com eles, mas nas revisões acho que são essenciais, para não deixar passar nada. Errei muito também em não ter começado a estudar antes. Foi uma escolha à época e foi uma faca de dois gumes: para minha formação foi maravilhoso. Mas será que se eu não tivesse começado a estudar antes, mesmo que aos poucos, já não estaria nomeada?

O maior acerto foi sentar a bunda na cadeira e estudar até não aguentar mais. Sem mimimi. Não tem outro jeito de conseguir a aprovação sem estudar muito: seja com ou sem um cronograma bonitinho, desde que seja com um material bom.

Estratégia: O que foi mais difícil nessa caminhada rumo à aprovação? Chegou a pensar, por algum momento, em desistir? Se sim, como fez para seguir em frente? Qual foi sua principal motivação?

Lorena: O mais difícil foi continuar estudando enquanto minha gatinha estava doente. Se eu pudesse, ficaria 100% do tempo aproveitando o restinho de tempo que tinha com ela.

Eu pensei em procurar emprego na iniciativa privada. Não para parar de estudar, mas para não ficar totalmente sem dinheiro. Porém meus pais, meu namorado e um primo querido sempre me ajudavam a lembrar o porquê desse “sofrimento” agora, da recompensa que viria no futuro. Se eu não tivesse esse apoio dentro de casa, não teria conseguido.

Estratégia: Por fim, o que você aconselharia a alguém que está iniciando seus estudos para concurso. Deixe-nos sua mensagem para todos aqueles que um dia almejam chegar aonde você chegou!

Lorena: O que aconselho a quem está começando é a nunca tentar imitar o método de alguém, a qualquer custo, porque com ele deu certo. Se não sente bem, não consegue ver evolução, mude. PDF, videoaula, presencial, livro, mapa mental… teste tudo, até achar um modo que realmente se encaixe no seu jeito de aprender a matéria. Não vai ser o método infalível de fulano de tal que vai trazer sua aprovação. Serão as horas sentados na cadeira estudando, verdadeiramente.

É muito clichê, porém muito verdadeiro: só não pode desistir. Só não passa quem desiste no meio do caminho, quem não respeita seu próprio tempo.

Entrevista em vídeo:

Confira outras entrevistas em:

Depoimentos de Aprovados
Cursos Online para Concursos

Foi aprovado e deseja dividir com a gente e com outros concurseiros como foi sua trajetória até a aprovação?! Mande um e-mail para: [email protected]

Abraços,

Thaís Mendes



Veja os comentários:
Deixe seu comentário:

Deixe seu comentário:

Resultados:

  • Concurso DPE-AM 2018 - Defensor Público Dos 59 aprovados, 21 deles são nossos alunos
  • Concurso DPE-AP 2018 - Defensor Público Dos 108 aprovados, 34 deles são nossos alunos
  • Concurso ALE-RO 2018 - Advogado Dentro das 4 vagas ofertadas, 2 aprovados são nossos alunos
  • Concurso PGM-Manaus 2018 - Procurador Dos 146 aprovados, 58 deles são nossos alunos
  • Concurso PGE-TO 2018 - Procurador Dos 135 aprovados, 52 deles são nossos alunos

Cadastre-se para receber novidades e ofertas especiais sobre cursos.